Leia mais:
Leia mais:
Toracocentese: o que é e como realizar o procedimento?
Dia Mundial do AVC: prevenção e tratamento dos fatores de risco [vídeo]
Novos anticoagulantes orais (ou clopidogrel) e a segurança da toracocentese ecoguiada
Sabe quais são as complicações da toracocentese?

Toracocentese: o que é e como realizar o procedimento?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A toracocentese, ou punção pleural, é um procedimento que pode ser realizado por qualquer profissional médico desde que conheça a técnica de acesso à cavidade pleural por punção com a finalidade diagnóstica ou terapêutica do derrame pleural pela remoção do acúmulo de líquido anormal ali presente. Com relativa frequência é realizada em pronto atendimento, em pacientes internados e também em pacientes ambulatoriais. Daí a importância de todo profissional médico ter domínio técnico e estar habilitado a realizar este procedimento.

Toracocentese

O que é toracocentese?

O derrame pleural tem uma incidência anual, no brasil, de cerca de  milhão de pessoas por ano. Trata-se do acúmulo anormal de líquido entre as pleuras parietal e visceral. Este acúmulo ocorre, de um modo geral, em decorrência do desequilíbrio entre a entrada e saída de líquido na cavidade pleural. Diariamente são produzidos cerca de 700 ml/dia de líquido que trafega entre o espaço virtual das pleuras com função de lubrificação dos folhetos pleurais. Quase todo o líquido formado é removido pela extensa rede linfática presente na pleura parietal. Seu acúmulo promove o tão temido derrame pleural cujas principais causas são:

  • a) aumento da pressão hidrostática;
  • b) diminuição da pressão oncótica;
  • c) diminuição da pressão no espaço pleural;
  • d) aumento da permeabilidade na microcirculação
  • d) bloqueio da drenagem linfática;
  • e) passagem de líquido a partir do peritônio.

Quando um desses mecanismos está desregulado temos o derrame pleural.

Etiologia

Em pacientes jovens deve-se pensar em tuberculose pleural e processos infecciosos, já nos idosos pensar em insuficiência cardíaca e neoplasia, não se esquecendo da tuberculose e tromboembolismo pulmonar.

Quadro clínico

Os pacientes podem se apresentar relativamente bem com volumosos derrames, ou francamente sintomáticos com volumes pequenos. Entre os sintomas mais comuns há a dispneia, tosse e dor torácica. A depender da etiologia, tais sintomas podem vir acompanhados de astenia, febre e sudorese noturna.

Exame físico

Ao examinar o paciente podemos encontrar expansibilidade ipsilateral ao lado acometido diminuída, frêmito toracovocal diminuído ou abolido, murmúrio vesicular diminuído ou abolido e macicez timpânica à percussão.

Exames de imagem

Na delimitação da extensão de sua extensão podemos lançar mão de exames como radiografia de tórax, ultrassonografia e, principalmente para definir características como a presença de derrame livre ou loculado, a tomografia computadorizada.

Um dos maiores avanços recentes na imagenologia tem sido a versatilidade de uso e facilidade de transporte dos novos aparelhos portáteis de ultrassonografia. A utilização do US pelo médico assistente a beira do leito tem sido cada vez mais frequente e a deteçao de pequenos volumes de derrames pleurais tem sido cada vez mais diagnosticada. O US a beira leito é de grande utilidade tanto para o diagnóstico do derrame e sua localização, assim como  auxiliar a técnica de toracocentese.

Indicações do procedimento

A toracocentese pode ser diagnóstica ou terapêutica. Na primeira, tem sua principal indicação para pacientes com derrame pleural sem diagnóstico etiológico. Na toracocentese terapêutica, indica-se para o alívio sintomático (dispneia, tosse e dor torácica). Normalmente é indicado em neoplasia com acometimento pleural, mas também pode ser indicada em situações que o ajuste da doença de base ainda demora e a dispneia seja incapacitante para o paciente (ex. insf. cardíaca). Sabemos que a toracocentese de alívio irá proporcionar uma melhora temporária, caso os agentes causadores não sejam manejados de forma correta.

Aspectos técnicos do procedimento

Material necessário

  • Campo estéril

  • Jelco nº 14 ou 18

  • Solução antisséptica

  • Seringas de 20ml

  • Lidocaína a 2%

  • Equipo de macrogotas

  • Luvas estéreis

  • Micropore ou esparadrapo

  • Gaze

  • Tubos estéreis para coleta do material

  • Agulhas 40 x 12mm e 30 x 7mm

  • Frasco para coleta da secreção

É importante que previamente à punção, seja checado e preparado de forma organizada o material a ser utilizado.

