Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Tudo o que você precisa saber sobre lipoaspiração
médicos cirurgiões fazendo lipoaspiração

Tudo o que você precisa saber sobre lipoaspiração

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Atualmente, a lipoaspiração é o procedimento de cirurgia estética mais realizado nos países ocidentais. Essa técnica teve rápido desenvolvimento desde a década de 1970, quando foi experimentada pela primeira vez por A. e G. Fischer. Atualmente é amplamente utilizado na prática clínica para muitas situações diferentes nos campos estético, reconstrutivo e funcional. A lipoaspiração é um procedimento cosmético muito comum: um método seguro, simples e eficaz de contorno corporal.

A primeira tentativa de remodelar a silhueta do corpo remonta a 1921, quando Charles Dujarrier queria melhorar a forma dos tornozelos e joelhos de paciente dançarino. Ele removeu grande parte da pele e tecidos moles, com uma ampla dissecção subcutânea e longa incisão na pele. O resultado foi trágico por causa de uma remoção excessiva de tecido e sutura muito tensa. Isso causou necrose e amputação.

Em 1977, Illouz desenvolveu equipamento modificado para realizar lipoaspiração e a técnica estendida para todo o corpo. Ele introduziu cânulas c de menor diâmetro para reduzir o trauma tecidual Ele usou três tamanhos diferentes de cânulas de ponta romba, dependendo da área a ser aspirada: a maior (10 mm) para os flancos, quadris e nádegas, e menores para joelhos, tornozelos, abdômen e a menor para a face.

Para tornar a técnica menos traumática e diminuir sangramento, ele desenvolveu gradualmente a “técnica úmida”, com base na injeção de solução salina e hialuronidase na gordura, realizando uma hidrodissecção antes do procedimento de lipoaspiração.

Em 1987, Jeffrey Klein, dermatologista californiano, relatou o uso de grandes volumes de anestesia muito diluída, o que permitiu que a lipoaspiração fosse realizada em grandes volumes completamente sob anestesia local, sem a necessidade de sedação ou anestesia geral. Klein descreveu uma solução que consiste em lidocaína a 0,05%, epinefrina 1: 1.000.000 e 10 mL de bicarbonato de sódio por litro de solução salina, que pode ser infundida no tecido antes da lipoaspiração. Klein também demonstrou que a mesma dose de lidocaína diluída em grande volume de líquido permite obter um bom grau de anestesia, mesmo em grandes áreas, sem evidência de toxicidade sistêmica.

Lipoaspiração

A lipoaspiração nasceu como uma técnica de sucção por meio de uma bomba à vácuo. No entanto, o brasileiro Luiz Toledo, em 1988 , experimentou o uso de seringas descartáveis de diferentes calibres e tamanhos para aspiração de tecido adiposo. A principal vantagem foi uma maior liberdade de movimento para o cirurgião durante o procedimento, tornando a cirurgia mais simples e fácil.

Além disso, as seringas permitem que você conheça com precisão a quantidade de anestésico local que foi infiltrado antes do procedimento e a quantidade exata de gordura removida de cada área, todos os dados que são apenas aproximados com o uso do lipoaspirador. Toledo também propôs a criação de um mapa do corpo do paciente para garantir a simetria, tanto quanto possível. Uma enfermeira marcou exatamente a quantidade de anestésico local injetado e tecido adiposo removido de cada área do corpo para melhorar ao máximo o resultado estético e a simetria.

A lipoaspiração com base no ultrassom foi introduzida por Zocchi, na Itália, em 1992, como uma alternativa à sucção convencional com cânulas. Zocchi credita a Scuderi o conceito original de lipoexérese.

Essa técnica baseia-se na aplicação de ultrassom no tecido adiposo a ser aspirado, resultando em efeitos térmicos e mecânicos nos adipócitos circundantes. Essas oscilações mecânicas passam pela cânula que emite as ondas na ponta.

Os efeitos térmicos desempenham um papel na dissolução da gordura e devem ser dissipados pela infiltração de tecido

Zocchi detalhou o que ele acreditava serem as vantagens da técnica ultrassônica em relação à lipoaspiração tradicional: tratamento mais seletivo do tecido indesejado, preservando as estruturas circundantes de maior densidade; eliminação da “parte fluida” do tecido adiposo (ácidos graxos), deixando a parede adipocitária e a substância intercelular para criar uma superfície lisa na pele; contração da pele secundária à estimulação da derme por energia ultrassônica; correção de celulite; uma vez que a gordura é dissolvida com ultrassom, o procedimento requer menos esforço físico por parte do cirurgião.

Indicações

Principais indicações de lipoaspiração e lipoenxertia:

  • Lipoma e lipomatose múltipla;
  • Manejo dos retalhos muscocutâneos ou fasciocutâneos;
  • Síndromes de lipedema e lipodistrofia;
  • Lipodistrofia induzida por insulina;
  • Área genital e Disfunção sexual;
  • Lipodistrofia cervicodorsal associada ao HIV;
  • Ginecomastia, macromastia e gigantomastia;
  • Hiperidrose axilar;
  • Contorno corporal pós-bariátrico;
  • Contorno corporal estético.

Mais do autor: Mamas tuberosas: o que é e qual cirurgia é indicada?

Complicações

Com a seleção apropriada de pacientes e técnicas minimamente traumáticas, muitas complicações podem ser evitadas.

As verdadeiras complicações possíveis incluem defeitos de contorno, alterações permanentes da cor da pele, infecção, êmbolos, hematomas ou seromas.

