Treinamento de força melhora a evolução da osteoartrite de joelhos

Esse estudo pretende avaliar a relação entre treinamento de força com os desfechos sintomáticos e estruturais da osteoartrite do joelho.

Apesar de a OMS recomendar que a população de maneira geral se engaje em atividades físicas regulares, apenas cerca de 30% dos pacientes nos Estados Unidos atingem os níveis recomendados de treinamento de força. No contexto da osteoartrite (OA) de joelho, uma das possíveis explicações para esse fato é que pacientes portadores da doença podem considerar que a sobrecarga mecânica pode gerar dor ou agravar a OA, levando a hesitação e cinesiofobia. 

Com a hipótese de que o treinamento de força pode ser útil para pacientes com osteoartrite, sem apresentar riscos significativos de piora da história natural da doença, Lo et al. conduziram um estudo para avaliar a relação entre histórico desse tipo de atividade física e desfechos de sintoma e progressão radiográfica da OA de joelhos. 

 Saiba mais: Ainda há espaço para os opioides na osteoartrite (OA) de joelhos e quadris?

Treinamento de força melhora a evolução da osteoartrite de joelhos

Treinamento de força melhora a evolução da osteoartrite de joelhos

Métodos

Esse estudo foi conduzido como parte do Osteoarthritis Initiative (OAI), um estudo observacional prospectivo multicêntrico. A presente análise foi realizada de maneira transversal. Pacientes com dados completos sobre treinamento de força, dor nos joelhos e evidência radiográfica de osteoartrite foram incluídos. 

Foram aplicados questionários (Historical Physical Activity Survey Instrument) na visita de 96 meses do OAI a respeito da realização de exercícios de força em 4 momentos distintos da vida dos participantes: 12-18, 19-34, 35-49 ≥50 anos. As variáveis de desfecho analisadas foram alteração radiográfica da OA (Kellgren-Lawrence ≥2), OA sintomática e dor frequente nos joelhos, todos avaliados no mês 48. 

Resultados

Foram incluídos 2607 pacientes com dados completos, dos 4796 seguidos no OAI. Desses, 44% eram do sexo masculino, com idade média de 63,4±8,9 anos e IMC médio 28,5±4,9 kg/m2. 39% tinham dor em joelho frequente, 58% sinais de OA na radiografia, 28% OA sintomática; 4% foram submetidos à artroplastia total de joelhos e 49% tinham histórico de lesão antes da visita de 48 meses. 

A respeito da realização de atividade física, 1789 (68,6%) não foram expostos a treinamentos de força, enquanto 818 (31,4%) foram. Dos que realizaram exercícios de força, a maioria o fez após 50 anos de idade. 

A chance de dor frequente nos joelhos foi menor no grupo que realizou exercício, com OR ajustado de 0,82 (IC95% 0,68-0,97); o mesmo foi observado para OA radiográfica (OR 0,83, IC95% 0,70-0,99) e OA sintomática (OR 0,77, IC95% 0,63-0,94). Os achados foram semelhantes nos diferentes estratos de idade analisados.

Leia também: Internação em day hospital pode ser utilizada em artroplastias totais de joelho?

Comentários

Esse estudo é importante por documentar que a prática de treinamento de força apresenta benefícios na melhora da OA. Sendo assim, é papel do médico que cuida de pacientes com OA orientar a realização de exercício físico, sem o conceito antigo de que isso pode provocar piora do quadro do paciente.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Lo GH, Richard MJ, McAlindon TE, et al. Strength Training Associates with Less Knee Osteoarthritis: Data from the Osteoarthritis Initiative. Arthritis Rheumatol. 2023;  DOI: 10.1002/art.42732