Enfermagem

Transexualidade não é mais considerada um transtorno mental

Tempo de leitura: 3 min.

A transexualidade efetivamente deixou de ser considerada uma doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas de Saúde (CID) manteve a condição como um transtorno mental por 28 anos. 

Na prática, isso significa que transexuais passam a ser reconhecidos como indivíduos que podem necessitar de cuidados médicos, especialmente durante um processo de transição de gênero e não mais como pessoas que precisam de tratamento psiquiátrico. 

Embora essa informação tenha sido divulgada em 2018, somente foi oficializada durante a 72ª Assembleia Mundial da Saúde, em maio de 2019, quando foi adotada a nova edição da CID. No entanto, cada país teve até 1º de janeiro de 2022 para se adaptar à nova norma. 

Pela nova edição da CID 11, a transexualidade sai da categoria de transtornos mentais para integrar o de “condições relacionadas à saúde sexual” sendo a partir de agora classificada como “incongruência de gênero”. 

A CID é um cadastro com mais de 50 mil códigos únicos para enfermidades, problemas de saúde e lesões, que é atualizada periodicamente pela OMS reunindo todos os países membros nesta decisão em plenário. 

Orientações aos psicólogos 

Segundo especialistas, o principal problema da patologização das identidades de gênero são as propostas de tratamento para tentativas de “cura” da transexualidade/transgeneridade/travestilidade. Os impactos, no entanto, podem se estender para todos os segmentos da vida. 

E a retirada da transexualidade do CID visa impedir laudos psiquiátricos, psicológicos, que associavam a transexualidade a um transtorno mental, de ‘não aceitação do corpo’, de ‘ser uma confusão mental’, e demais termos já utilizados para a famosa “cura gay”. 

Na opinião do psicólogo clínico, Waldenir Cruz, esse é mais um avanço, como foi a retirada do termo “homossexualismo” da lista de doenças mentais na década de 90. “Felizmente, nós estamos evoluindo. E a tendência é tratar as pessoas como seres humanos, independente da sua orientação sexual”, disse o especialista em entrevista ao Portal de Notícias PEBMED. 

Resolução CFP nº 01/2018 

Antes mesmo da decisão da OMS, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) já havia publicado a Resolução CFP n°01/2018, que orienta a atuação profissional de psicólogos brasileiros para que travestilidades e transexualidades não sejam consideradas patologias clínicas. 

Segundo a conselheira do CFP, Sandra Sposito, esse é um momento histórico que consolida décadas de luta e de estudos que vêm avançando para garantir que cada indivíduo possa ter autonomia para definir e viver conforme a sua identidade de gênero. “A retirada da transexualidade do rol de patologias significa o respeito a essas identidades”, acrescentou. 

A Resolução CFP nº 01/2018 visa impedir o uso de instrumentos ou técnicas psicológicas para criar, manter ou reforçar preconceitos, estigmas, estereótipos ou discriminação e veda a colaboração com eventos ou serviços que contribuam para o desenvolvimento de culturas institucionais discriminatórias. 

Ela está baseada em três pilares: transexualidades e travestilidades não são patologias; a transfobia precisa ser enfrentada; e as identidades de gênero são autodeclaratórias.

Referências biliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Vaginose bacteriana: como identificar e abordar essa condição?

A vaginose bacteriana (VB) é a causa mais comum de corrimento vaginal em mulheres na…

7 horas atrás

Mais de 30 conteúdos novos no Whitebook; confira

Esta semana, o Whitebook ganhou 33 conteúdos novos. Além disso, 170 foram atualizados. Veja os…

7 horas atrás

Explorando emoções e percepções do paciente

Na terceira publicação da série Comunicação Médica, abordamos a importância da valorização das emoções na…

9 horas atrás

Informe-se sobre o piso salarial da enfermagem

A lei 14.434 institui o piso salarial de enfermagem, para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares…

10 horas atrás

Hemorragia pós-parto: Quais são os fatores de risco para falha do tamponamento intrauterino?

Um trabalho revisou quais fatores poderiam facilitar a falha do tamponamento por balão em pacientes…

11 horas atrás

Há estimativa de risco para demência em pacientes que apresentaram delirium?

Um estudo estudou o risco de desenvolvimento de demência naqueles que apresentaram um episódio de…

12 horas atrás