Neurologia

Ubrogepant: nova geração de drogas no tratamento da enxaqueca aguda

Tempo de leitura: 3 min.

A terapia abortiva da enxaqueca varia desde o uso de analgésicos simples, como anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) ou paracetamol a triptanos, antieméticos ou a di-hidroergotamina (esta última menos usada).

Abordagem da enxaqueca

A abordagem farmacológica da enxaqueca é direcionada principalmente pela gravidade dos ataques, presença de náusea e vômito associados, ambiente do tratamento (ambulatório ou hospitalar) e fatores específicos do paciente, como a presença de fatores de risco vasculares.

O uso dos antagonistas do peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP) tem sido estudado para prevenção de enxaqueca (exemplos: erenumab, fremanezumab, galcanezumab e ubrogepant). O erenumab (comercialmente registrado como Pasurta) foi aprovado no último ano pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Food and Drug Administration (FDA) aprovou o ubrogepant (Ubrelvy; Allergan) para o tratamento agudo de enxaqueca com ou sem aura em adultos, tornando-o o primeiro antagonista do peptídeo relacionado ao gene da calcitonina oral (CGRP) para essa indicação.

Leia também: Fremanezumabe é aprovado para profilaxia de enxaqueca no Brasil

Porque o CGRP é alvo de pesquisas clínicas?

O CGRP tem um papel fundamental na fisiopatologia da enxaqueca. É um potente vasodilatador endógeno, localizado predominantemente em neurônios sensoriais e em terminações nervosas perivascular do sistema nervoso central. Em crises de enxaqueca, ele parece mediar a transmissão da dor trigeminovascular dos vasos intracranianos, bem como o componente vasodilatador da inflamação neurogênica.

É descrito a elevação dos níveis de CGRP no sangue venoso durante ataques de enxaqueca e que níveis elevados de CGRP foram normalizados em pacientes com enxaqueca após a administração do agonista do receptor de serotonina (sumatriptano), sugerindo que os triptanos possam agir para controlar a enxaqueca, pelo menos em parte, bloqueando a liberação de CGRP. Esses e outros dados estabeleceram que a liberação de CGRP desempenha um papel causal na crise de enxaqueca.

No último mês, a New England Journal of Medicine publicou um estudo multicêntrico, duplo-cego, controlado por placebo que incluiu 1672 pacientes com enxaqueca, aleatoriamente designados 1: 1: 1 para um 50 mg de ubrogepant (n = 556), 100 mg de ubrogepant (n = 557 ) ou placebo (n = 559). A randomização levou em consideração: resposta anterior a triptanos e uso de medicações preventivas.

Resultados do estudo

Entre os três grupos de doses, 19,2% dos pacientes no grupo de 50 mg de ubrogepant (P = 0,002, ajustado para comparação com o placebo), 21,2% dos pacientes no grupo de 100 mg de ubrogepant (P <0,001) e 11,8% dos pacientes no grupo placebo apresentaram ausência de dor 2 horas após a dose inicial. Às 2 horas, 38,6%, 37,7% e 27,8% dos pacientes nos grupos 50 mg, 100 mg e placebo tiveram melhora dos sintomas que mais os incomodavam, respectivamente.

Veja mais: Posso usar valproato na prevenção de enxaqueca na atenção primária?

Eventos adversos leves dentro de 48 horas após a segunda dose inicial foram náusea (n = 44), sonolência (n=20) e boca seca (n=16), mais frequentes no grupo de 100 mg. Eventos adversos graves relatados dentro de 30 dias nos grupos que fizeram uso de ubrogepant, incluíram apendicite, aborto espontâneo, derrame pericárdico e convulsão; nenhum dos eventos ocorreu dentro de 48 horas após a dose.

São necessários mais estudos para determinar a durabilidade e a segurança do ubrogepant no tratamento da enxaqueca aguda e compará-lo com outros medicamentos para a enxaqueca.

De uma forma geral, há poucas evidências para orientar o uso dos antagonistas da CGRP em populações específicas (por exemplo, crianças, idosos e gestantes) e alguns especialistas orientam evitar o seu uso em indivíduos com alto risco de doença cardiovascular.

Esta droga (ubrogepant) ainda não está disponível para uso clínico no Brasil, mas, sem dúvida oferece promessa de futuras opções no tratamento para ataques agudos de enxaqueca. Trata-se de uma doença com alto grau de heterogeneidade genética, o que significa que a doença de todos os indivíduos não é a mesma. Para combatê-la, diferentes opções de tratamento são bem-vindas.

Quer receber as principais novidades em Medicina? Cadastre-se e receba nossa newsletter!

Referência bibliográfica:

  • Dodick, D. W., Lipton, R. B., Ailani, J., Lu, K., Finnegan, M., Trugman, J. M., & Szegedi, A. (2019). Ubrogepant for the Treatment of Migraine. New England Journal of Medicine, 381(23), 2230–2241. doi: 10.1056/nejmoa1813049
Compartilhar
Publicado por
Felipe Resende Nobrega
Tags: enxaqueca

Posts recentes

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

24 minutos atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

1 hora atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

2 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

3 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

4 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

6 horas atrás