TOC na gravidez e no pós-parto é frequente?

Tempo de leitura: 5 min.

O transtorno obsessivo-compulsivo, popularmente conhecido como TOC, caracteriza-se pela presença de sintomas obsessivos — i.e., sentimentos, ideias ou pensamentos intrusivos e indesejados — e compulsivos — i.e., comportamentos ou atos mentais recorrentes e que seguem um padrão, cujo objetivo é aliviar a ansiedade causada pela obsessão. Este quadro geralmente é acompanhado por algum grau de sofrimento ou de interferência na vida e nas relações daqueles acometidos por esse transtorno. Segundo a bibliografia oficial, sua prevalência na população geral é de cerca de 2 a 3%. Contudo, um grupo de pesquisadores canadenses vêm questionando qual seria a epidemiologia real do TOC em mulheres grávidas ou no pós-parto, segundo os atuais critérios do DSM-5. No artigo publicado em março deste ano no The Journal of Clinical Psychiatry esse grupo de pesquisadores se propõe a discutir este assunto.

Leia também: Abordagem familiar no tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo pediátrico

Inicialmente, partiram do princípio que mulheres grávidas ou que tiveram um bebê há poucos meses podem relatar a presença de pensamentos cujo conteúdo envolve algum mal acometendo a criança, além de comportamentos relacionados. Dentre as obsessões mais comuns destacam-se: o medo da contaminação, de machucar o bebê de propósito, de que lhe ocorra algum mal por negligência ou distração e imagens indesejadas sobre comportamentos sexualizados com o bebê. Já dentre os comportamentos obsessivos mais comuns estariam a checagem e verificação frequentes. Embora dificilmente essas mães machuquem as crianças, os sintomas podem ser prejudiciais e comprometer a relação mãe-filho(a). Também se constitui num importante diagnóstico diferencial para a psicose puerperal, que de fato pode representar um risco real à integridade do bebê. No entanto, os critérios para o transtorno, como estão descritos no DSM-5, podem não ser compreendidos por essas mães no que diz respeito ao comportamento que apresentam com a criança. Ou seja, na entrevista clínica, se forem feitas perguntas sobre o transtorno da forma tradicional a essas mulheres, é possível que os sintomas não sejam contemplados, mesmo que elas estejam sofrendo com o transtorno. Logo, seria interessante perguntar sobre tais sintomas de forma específica dentro do contexto em que se encontram (gestação ou pós-parto há poucos meses). Como nem sempre isso ocorre, é possível que os atuais números sobre a epidemiologia do transtorno nessa população estejam subestimados, principalmente levando-se em conta os critérios atuais (DSM-5) — para os quais ainda há poucos trabalhos relacionados.

Dessa forma, para avaliar melhor essa situação, o grupo de pesquisadores canadenses decidiu fazer um estudo entre fevereiro de 2014 e fevereiro de 2017, recrutando mulheres grávidas na comunidade, na área rural e em hospitais de uma província canadense (British Columbia). Foram aplicados questionários estruturados (SCID-5) por entrevistadores treinados, mas além dele foram feitas perguntas específicas relacionadas ao momento em que viviam, como pensamentos e comportamentos relacionados a perigos para o bebê ao longo das últimas 2 semanas. As entrevistas, idealmente, aconteceram em 3 momentos distintos: uma vez ao final da gestação (até 12 semanas antes do parto) e 2 vezes no período pós-parto (até 25 semanas após o parto). A seguir, esses dados foram considerados para avaliação diagnóstica e definição da gravidade do quadro. Apesar de inicialmente 763 mulheres terem sido recrutadas, apenas 580 completaram pelo menos 1 entrevista do estudo, mas na prática, apenas as informações de 488 foram consideradas para análise.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Prevalência

Inicialmente são apresentadas as prevalências pontuais por período: nas 6 semanas anteriores ao parto seria de 2,6%; na 10ª semana após o parto seria de 8,3% e na 20ª semana após o parto, 6,1%. Quanto às estimativas de prevalência ponderada para o período durante a gestação, os resultados foram de 7,8% e de 16,9% para o pós-parto. Para facilitar a comparação com outros estudos, foi feito o cálculo também para as semanas 8,8 e 13 do pós-parto. Mas outros estudos sobre o tema encontraram valores menores do que neste trabalho (1-2,5% em outros trabalhos vs 6,9% neste para a 8,8ª semana e 3,4% nos outros estudos vs 7,8% neste na 13ª semana pós-parto).

A seguir apresentam prevalência pontual média de 2,9% durante o período pré-natal e de 7% no pós-natal. Embora os resultados encontrados no período pré-natal se assemelhem aos achados de outros estudos, há diferenças no intervalo de confiança, que se baseiam numa janela temporal mais estreita. Já os resultados do pós-parto mostraram resultados significativamente maiores do que os encontrados em outros estudos (7% vs 1,7%).

Saiba mais: Transtornos relacionados ao estresse: como identificar possíveis casos durante a Covid-19?

Os autores ainda destacam que a prevalência pontual apresentou um aumento gradual entre o final da gravidez e a 8ª semana do pós-parto, quando atinge um pico de 8,7%. Depois dessa fase, inicia-se um declínio gradual. Isso sugere que o quadro pode não ser persistente numa parte da população que inicialmente preenchia os critérios para o transtorno.

