Página Principal > Cardiologia > Tratamento da hipertensão na estenose aórtica grave
hipertensão

Tratamento da hipertensão na estenose aórtica grave

Tempo de leitura: 1 minutos.

Na estenose aórtica grave, o tratamento da hipertensão poderia ter um risco de redução excessiva da pós-carga e hipotensão grave. A explicação seria que a estenose fixa impediria uma compensação do débito cardíaco. Só que na vida real, os outros benefícios de redução da PA parecem se sobrepor a este risco.

Em uma revisão recente sobre o assunto, pesquisadores observaram que a redução da PA tem uma correlação em J com risco de eventos cardiovasculares: redução e elevação excessivas são as situações de maior risco. O “ponto” ideal parece ser uma PA sistólica 130-140 mmHg e diastólica 70-90 mmHg.

Leia maisEstenose aórtica: como identificar e diagnosticar

Quanto aos anti-hipertensivos de escolha, iECA e betabloqueadores (exceto atenolol) foram as duas classes associadas com maiores benefícios. Há estudos, inclusive, sugerindo que os iECA ajudem a reduzir a progressão da calcificação valvar e melhorem a hipertrofia ventricular. Nas situações de urgência, o nitroprussiato também parece seguro.

Claro que esses estudos são com amostras pequenas e necessitam de confirmação em populações maiores, mas até isso ser feito, parece o caminho a ser seguido.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.