Técnica

O procedimento deve ser realizado em sala tranquila e que permita o posicionamento adequado e confortável do paciente. Sala de procedimento na emergência, ambulatório ou à beira do leito no cti ou enfermaria. O paciente deve estar sentado, com as pernas para fora do leito, com os braços apoiados em anteparo ou segurando um suporte de soro a sua frente. Caso o paciente seja incapaz de sentar, o dorso da cama deve ser elevado para a posição mais próxima de 90o que for possível.

É fundamental checar se o paciente apresenta alguma discrasia visto que intercorrências hemorrágicas neste procedimento podem  levar a consequências graves.

Após preparar o material e realizar a assepsia o médico deve posicionar-se por atrás do paciente e proceder da seguinte maneira:

Anestesia 

Aspirar o anestésico com uma seringa acoplada à agulha 40 x 12 mm, em seguida com a agulha 30 x 07 mm puncionar na borda superior da costela inferior, na região lateral à musculatura paravertebral e medial à ponta da escápula ipsilateral ao derrame. No caso de pacientes acamados não será possível a realização da toracocentese por punção  no dorso, e assim realizar a punção na linha axilar média ou posterior. Para o melhor manejo da punção nesses pacientes é necessário fixar o braço abduzido na altura da cabeça.A borda superior da costela deve ser escolhida para evitar lesões do feixe vasculo nervoso que passa na borda inferior. Introduzir o anestésico lentamente, sempre lembrando de aspirar para verificar se não puncionou algum vaso. Todos os planos devem ser anestesiados: pele tecido subcutâneo, espaço intercostal e pleura parietall/. Durante a punção com agulha, já é possível confirmar a presença de líquido no local puncionado.

Punção

Após anestesiar, nova punção deve ser realizada exatamente no mesmo local previamente anestesiado, porém desta vez com jelco selecionado acoplado à seringa de 20 ml. Deve-se introduzi-lo lentamente sob aspiração negativa. Após aspiração do líquido pleural, e, portanto, confirmação do dispositivo no espaço interpleural, deve-se retrair um pouco a agulha metálica, deixando o jelco, e coletar cerca de 40 ml para estudo. Nos casos onde a toracocentese será apenas diagnóstica não há necessidade de utilização de cateter extracath pode ser com uma agulha 30×7 mm

Após coleta do material, retrair todo o mandril metálico e acoplar o equipo ao cateter plástico estando a ponta distal do equipo dentro do frasco para coleta da secreção a ser drenada. Interrompa o procedimento após retirada de cerca de 1000 ml a 1500 ml de líquido ou antes deste volume caso o paciente apresente aspectos de síndrome de reexpansão, usualmente esta síndrome é  caracterizada por tosse e/ou expectoração de secreção espumosa. Faça um curativo com gaze e esparadrapo no local da punção.

Conclusão

A toracocentese é um procedimento relativamente simples, porém não livre de complicações. Os exames a serem solicitados, quando se tratar de punção diagnóstica, deverão ser guiados pela clínica e suspeita diagnóstica, dentre eles podemos solicitar: dosagem de proteínas, dhl, ph, glicose, ada, citologia diferencial e oncótica, microbiologia e cultura. Por se tratar de uma patologia tão frequente no cotidiano do profissional de saúde, tal procedimento deve ser de conhecimento de todo médico generalista e acadêmico de medicina a fim de promover um melhor cuidado aos pacientes.

* Conteúdo revisado em abril de 2022 pelo editor de Cirurgia do Portal PEBMED, Felipe Victer.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
# Porto, celmo c. Semiologia médica. 6ed, rio de janeiro: guanabara koogan, 2009. Rasslan, samir et al. Clínica cirúrgica. Barueri – sp: manole, 2008. # Townsend c.d. et al. Sabiston: tratado de cirurgia, a base biológica da prática cirúrgica moderna. 20ed. Elsevier, 2016. # Utiyama, edivaldo m. Rasslan, samir. Dario, biroline. Procedimentos básicos em cirurgia. Barueri – sp: 1ed. Manole, 2008.
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    2 comentários

    1. Lino Guedes Pires

      Faltou falar sobre complicações neurológicas por falha técnica.

    2. Samily Rocha

      Estamos em 2022, poderiam atualizar o estudo.
      Pois segundo a orientação do ATLS®, o procedimento direciona 5°. ou 4°. espaço intercostal do lado afetado, anteriormente à linha médio-axilar, recomenda a exploração digital da cavidade torácica antes da inserção do dreno torácico durante a drenagem, com objetivo de averiguar a possibilidade de hérnia diafragmática. O dreno recomendado é o tubular multiperfurado calibroso (para adultos, 36 french), podendo ser de 22 a 32 french (calibre) para evitar a obstrução. O dreno deve ser introduzido cuidadosamente no sentido cranial e posterior. A fixação à pele deve ser realizada com fio resistente, além de curativo adequado Importante lembrar de nunca pinçar o dreno.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.