Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Trombose venosa cerebral: uso do dabigratana é seguro?

Trombose venosa cerebral: uso do dabigratana é seguro?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Após uma fase inicial tratada com heparinização plena, a maioria dos pacientes com trombose venosa cerebral (TVC) são tratados com varfarina profilática, enquanto alguns recebem anticoagulantes orais diretos – como o dabigatrana – , mas estes últimos sem confirmação de benefício claro (off label).

Para responder à pergunta sobre a eficácia e a segurança deste possível tratamento foi realizado o trabalho RE-SPECT CVT Study Group, um trial europeu acompanhou 120 pacientes com TVC (55% mulheres, idade 40 a 49 anos, 90% com cefaleia na abertura do quadro) durante 24 semanas de tratamento com varfarina versus dabigatrana 150 mg 12/12 horas.

Neste estudo, não foram incluídas etiologias específicas para as TVC, como trauma ou infecção. Por outro lado, decidiu-se incluir hemorragia intraparenquimatosa, uma complicação possível da TVC (no parênquima cerebral adjacente à trombose) que permite usar anticoagulante, pois este tipo de sangramento tem mais chance de piorar se a trombose não for tratada.

Veja também: Trombose venosa cerebral: keypoints da nova diretriz para diagnóstico e tratamento

TVC: varfarina ou dabigatrana?

Em um seguimento de 25 semanas, os principais resultados foram os seguintes:

  • Não houve piora da TVC com varfarina ou dabigatrana;
  • Houve melhora na TVC em 67% e 60%, respectivamente;
  • Sangramento ocorreu em 20% dos pacientes em cada grupo de tratamento;
  • Não ocorreram outros eventos de tromboembolismo venoso recorrente com varfarina ou dabigatrana.

Como críticas a este estudo, ele teve uma amostra pequena e não foi possível estabelecer não-inferioridade ou superioridade. Além disso, como alguns pacientes necessitam de anticoagulação indefinida, é necessário um acompanhamento a longo prazo para confirmar a segurança e a eficácia além das 25 semanas que foram observadas nesta estudo atual.

Resumindo, apesar de problemas metodológicos, a eficácia e a segurança foram semelhantes entre dabigatran e varfarina para trombose venosa cerebral.

Sobre a trombose venosa cerebral

A trombose venosa cerebral (TVC) nem sempre é um quadro clínico óbvio, mas frequentemente trata-se de pacientes com cefaleia nova sem explicação etiológica esclarecida. É uma doença cerebrovascular pouco prevalente (cerca de 1% dos casos de acidente vascular cerebral), causada pela oclusão dos seios venosos e/ou das veias cerebrais por trombos.

Ocorre mais em adultos jovens, principalmente mulheres. A mortalidade é em torno de 10%, e cerca de 80% dos pacientes conseguem se recuperar sem nenhuma sequela.

Para o diagnóstico, podem ser utilizadas angiotomografia venosa, angiorressonância magnética venosa ou angiorressonância intra-arterial.

cadastro portal

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Ferro JM, et al. Safety and Efficacy of Dabigatran Etexilate vs Dose-Adjusted Warfarin in Patients With Cerebral Venous Thrombosis. A Randomized Clinical Trial. JAMA Neurol. Published online September 3, 2019. doi:10.1001/jamaneurol.2019.2764

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.