Universo das polineuropatias pela eletroneuromiografia

Tempo de leitura: 2 min.

A polineuropatia (PNP) é caracterizada por uma desordem generalizada nos nervos periféricos. Tem uma prevalência estimada de 2-8% na população global. O quadro clínico, geralmente é rico, com alterações motoras (alteração de força), sensitivas (formigamentos) e/ou autonômicas (tonturas, mal-estar). Pode ser de caráter hereditário ou adquirido, e, na maioria dos casos, tem predomínio distal (mãos e pés) com progressão ascendente.

Leia também: Uso da telemedicina em neurologia pediátrica

Transtornos de nervos periféricos e eletroneuromiografia ENMG

O nervo é formado de células chamadas neurônios (Figura 1). Os nervos funcionam como se fossem fios de eletricidade: saem da medula e vão até os músculos e mandam sinais para fazê-los contrair. Esse “fio” é chamado de axônio e ele é coberto por uma “capa” chamada mielina. Essa capa faz a transmissão de informações ser mais rápida.  Existem fios que transmitem informações de sensibilidade (fibras sensitivas), outros que transmitem informações de movimento (fibras motoras) e outros que transmitem informações para as vísceras (autonômicas).

Figura 1: Neurônio motor, compondo a unidade motora

O estudo pela Eletroneuromiografia (ENMG) é capaz de localizar onde é a lesão e qual tipo de fibra mais acometida.

Quais as 7 perguntas-chave para diagnóstico da polineuropatia pela enmg?

Como pedir enmg para estudo de polineuropatia?

A ENMG deve ser uma extensão do exame físico e serve para direcionar a hipótese diagnóstica.

Um exame eletrodiagnóstico completo requer estudo da neurocondução sensitiva e motora, em múltiplos nervos, idealmente, nos membros superiores e inferiores, sempre bilateral e pode ser feito até em face. Depois vem a miografia (estudo neurofisiológico dos músculos com agulha) para avaliar sinais neurogênicos (desnervação ativa ou reinervação).

Em suma, no pedido deve vir escrito “eletroneuromiografia de membros superiores e inferiores”, pode-se acrescentar “face” e “teste de fibras autonômicas” (reflexo cutâneo-simpático) se houver suspeita clínica.

Saiba mais: Neurologia e coronavírus: relatado primeiro caso de encefalite associada à infecção

Vale a pena lembrar que a ENMG avalia fibras de grosso calibre (A e B) e não consegue avaliar fibras finas – fibras de diâmetro reduzido (Aδ) e fibras não mielinizadas (C). Estas últimas são responsáveis pelo aviso de “dor”. Portanto, em frente a quadros de dor neuropática ou polineuropatia de fibras finas, a ENMG pode não ser esclarecedora.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Preston DC, Shapiro BE. Electromyography and Neuromuscular Disorders: Clinical- Electrophysiologic Correlations, 3rd. W.B. Saunders Company; 2012.
Compartilhar
Publicado por
Carmen Orrú

Posts recentes

Doença de Crohn: novo escore para predição de terapia biológica precoce

Recentemente desenvolveu-se um escore clínico capaz de guiar a seleção do tratamento inicial de portadores…

19 minutos atrás

Da dama da lâmpada aos heróis da saúde: desafios da enfermagem no Brasil

A história da enfermagem no Brasil possui marcos importantes que contribuíram para a construção da…

23 minutos atrás

Suporte ventilatório não invasivo na Covid-19: quando intubar?

Estudo verificou que o uso de suporte ventilatório não invasivo como primeiro suporte foi fator…

2 horas atrás

Covid-19: FDA autoriza uso emergencial da vacina Pfizer em adolescentes de 12 a 15 anos

O Food and Drug Administration (FDA) autorizou o uso emergencial da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19 em…

3 horas atrás

Screening de hipertensão arterial em adultos: recomendações da USPSTF

Em abril, houve a publicação de um documento da USPSTF recomendando o screening de hipertensão…

4 horas atrás

Orientações ao Paciente ganha nova estrutura; saiba mais!

Acesse o post e fique por dentro das mudanças na categoria Orientações ao Paciente, que…

20 horas atrás