Hepatologia

Terlipressina mais albumina para tratamento da síndrome hepatorenal tipo 1

Tempo de leitura: 2 min.

A síndrome hepatorenal (SHR) tipo 1 se caracteriza por falência renal rapidamente progressiva, geralmente em pacientes com cirrose e ascite. Se não tratada adequadamente é fatal, com sobrevida média inferior a 3 meses. A terlipressina é uma análoga sintética da vasopressina com atividade vasoconstritora sistêmica e no sistema esplâncnico, o que pode levar a melhora da perfusão renal no paciente cirrótico. Recentemente, Wong e colaboradores publicaram um estudo de fase III, conduzido em 60 centros dos Estados Unidos e Canadá, no qual foi avaliada a eficácia e segurança do uso de terlipressina e albumina em adultos com síndrome hepatorenal tipo 1.

Leia também: Qual o impacto da cirrose hepática após realização de angioplastia coronariana?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Resumo dos achados

Trezentos pacientes foram randomizados na proporção de 2:1 — 199 no grupo terlipressina e 101 no grupo placebo. A reversão da SHR tipo I (definida por duas medidas consecutivas de creatinina menor que 1,5 mg/dL até o dia 14, com sobrevida livre de terapia substitutiva renal de pelo menos 10 dias adicionais) foi observada em 32% dos pacientes do grupo intervenção e 17% do placebo (p = 0,006). Cerca de 17% dos pacientes que reverteram a SHR com terlipressina recidivaram após 30 dias. Até o dia 90 de seguimento, 23% dos indivíduos que receberam terlipressina e 29% do placebo foram submetidos a transplante hepático. O desfecho óbito foi registrado em 51% do grupo terlipressina e 45% do grupo placebo. Os sujeitos tratados com terlipressina apresentaram significativamente mais efeitos colaterais graves, como dor abdominal, náusea, diarreia e, especialmente, insuficiência respiratória.

Conclusões

O uso de terlipressina é capaz de melhorar a função renal na síndrome hepatorenal tipo 1 se comparado ao placebo. No entanto, a terlipressina não melhora a sobrevida em 90-dias e está associada a maior incidência de efeitos adversos graves. Os achados do estudo são limitados pelo fato dos autores terem adotado como definição de SHR tipo 1 um conceito antigo, no qual se aguardava dobrar a creatinina para um valor superior a 2,25 mg/dL dentro de 14 dias, após expansão com albumina por 48 horas e retirada de diuréticos, para se iniciar a intervenção medicamentosa. No entanto, sabe-se, atualmente, que o tratamento deve ser instituído precocemente, uma vez que probabilidade de resposta farmacológica da SHR é inversamente proporcional ao valor da creatinina ao início do tratamento. Assim, as novas diretrizes recomendam iniciar terlipressina e albumina na presença de injúria renal aguda e ausência de redução da creatinina para valores < 0,3 mg/dL acima da basal, a despeito das medidas terapêuticas instituídas nas primeiras 48 horas, excluídas outras causas de lesão renal. Dessa maneira, é possível que a terlipressina tenha melhores resultados que os observados nesse ensaio clínico se empregada precocemente.

Saiba mais: Tratamento da trombose de veia porta em pacientes com ou sem cirrose

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Wong F, et al. Terlipressin plus Albumin for the Treatment of Type 1 Hepatorenal Syndrome. N Engl J Med. 2021; 384:818-828. doi: 1056/NEJMoa2008290
Compartilhar
Publicado por
Guilherme Grossi Cançado

Posts recentes

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

16 horas atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

17 horas atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

20 horas atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

22 horas atrás

O coping religioso/espiritual como dimensão do cuidar

Coping religioso e espiritual está diretamente associado à saúde e à qualidade de vida. A…

23 horas atrás

Síndrome Metabólica e Colangiocarcinoma: destaques em Medicina Interna

Mais de 80 conteúdos publicados esta semana. Destaque para Medicina Interna, com Síndrome Metabólica e…

2 dias atrás