Colunistas

Usar metformina em SOP em reprodução assistida aumenta a chance de gravidez?

Tempo de leitura: 2 min.

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é a endocrinopatia mais comum da mulher em idade reprodutiva, apresentando uma incidência de 05 a 17% em todo o mundo, tendo a resistência insulínica e anovulação crônica como principais pilares na fisiopatologia da doença.  

Uma das drogas amplamente utilizada para reduzir a resistência insulínica nas pacientes com SOP é a metformina. Todavia, a associação entre o benefício nos tratamentos de fertilização in vitro (FIV) e injeção intracitoplasmática de gametas (ICSI) com a metformina ainda são controversos. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Estudo recente sobre a metformina

Um estudo publicado em agosto de 2020, no JAMA Network open, avaliou se o uso da metformina em mulheres com SOP submetidas a FIV ou ICSI apresentou benefício. A meta-análise incluiu 12 estudos randomizados controlados, avaliando uma população de 1.123 mulheres com diagnóstico de SOP em terapia de reprodução assistida de alta complexidade (FIV/ICSI). As variáveis avaliadas foram o risco da síndrome de hiperestímulo ovariano, taxa de gravidez clínica e nascidos vivos. 

Resultados

Os resultados encontrados evidenciaram que as pacientes em uso de metformina apresentaram uma incidência com significância estatística menor da síndrome de hiperestímulo ovariano quando comparadas com não usuárias, todavia essa diferença não foi significativamente estatística em mulheres com IMC < 26. Quando avaliada a taxa de gravidez clínica e a taxa de nascidos vivos, o uso da metformina não evidenciou melhora significativa nos resultados da população estudada. 

Leia também: A eletroacupuntura é uma opção de tratamento adjuvante em portadoras da SOP?

Diante dos achados do estudo, pode-se concluir que o uso da metformina em mulheres com SOP, submetidas a terapia de alta complexidade, não promove aumento na taxa de gravidez clínica e nascidos vivo, porém deve ser considerada em pacientes com IMC > 26 que estão realizando o tratamento, visando minimizar o risco da síndrome de hiperestímulo ovariano. 

Saiba mais: Síndrome do ovário policístico: quando medicar?

Autora:

Referências Bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Camilla Luna

Posts recentes

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

17 horas atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

18 horas atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

21 horas atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

23 horas atrás

O coping religioso/espiritual como dimensão do cuidar

Coping religioso e espiritual está diretamente associado à saúde e à qualidade de vida. A…

1 dia atrás

Síndrome Metabólica e Colangiocarcinoma: destaques em Medicina Interna

Mais de 80 conteúdos publicados esta semana. Destaque para Medicina Interna, com Síndrome Metabólica e…

2 dias atrás