A presença de equimoses depende da localização e tamanho da área tratada, da duração do procedimento e dos fatores individuais. O edema é muito comum e geralmente persiste por várias semanas. Em algumas áreas , como tornozelos e panturrilhas, pode persistir por seis meses ou um ano.

Hiperestesia são comuns após o procedimento, que melhorarão gradualmente em três a seis meses após a cirurgia. A hiperpigmentação é uma condição relativamente pouco frequente e, quando aparece, diminui gradualmente e, em casos mais graves, responde bem ao tratamento com agentes tópicos.

Lipoaspiração excessivamente agressiva pode levar a seromas.

A infecção é extremamente incomum (incidência <1%). Isso pode ser devido a uma combinação de técnica estéril, pequenas incisões e os efeitos antibacterianos da lidocaína.

A complicação pós-operatória mais comum são as irregularidades do contorno, com incidência de 2,7%.

Usar cânulas pequenas, não realizar lipoaspiração superficial, desativar a sucção ao sair de incisões, cruzar áreas, analisar constantemente áreas (visuais e táteis) e o posicionamento adequado podem ajudar a reduzir a chance de irregularidades no contorno. A transferência de gordura autóloga no momento da cirurgia ou 6 meses no pós-operatório pode ser usada para ajudar a corrigir deformidades ou melhorar o contorno corporal.

Conclusão

A lipoaspiração tem muitas aplicações clínicas, tanto no campo da cirurgia estética quanto na cirurgia funcional e reconstrutiva.

A obesidade, inicialmente um critério claro de exclusão, não é mais considerada como tal.

A liposcultura é uma ótima ferramenta para redefinir o perfil do corpo em pacientes que sofrem significativa perda de peso. Entretanto, para obter resultados estéticos satisfatórios, é sempre necessário associar a cirurgia de excisão para remover o excesso de pele.

Um estudo recente relata o uso da lipectomia abdominal como procedimento adjuvante para auxiliar na perda de peso a longo prazo, como parte do tratamento geral de pacientes em cirurgia bariátrica.

Nos últimos anos, a lipoaspiração tornou-se mais importante como um método para colher células-tronco autólogas e derivadas de adipócitos. O lipofilling é uma técnica amplamente utilizada em várias situações clínicas diferentes, como correção de assimetria e defeitos no perfil do corpo, perda de volume, para melhorar cicatrizes retrógradas ou atróficas ou medicina regenerativa para o tratamento de feridas crônicas.

A grande evolução no momento é a lipoaspiração de alta definição que será tema de artigo posteriormente.

Quer receber as principais atualizações do Portal PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Coleman W.P., 3rd The history of liposuction and fat transplantation in America. Dermatol Clin. 1999;17:723–727
  • Kesselring L.K., Meyer R. A suction curette for removal of excessive local deposits of subcutaneous fat. Plast. Reconstr. Surg. 1978;62:305.
  • Kesselring U. Regional fat aspiration for body contouring. Plast. Reconstr. Surg. 1983;72:610–619.
  • Hetter G., editor. Lipoplasty: the Theory and Practice of Blunt Suction Lipectomy. Little, Brown & Co; Boston: 1984
  • Fischer A., Fischer G. First surgical treatment for molding body’s cellulite with three 5 mm incisions. Bull. Int. Acad. Cosmet. Surg. 1976;3:35
  • Fischer G. Liposculpture: the correct history of liposuction: Part I. J. Dermatol Surg. Oncol. 1990;16:1087
  • Illouz Y. Body contouring by lipolysis: a 5 year experience with over 3000 cases. Plast. Reconstr. Surg. 1983;72:511.
  • Illouz Y.G. History and current concepts of lipoplasty. Clin. Plast. Surg.
  • Lei H., Ma G., Chen J. Combination excision and liposuction in a single-stage treatment of various skin disorders. Int. J. Dermatol. 2010;49:311–316.
  • Ibrahim A.E., Dibo S.A., Shady S.H. Reverse tissue expansion by liposuction deflation for revision of post-surgical thigh scars. Int. Wound J. 2011;8:622–631.
  • Alter G.J. Pubic contouring after massive weight loss in men and women: correction of hidden penis, mons ptosis, and labia majora enlargement. Plast. Reconstr. Surg. 2012;130:936–947.
  • Mokhless I.A., Abdeldaeim H.M., Rahman A. Penile advancement and lengthening for the management of post-circumcision traumatic short penis in adolescents. Urology. 2010;76:1483–1487.
  • Fedok F.G., Houck J.R., Manders E.K. Suction assisted lipectomy in the management of obstructive sleep apnea. Arch. Otolaryngol. Head. Neck Surg. 1990;116:968–970.
  • Samdal F., Amland P.F., Bakka A. Troublesome colostomies and urinary stomas treated with suction-assisted lipectomy. Eur. J. Surg. 1995;161:361–364.
  • Samdal F., Brevik B., Husby O.S. A troublesome urostomy treated with liposuction. Case report. Scand. J. Plast. Reconstr. Surg. Hand Surg. 1991;25:91–92.
  • Rohrich R.J., Broughton G., II, Horton B., Lipschitz A., Kenkel J.M., Brown S.A. The key to long-term success in liposuction: a guide for plastic surgeons and patients. Plast. Reconstr. Surg. 2004;114:1945–1952. discussion 1953

Um comentário

  1. Avatar

    muito bom o seu blog amigo , boas dicas tmj
    Valeuu continua compartilhando as dicas suas abraçosbb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.