Incidência

Já a incidência estimada foi de 4,7 novos casos por 1.000 mulheres/semana no pós-parto. A incidência cumulativa aumentou progressivamente a partir de 5% no 1º mês após o parto, com acréscimo de 1% nos meses subsequentes até chegar a 9% no 5º mês, sugerindo que a probabilidade de desenvolver TOC no 1º semestre após a gestação seja de 9%.

Entendendo as correlações com outros trabalhos

Segundo os autores, no período perinatal 100 participantes apresentavam sintomas compatíveis com o diagnóstico de TOC. Dessas, 60 disseram que seus sintomas clínicos tiveram início durante a gravidez ou após o parto. As restantes afirmaram que os sintomas haviam se iniciado mesmo antes da gestação.

Intrigados com as diferenças dos resultados de prevalência encontrados entre o trabalho que fizeram e os estudos anteriores sobre o tema, os pesquisadores verificaram a acurácia diagnóstica que fizeram e consideraram as possíveis razões que explicassem esses achados. Eles acreditam que 2 motivos poderiam justificar essa diferença: o primeiro seria a diferença entre os critérios diagnósticos do transtorno no DSM-IV (que foi usado nos outros trabalhos) e o DSM-5 (usado neste trabalho). A segunda razão seria o fato de terem realizado uma avaliação mais compreensiva e específica dos sintomas do transtorno no período perinatal. Com apenas uma exceção, este teria sido o único grupo que incluiu perguntas específicas ligadas ao período perinatal na entrevista diagnóstica. Isso também teria ocorrido de forma mais completa do que o único outro trabalho feito dessa forma. Eles acreditam que isso teria dado a oportunidade de as mulheres refletirem sobre seus pensamentos relacionados ao bebê e, caso presentes, esses sintomas tinham uma maior probabilidade de serem relatados e incluídos nas avaliações.

Apesar de ser um estudo com características interessantes e que nos chamam a atenção para um diagnóstico importante numa fase tão delicada na vida da mulher, ele deve ser interpretado à luz de algumas limitações. Primeiro, a amostra populacional era composta por mulheres de uma província canadense, o que compromete a generalização dos resultados. Segundo, a presença do transtorno obsessivo-compulsivo no passado só foi pesquisado em pacientes com quadro clínico ou subclínico do transtorno e não em toda a amostra, fazendo com que não fosse possível comparar a incidência de TOC entre aqueles com ou sem história pregressa. Além disso, apesar de o recrutamento ter ocorrido principalmente durante o período gestacional, uma parte das mulheres se juntou ao estudo no período pós-parto — e podem tê-lo feito justamente por apresentarem os sintomas. Finalmente, é possível que as mudanças nos critérios diagnósticos entre os DSM-lV e 5 se relacionem ao impacto das medidas de frequência do transtorno.

Apesar disso, o TOC no período perinatal parece ser uma condição prevalente, especialmente no período pós-parto. Embora os resultados sugiram que, em algumas mulheres, o quadro possa involuir espontaneamente, é importante diagnosticar e acompanhar todos os casos. No entanto, uma dificuldade para se estabelecer esse diagnóstico pode estar relacionada ao fato de que os sintomas específicos relacionados a este período nem sempre são considerados. Isso revela a importância de avaliar o contexto e as necessidades específicas do periparto.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Sadock BJ, Sadock VA, Ruiz P. Compêndio de Psiquiatria – Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 11a edição. Porto Alegre: Artmed, 2017.
  • Fairbrother N, Collardeau F, Albert AYK, Challacombe FL, Thordarson DS, Woody SR, Janssen PA. High Prevalence and Incidence of Obsessive-Compulsive Disorder Among Women Across Pregnancy and the Postpartum. The Journal of Clinical Psychiatry, March 2021;82(2):20m13398. doi: 10.4088/JCP.20m13398
Compartilhar
Publicado por
Paula Benevenuto Hartmann
Tags: TOC

Posts recentes

Podemos utilizar corticoides na síndrome inflamatória multissistêmica em pediatria?

Um estudo britânico concluiu que os corticoides podem ser um tratamento eficaz para crianças com…

13 horas atrás

Novas diretrizes do ACR para o tratamento da artrite reumatoide (AR)

A artrite reumatoide (AR) é uma das artropatias inflamatórias mais prevalentes, acometendo preferencialmente mulheres entre…

14 horas atrás

Tratamento inovador para mutação de câncer de pulmão é aprovado no Brasil

Foi aprovada pela Anvisa o Tabrecta, tratamento para câncer de pulmão metastático de células não…

15 horas atrás

Terapia de anticorpos não demonstra eficácia na prevenção pós-exposição por Covid-19

Nesta semana, a farmacêutica AstraZeneca anunciou que sua terapia de anticorpos para Covid-19 não teve…

16 horas atrás

Noradrenalina perioperatória em acesso periférico

Uma revisão extensa de dados mostrou que a noradrenalina pode ser administrada em acesso venoso…

17 horas atrás

Inteligência artificial no rastreamento de câncer de mama

Diversos países implementaram programas de rastreamento do câncer de mama para diagnosticar a doença o…

18 horas atrás