Página Principal > Cirurgia > Toxina botulínica: história e aplicações na medicina estética

Toxina botulínica: história e aplicações na medicina estética

Tempo de leitura: 3 minutos.

A intoxicação por toxina botulínica afligiu a humanidade através do tempo. No entanto, o primeiro incidente de botulismo alimentar foi documentado no século 18, quando o consumo de carne e salsichas deu origem a muitas mortes em todo o reino de Württemberg no sul da Alemanha Ocidental. O médico do distrito Justinus Kerner (1786-1862), também conhecido como poeta alemão, publicou as primeiras descrições precisas e completas dos sintomas do botulismo alimentar entre 1817 e 1822 e atribuiu a intoxicação a um veneno biológico. Kerner também postulou que a toxina poderia ser usada para fins de tratamento. Em 1895, um surto de botulismo na pequena aldeia belga de Ellezelles levou à descoberta do patógeno “Clostridium botulinum” por Emile Pierre Van Ermengem.

O tratamento com toxina botulínica moderna foi iniciado por Alan B. Scott e Edward J. Schantz no início da década de 1970, quando o sorotipo do tipo A foi utilizado na medicina para corrigir o estrabismo. Outras preparações da toxina tipo A foram desenvolvidas e fabricadas no Reino Unido, Alemanha e China, enquanto uma toxina terapêutica tipo B foi preparada nos Estados Unidos. Até hoje, a toxina tem sido utilizada para tratar uma grande variedade de condições associadas com hiperatividade muscular, hipersecreções glandulares e dor1.

A toxina é encontrada na natureza como produto da bactéria Clostridium botulinum, um organismo anaeróbio, gram positivo. Essa bactéria é capaz de produzir 7 tipos sorológicos da toxina, designados de A a G, dos quais A e B tem uso médico e A é a mais potente.

A toxina tipo A é a amplamente utilizada na medicina, se trata de um polipeptídeo de 1296 aminoácidos e consiste em uma cadeia pesada de 100 kDa unida por pontes dissulfeto a uma cadeia leve de 50 kDa.

A toxina botulínica atua sobre o sistema nervoso periférico bloqueando a transmissão neuromuscular, atingindo as membranas pré-sinápticas, onde atua impedindo a liberação da acetilcolina nas terminações nervosas, ocasionando a paralisia4.

Veja também: ‘Ivo Pitanguy – a chama da cirurgia plástica internacional’

No início dos anos 70, Scott2 estava investigando alternativas não cirúrgicas para o tratamento do estrabismo.  Muitos agentes foram testados incluindo a toxina botulínica, que em 1973, após um estudo realizado com macacos, se mostrou o agente mais efetivo abrindo caminho para seu uso clínico.

No final da década de 70 e início dos anos 80, Scott realizou testes clínicos em humanos para tratar o estrabismo e o blefaroespasmo.  E em, 1987 o interesse pelo uso cosmético da toxina botulínica surgiu a partir do relato de uma paciente que referiu melhora da aparência de suas rugas glabelares após o tratamento do blefaroespasmo com a toxina.  A primeira publicação do uso cosmético da toxina botulínica ocorreu em 1992  pelos oftalmologistas Alastair e Jean Carruthers3.

Atualmente, a aplicação de toxina botulínica para atenuação de rugas faciais é o procedimento mais realizado  no mundo.  Sua aplicação em pequenas doses em pontos específicos causa relaxamento muscular seletivo proporcionando rejuvenescimento das áreas tratadas.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

O procedimento é realizado em consultório médico utilizando-se poucos recursos e os pacientes não precisam se afastar de suas atividades.

O início da atividade da toxina pode ser visto entre 24h e 48h após o procedimento, com paralisia muscular completa em torno de 15 dias que dura de 4 a 6 meses.

Além da atenuação de rugas faciais e cervicais, a toxina é usada para correção do sorriso gengival (exposição excessiva da gengiva ao sorrir) e na correção de assimetrias e espasmos na paralisia facial.

Autora:

Referências:

  • (1) Erbguth, F. From poison to remedy: the chequered history of botulinum toxin. J Neural Transm (2008) 115: 559. doi:10.1007/s00702-007-0728-2.
  • (2) Scott AB. Foreword. In: JankovicJ, Hallett M, eds. Therapy withBotulinum Toxin. New York Marcel Dekker 1994;vii-ix.
  • (3) Carruthers JDA, Carruthers JA. Treatment of glabellar frown lines with C. botulinum-A exotoxin. J Dermatol Surg Oncol 1992;18: 17-21.
  • (4) Junqueira VCA, Serrano AM. Clostridium botulinum: cronologia das descobertas, caracterização, manifestações clínicas, diagnóstico e controle. Coletânea Instituto Tecnologia Alimentos 24: 29-39,1994.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.