Tratamento da hérnia inguinal: realizar cirurgia robótica ou videolaparoscopia?

A cirurgia de hérnia inguinal tem sofrido alterações ao longo dos anos. Até o desenvolvimento de próteses, havia uma alta taxa de recorrência.

A cirurgia de hérnia inguinal tem sofrido alterações ao longo dos anos da forma que é tratada. Até o desenvolvimento de próteses havia uma alta taxa de recorrência. Com o advento das telas e técnicas sem tensão, o índice de recorrência caiu drasticamente.

Após uma certa relutância da comunidade cirúrgica, o tratamento da hérnia por videolaparoscopia se mostrou tão eficiente quanto a método aberto, com tendência de uma melhor recuperação a curto prazo. Atualmente temos a plataforma robótica como mais um meio de realizar o reparo da hérnia inguinal.

Alguns pontos continuam sendo debatidos a respeito do reparo da hérnia inguinal por vídeo, como a possibilidade de dor crônica pela presença dos tacker e a ruim ergonomia do cirurgião durante o ato operatório. Neste cenário, a plataforma robótica poderia dirimir estas questões visto que a sutura substituiria o tacker e a ergonomia do cirurgião adequada, visto que o mesmo permaneceria no console.

Tratamento da hérnia inguinal

Metodologia

Estudo prospectivo multicêntrico, randomizado com dois grupos de pacientes, demograficamente semelhantes. Em ambos grupos o procedimento realizado foi o reparo da hérnia inguinal pela via trans-abdominal (TAPP), sendo que um pela plataforma robótica e outro por laparoscopia convencional.

Leia também: Consenso internacional para diretrizes de tratamento da hérnia inguinal

O paciente não foi informado qual método foi utilizado. Não foi determinado nenhum desfecho primário, porém os desfechos secundários envolveram custo, ergonomia e força de trabalho.

Resultados

Um total de 102 pacientes foram selecionados e 54 alocados no grupo laparoscópico e 48 no grupo robótico. Houve uma diferença do tamanho dos portais entre os grupos, sendo que os portais laterais do grupo robótico eram de 8 mm e no grupo laparoscópico 5 mm. Quanto ao trocarte umbilical na laparoscopia 74% era 12 mm enquanto no robótico 58% de 12 mm e 29,2% 8 mm.

O tempo total cirúrgico foi de 75,5 min no braço robótico e 40,5 min laparoscópico (P<0,001). Assim como o tempo de dissecção do saco herniário, fixação da tela e fechamento peritonial também foram maiores na plataforma robótica. O tempo de posicionamento da tela foi semelhante em ambas plataformas. A avaliação de dor também foi semelhante entre os dois grupos.

Foi avaliada a carga de trabalho mental e frustração do cirurgião após o término de cada procedimento, sendo significativamente maior no grupo robótico. Não houve grande diferença das avaliações ergonômicas. Já em relação aos custos, foram significativamente maiores na plataforma robótica.

Veja mais: Cirurgia laparoscópica: qual a melhor técnica de bloqueio do plano transverso do abdome?

Discussão

Este é o primeiro trabalho a comparar dois grupos semelhantes quanto ao uso de duas plataformas distintas para o tratamento da hérnia inguinal. O desfecho cirúrgico foi semelhante nos dois grupos, em relação a dor e ergonomia do cirurgião avaliada por dois observadores independentes. No entanto, o grupo robótico apresentou um maior índice de frustração do cirurgião e tempo cirúrgico, apesar do igual rendimento entre as vias.

As novas tecnologias podem ganhar espaço rapidamente sem que uma base de evidência suporte o seu uso indiscriminado. Apesar do grande aumento do uso da plataforma robótica para o tratamento da hérnia inguinal, não há literatura robusta que mostre o real benefício deste método sobre a laparoscopia convencional.

O uso de tacker para a fixar a tela neste estudo não demostrou aumento do índice de complicações pós-operatórias. Além disto, o tempo operatório e custo foi significativamente maior no braço robótico como demostrado em outros estudos.

Apesar do senso comum que a imagem 3D, diminuição do tremor e estabilidade dos instrumentos serem diretamente relacionados a um melhor desempenho cirúrgico, isto não se mostrou verdadeiro neste trabalho para o tratamento de hérnia inguinal pela técnica TAPP. Da mesma forma a ergonomia proposta pela plataforma robótica também não se mostrou benéfica neste estudo e deve ser mais bem investigada por outros trabalhos.

Mais do autor: Qual a melhor técnica de reforço para gastrectomia vertical?

Conclusões

A plataforma robótica não se mostrou superior a via laparoscópica para o tratamento da hérnia inguinal, apesar de mais onerosa, envolver maior tempo operatório e maior frustração do cirurgião. Este estudo não teve como objetivo avaliar cirurgiões iniciando na prática de cirurgia minimamente invasiva e nem em casos complexos. Assim, o uso de plataforma robótica não se justifica para casos unilaterais não complicados de hérnia inguinal.

Referências bibliográficas:

  • Prabhu AS, Carbonell A, Hope W, et al. Robotic Inguinal vs Transabdominal Laparoscopic Inguinal Hernia Repair: The RIVAL Randomized Clinical Trial. JAMA Surg. 2020;155(5):380–387. doi:10.1001/jamasurg.2020.0034

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.