Página Principal > Cirurgia Plástica > Tratamento com sanguessugas: ainda uma realidade?
sanguessuga

Tratamento com sanguessugas: ainda uma realidade?

Tempo de leitura: 4 minutos.

As sanguessugas já foram usados para tratar de tudo, de dores de cabeça a estrangulamento, e ainda são uma parte vital da cirurgia. O registro mais antigo do seu uso pela medicina foi encontrado numa tumba egípcia datada em aproximadamente 1500 a.C. Os médicos egípcios realmente acreditavam que as sanguessugas poderiam fornecer a cura para tudo, desde febres até flatulências. Acredite, eles não estavam totalmente errados.

Seis segundos. Talvez 10. Depois disso, as mandíbulas serão ativadas, as centenas de dentes se encaixarão, a sanguessuga começará a comer e sua refeição será seu sangue. Você está passando por um lago tropical com umidade intensa? Você retornou a sua casa de veraneio para encontrar com horror uma presa em sua perna? Possivelmente. Mas é igualmente possível que você esteja em uma sala estéril de um hospital moderno, atendido por enfermeiras que prendem esses animais sanguessugas a você como parte do seu tratamento. Você as aceita com calma porque lhe foi explicado que essas sanguessugas podem salvar seu seio, seu dedo, seu ouvido ou sua vida.

Tratamento com sanguessugas

Milhares de anos desde que as sanguessugas foram empregadas pela primeira vez para fins medicinais, e um século desde a “mania da sanguessuga” quando foram usadas para lidar com tudo, de dores de cabeça a estrangulamento, essas criaturas ainda são usadas para limpar feridas e melhorar a circulação, especialmente após a cirurgia.

As sanguessugas secretam peptídeos e proteínas que atuam na prevenção de coágulos sanguíneos. Esta propriedade anticoagulante mantém o sangue fluindo para as feridas para ajudá-las a cicatrizar.

As sanguessugas são vermes anelídeos de água doce, multissegmentados, que sugam sangue, como o próprio nome diz, com 10 estômagos, 32 cérebros, nove pares de testículos e várias centenas de dentes que deixam uma marca distintiva na pele.

Biopharm é uma fazenda inglesa que produz Hirudo verbana e Hirudo medicinalis, conhecidos como sanguessugas medicinais. Essas sanguessugas estão em demanda em todo o mundo. Ambos têm duas características em comum: injetam o hospedeiro com um anestésico local, de modo que sua presença é raramente notada até que ele se encaixe. Por causa disso, uma mordida geralmente parece uma sensação vaga. Uma vez que seus dentes estão engajados, eles emitem os melhores anticoagulantes conhecidos, de modo que sua refeição de sangue continua fluindo por muito tempo depois de terem parado de se alimentar, muitas vezes por até 10 horas.

Em uma pesquisa de 2002 com 50 unidades de Cirurgias Plásticas no Reino Unido, 80% usaram sanguessugas nos cinco anos anteriores. A sanguessuga é, em muitos aspectos, um animal simples, mas seu anestésico e anticoagulante ainda precisam ser melhorados pela ciência.

MAIS DO AUTOR: ASIA – você conhece essa síndrome autoimune/inflamatória?

Sanguessuga medicinal

Roy Sawyer, o zoólogo americano que fundou a Biopharm, gosta de chamar a sanguessuga medicinal de “farmácia viva”. O anelídeo não é apenas uma arca do tesouro medicinal, mas sua mordida é espetacularmente eficiente, a forma tripartida muito menos prejudicial do que uma incisão de bisturi, que pode lesar o tecido circundante.

Para um animal que os biólogos descrevem como bastante simples, a sanguessuga precisa de manipulação complicada. Sua criação é bastante difícil exigindo uma estrutura complexa. A sanguessuga não é uma lesma. Nem é um bug, réptil ou inseto. É um animal invertebrado pertencente ao filo Annelida, uma categoria zoológica que inclui mais de 15.000 espécies de vermes segmentados e 650 espécies de sanguessugas na subclasse Hirudinea. Nem todas sugam sangue e nem todas buscam o sangue dos humanos. Muitas evoluíram para ter fontes de alimentos impressionantemente especializadas: uma variedade do deserto vive no nariz de camelos; outro se alimenta de morcegos. Alguns comem hamsters e sapos. A sanguessuga gigante da Amazônia, que pode chegar a 45cm de comprimento, se alimenta inserindo uma probóscide – como um canudo de 10cm de comprimento – em sua presa.

Em 2004, a FDA deu ao Hirudo medicinalis um status como dispositivo médico comercializável, apenas para uso único: todas as sanguessugas utilizadas em ambientes hospitalares devem ser exterminadas com solução alcoólica, uma vez que tenham sido alimentadas e retiradas.

Take-home message

Em suma, os ensaios clínicos sugerem que a terapia com sanguessuga é um tratamento adequado para a doença comum das articulações. As propriedades anti-inflamatórias e anestésicas na saliva da sanguessuga reduzem a dor e a sensibilidade no local da articulação afetada. Por outro lado, pessoas com doença cardíaca podem usar o método também para melhorar a inflamação e o fluxo sanguíneo.

Nos últimos anos, tanto nos EUA como na Europa, esse tipo de  terapia alternativa tornou-se cada vez mais aceitável para pessoas com doenças vasculares e também no pós-operatório de membros reimplantados, por ajudarem no restabelecimento da circulação sanguínea entre os tecidos. Uma prova de que o tratamento com sangrias voltou para ficar, pelo menos nos EUA, é que já estão desenvolvendo uma máquina que literalmente “chupa” o sangue do paciente tal como a sanguessuga. Muitas pessoas não se sentiam confortáveis de ter um bicho sugando seu sangue; daí veio a ideia desse dispositivo que imita a ação sugadora do verme.

Uma sanguessuga pode fazer a diferença!

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

André Mattos

Graduação em Medicina pela UFRJ (1987) ⦁ Residência em Cirurgia Geral na UFRJ (1988-1989) ⦁ Residência em Cirurgia Plástica no Instituto Ivo Pitanguy (1990-1992) ⦁ Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica ⦁ Membro da American Society of Aesthetic Plastic Surgery

Referências:

  • AMARAL, A. Cecilia Z.; MIGOTTO, Alvaro E.. IMPORTÁNCIA DOS ANELÍDEOS POUQUETAS NA ALIMENTAÇÃO DA MACROFAUNA DEMERSAL E EPIBENTÓNICA DA REGIÃO DE UBATUBA. Instituto Oceanografico, São Paulo, n. , p.31-35, 29 fev. 1980.
  • RUPPERT, Edward E.; FOX, Richard S.; BARNES, Robert D.. Zoologia dos invertebrados: uma abordagem funcional-evolutiva. 7. ed. São Paulo: Roca Ltda, 2005.
  • BRUSCA, Richard C. et al. Invertebrados. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
  • RIBEIRO-COSTA, Cibele S.; ROCHA, Rosana Moreira da. INVERTEBRADOS – Manual de Aulas Práticas. 2. ed. Curitiba: Guanabara Koogan, 2006. 271 p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.