Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Tricomoníase: dose única de antibiótico é eficaz no tratamento da IST?
Tricomoníase

Tricomoníase: dose única de antibiótico é eficaz no tratamento da IST?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis que acomete tanto homens quanto mulheres. O paciente diagnosticado com a doença pode ser assintomático ou apresentar sintomas como prurido, corrimento e dor ao urinar; entre as diversas complicações associadas à tricomoníase estão uretrite e vaginite.

A IST tem cura e o tratamento de primeira linha é por meio de antimicrobianos, os mais usados são tinidazol e metronidazol em dose única. No entanto, a dosagem pode não ser o suficiente para limpar o organismo da infecção.

Qual melhor tratamento contra a tricomoníase

Pesquisadores americanos investigaram se a administração de metronidazol durante sete dias seria mais eficaz do que a dose única do antibiótico em pacientes com tricomoníase. O estudo multicêntrico, controlado e randômico foi realizado entre 2014 e 2016 a fim de esclarecer a questão. Os resultados foram publicados em outubro na revista The Lancet.

Leia mais: Índice de DSTs aumenta pelo quarto ano consecutivo

Participaram do levantamento 623 mulheres diagnosticadas com tricomoníase, soronegativas (HIV-), não grávidas e com idade média de 27 anos. As participantes foram divididas em dois grupos, o primeiro (n=311) recebeu a dose única de metronidazol (2 g), o segundo grupo (n=312) foi medicado com o fármaco durante sete dias (500 mg, duas vezes ao dia). O follow-up da pesquisa foi de quatro semanas.

Resultados

Ao final do estudo, os pesquisadores concluíram que as participantes do grupo que recebeu o antimicrobiano por sete dias tiveram menos chances de resultado positivo para a tricomoníase no teste de cura após tratamento do que as participantes que receberam a dose única (11% vs 19%), o risco relativo (RR) ficou em 0,55 (IC 95%, [0,34-0,70], p<0,0001). As bactérias da flora vaginal não tiveram efeito significativo no risco relativo (p=0,17) e não influenciaram nos resultados da pesquisa.

A aderência à medicação no primeiro grupo foi de 67% e no segundo grupo foi de 99%. Os efeitos colaterais e a intensidade destes foram similares entre as participantes dos dois grupos. O efeito adverso mais comum foi a náusea (23%), seguida da dor de cabeça (7%) e de vômitos (4%).

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Kissinger P et al. Single-dose versus 7-day-dose metronidazole for the treatment of trichomoniasis in women: An open-label, randomised controlled trial. Lancet Infect Dis 2018 Oct 5; [e-pub]. (https://doi.org/10.1016/S1473-3099(18)30423-7)

3 Comentários

  1. ANGELA VON NOWAKONSKI

    Trichomonas vaginalis não é uma bactéria mas um parasita.

  2. Mario Soleto

    Não seria correto IST ao invés de DST??

  3. Tricomonas vaginalis nao e bacteria e sim um protozoario.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.