Leia mais:
Leia mais:
Whitebook: ultrassonografia
Como ler a ultrassonografia na avaliação endometrial? 
Check-up Semanal: nova diretriz para TPV, probióticos na tolerância à APLV e mais! [podcast]
O manejo de fluidos guiado por ultrassonografia em pacientes com choque séptico
USG adjuvante para detecção de câncer de mama entre mulheres com densidade mamária variável

Ultrassonografia morfológica: entenda mais sobre o exame

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Com o advento do ultrassom o acesso aos cuidados obstétricos teve um salto gigantesco. Antes do ultrassom a confirmação da apresentação fetal numa gestação gemelar por exemplo era possível com a realização de raio X de abdômen apenas, submetendo a gestante e seu feto a radiações desnecessárias.  

Entre as várias indicações e modelos de exames temos dois em especial que podem ser realizados durante a gravidez: o USG obstétrico e o USG obstétrico morfológico.

Ultrassonografia Morfológica

O que é ultrassonografia morfológica e como é feita? ultrassonografia morfológica vs ultrassonografia obstétrica: qual a diferença?

USG morfológico é um exame de ultrassom realizado durante o período gestacional, por  médicos especializados e familiarizados com anatomia fetal. Os aparelhos para realização desse exame também são diferenciados.  

Profissionais para realizar o morfológico deveriam: 

  • Ser treinados no uso da ultrassonografia diagnóstica e questões de segurança relacionadas;  
  • Realizar regularmente exames de ultrassom fetal;  
  • Participar de atividades de educação médica continuada;
  • Ter já estabelecido padrões de referência apropriados para resultados suspeitos ou anormais;
  • Realizar rotineiramente medidas de garantia e de controle de qualidade.

Assim como algumas regras especiais valem para os profissionais, para os aparelhos também alguns requisitos mínimos para uma qualidade boa no exame e o resultado ser confiável e servir para fins terapêuticos também existem: 

  • Imagem em tempo real, recursos de ultrassom em escalas de cinza;  
  • Transdutores trans abdominais (com frequência entre 3-5 MHz);
  • Controles ajustáveis de saída de potência acústica com os padrões de exibição de saída (TI e MI); 
  • Capacidades de congelamento da imagem;
  • Cursores (calipers) eletrônicos; 
  • Capacidade para imprimir/armazenar imagens;  
  • Manutenção e reparos regulares, importante para o desempenho ideal do equipamento.

O que o exame pode indicar e como proceder clinicamente com os achados

Durante o primeiro trimestre a indicação para sua realização deve ser entre 11 e 14 semanas (quando o CCN 45 e 84 mm). Segundo a Fetal Medicine Foundation (FMF) o uso de variáveis como Idade Materna, Transluscência Nucal, presença de Osso Nasal e marcadores bioquímicos como PAPP-A e fração livre de βHCG são capazes de rastrear 95% das malformações. Importante aqui lembrar da diferença entre rastreamento e diagnóstico, o morfológico do primeiro trimestre ajuda muito no rastreamento (suspeita) de malformações, já que o diagnóstico definitivo se dará ao nascimento com o exame completo do concepto. 

Algumas anomalias estruturais diagnosticadas durante o primeiro trimestre: 

  • Acrania;
  • Encefalocele; 
  • Onfalocele; 
  • Gastrosquise; 
  • Megabexiga; 
  • Holoprosencefalia lobar;
  • Alterações de membros.

É durante o primeiro trimestre também que, com o uso de alguns algoritmos (da FMF bastante usado ao redor do mundo) podemos predizer a evolução gestacional da pré-eclampsia. No intervalo de 11 a 14 semanas pode-se utilizar verificação da PA média, com IP médio das artérias uterinas e PLGF sérico. Esses dados são adicionados ao algoritmo com resultado em porcentagem para desenvolvimento de pré-eclampsia naquela gestante.  

Já durante o segundo trimestre, temos outros objetivos a serem avaliados. Trata-se de um exame bastante complexo, sistemático e ordenado com objetivo de avaliar durante sua realização:

  • Avaliação completa da morfologia fetal;
  • Rastreamento de aneuploidias; 
  • Avaliação de placenta e líquido amniótico; 
  • Acompanhamento do crescimento fetal;  
  • Rastreamento de parto prematuro através da medida do comprimento do colo uterino.

Durante a realização desse exame é possível usar seu resultado para aconselhar o casal e planejamento do parto. Ainda tem como benefícios a possibilidade de ajuizamento de causas onde, através do USG, estima-se a interrupção de gravidezes onde o feto tem anomalias incompatíveis com a vida ou que ofereçam risco de morte materna.  

Mesmo tendo excelentes possibilidades diagnósticas, o USG morfológico tem algumas limitações capazes de restringir sua aplicabilidade. Como por exemplo:

  • Período ideal de realização: de 20 a 24 semanas.  
  • Experiencia do examinador: fundamental para que o exame seja de resultado confiável.  
  • Feto em posição adequada para visualização das possíveis malformações.  
  • Alterações do líquido amniótico (oligodramnia por exemplo) podem restringir a facilidade para visualização adequada do feto.
  • Obesidade materna ou presença de cicatrizes: atenuam o feixe sonoro prejudicando a imagem final.
  • Limitação do exame em patologias de manifestação tardia.
  • Necessidade de exames complementares séricos para complementação do rastreamento com uso dos marcadores ultrassonográficos.

Leia também: É necessário realizar ultrassom obstétrico de rotina no terceiro trimestre de gestação?

Set points do USG morfológico: 

  • US morfológico de primeiro e segundo trimestres são fundamentais durante o pré-natal. 
  • Auxiliam no correto aconselhamento dos casais durante o pré-natal. 
  • Seu resultado permite o planejamento adequado do restante do pré-natal e até das adequações devidas para o parto. 
  • Permite estruturar estratégias adequadas para atendimento do binômio materno fetal. Possibilita inclusive em centros avançados de medicina fetal resolução de algumas patologias cirúrgicas durante a vida intrauterina.US morfológico não é diagnóstico final de malformações fetais, ele apenas serve para rastreamento e ferramenta para aconselhamento no pré-natal.  

 

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.