Ginecologia e Obstetrícia

Ultrassom 5D: alta resolução para uma reconstrução mais realista do feto

Tempo de leitura: 2 min.

O novo ultrassom 5D é capaz de realizar uma reconstrução mais definida e realista do feto,  aumentando a capacidade de diagnóstico e detecção de malformações fetais, com detalhes de luminosidade.

“Atualmente, não há estudos que determinem a taxa de detecção de malformações fetais, mas é aceito que atinja em média 85% nas melhores condições. Estes novos equipamentos de diagnóstico oferecem mais garantias aos profissionais para detectar malformações pré-natais”, explica Alexandre Plaza, especialista em diagnóstico por imagem, que realiza ultrassons em 5D diariamente em sua clínica em Itaboraí, no Rio de Janeiro.

A partir de 120 mil reais já é possível adquirir os modelos mais básicos com esse recurso no Brasil. A linha Voluson da General Electrics é a pioneira nestes equipamentos com o recurso de HDLIVE.

Segundo Alexandre Plaza, a qualidade e a definição da imagem são muito superiores aos modelos anteriores. “Independentemente do evidente valor emocional para os pais, o especialista se coloca em uma situação ideal para o diagnóstico de malformações visíveis externamente, como fenda labial ou internas, como defeitos do tubo neural, lesões cerebrais, coração ou no sistema esquelético do feto”.

Além disso, o profissional pode incorporar uma sonda vaginal 5D que agrega valor ao estudo de malformações uterinas. Esse salto de qualidade no diagnóstico pré-natal permite avaliar o bem-estar do feto, estudando o seu crescimento e função placentária, além de revisar a morfologia fetal.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Complementação do estudo bidimensional de órgãos fetais

As varreduras 3D, 4D e 5D permitem uma reconstrução volumétrica muito realista das estruturas fetais em movimento, permitindo que a face fetal, as extremidades e seus movimentos sejam visualizados em tempo real e, geralmente, com clareza, dependendo da semana de gestação.

Essa técnica é menos sensível em situações em que o feto está em uma posição desfavorável, a mãe é obesa, a localização do feto dificulta ou não temos líquido amniótico na frente da estrutura que queremos visualizar.

O especialista enfatiza que tudo vai além da mera observação estética do feto. Nas mãos de um profissional experiente, o ultrassom 5D complementa o estudo bidimensional de órgãos fetais com reconstruções tridimensionais complexas.

 “Nas mãos de um profissional experiente, o ultrassom 5D complementa o estudo bidimensional de órgãos fetais com reconstruções tridimensionais complexas. É extremamente útil para avaliar malformações do cérebro, coluna vertebral, extremidades ou sistema cardiovascular e permite adiar a análise de certas malformações complexas que exigiriam muito mais tempo de estudo usando técnicas menos avançadas”, conclui Alexandre Plaza.

Diferenças entre ultrassons 2D, 3D, 4D e 5D

Ao contrário da tradicional imagem em preto e branco do ultrassom 2D de apenas um ângulo, a imagem em 3D tem uma vista para o bebê de três diferentes ângulos. O software escolhe três imagens e as se funde em conjunto para produzir uma imagem tridimensional do seu precioso do bebê.

Já a quarta dimensão oferece o tempo e movimento. Com 4D é possível  ver o movimentos do feto em tempo real e em 3D. O profissional pode mostrar a língua do bebê e até ele abrindo os olhos.  

O ultrassom 5D traz além de um efeito de sombra e profundidade, um tom de pele mais próximo da realidade que deixam as imagens mais realistas, permitindo a análise de certas malformações mais complexas.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referência bibliográfica:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Hipertensão arterial na gestação e suas múltiplas faces

A hipertensão arterial é uma das complicações mais comuns durante a gestação. Veja algumas das…

51 minutos atrás

PEBMED e HA: medicina personalizada na prática: biobanco e oncologia translacional [podcast]

No episódio de hoje, Marcelo Gobbo comenta sobre o estudo que envolve a medicina personalizada:…

16 horas atrás

Práticas que melhoram desfecho neurológico perioperatório

Veremos as 5 complicações neurológicas mais comuns no perioperatório, fatores de risco associados e as…

17 horas atrás

Nervo vago: terapia de estimulação como aliado contra crises epilépticas

A CONITEC recomendou em relatório a incorporação no SUS do gerador de pulso para nervo…

17 horas atrás

Leronlimabe: Anvisa autoriza novo estudo com anticorpo monoclonal para Covid-19

A Anvisa aprovou o início de mais um ensaio clínico avaliando tratamento para Covid-19. Desta…

19 horas atrás

Café está ou não associado ao aumento do risco de arritmias?

Um novo estudo publicado no JAMA, avaliou a associação da ingestão de café com o…

20 horas atrás