Página Principal > Colunistas > Uso de AINE em vigência de aspirina: qual a combinação mais segura?
aspirina

Uso de AINE em vigência de aspirina: qual a combinação mais segura?

Tempo de leitura: 2 minutos.

É comum observarmos entre nossos pacientes o uso de anti-inflamatório não esteroidal (AINE) junto com aspirina. Devemos ficar atentos aos perigos desta combinação, já que ambos inibem a síntese de prostanoides nos tecidos em que esses lipídios mediadores podem ter efeitos protetores. Além disso, há resultados de estudos clínicos prospectivos e de meta-análises indicando que os inibidores seletivos da COX-2 exercem importantes efeitos cardiovasculares adversos, o que pode ser perigoso para o paciente que usa aspirina por motivo cardíaco.  Foi publicado no Journal of the American College of Cardiology um artigo cujo objetivo era comparar a segurança da combinação de AINEs com baixa dose de aspirina. Qual seria a combinação mais segura?

O estudo foi uma análise baseada no PRECISION (Prospective Randomized Evaluation of Celecoxib Integrated Safety Versus Ibuprofen or Naproxen), ensaio clínico randomizado multicêntrico, de pacientes com osteoartrite ou artrite reumatoide em uso prolongado de AINEs com risco cardiovascular aumentado.

Incluiu 23.953 pacientes com osteoartrite ou artrite reumatoide randomizados para celecoxibe (inibidor seletivo da COX-2), ibuprofeno (um inibidor não seletivo COX 1 e 2) ou naproxeno (um inibidor não seletivo COX 1 e 2). Os desfechos incluíram um composto de eventos cardiovasculares maiores, morte não cardiovascular, evento gastrointestinal ou renal e componentes do composto.

LEIA MAIS: AAS na prevenção primária: recomendações e riscos

Resultados

Quando AINE foi usado sem aspirina:

> Naproxeno ou ibuprofeno tiveram maior risco para o desfecho composto primário em comparação com o celecoxibe (taxa de risco [HR]: 1,52; intervalo de confiança [IC] de 95%: 1,22 a 1,90, p <0,001 e HR: 1,81; IC 95%: 1,46 a 2,26; p <0,001, respectivamente).

> Em comparação com o celecoxibe, o ibuprofeno teve mais efeitos adversos cardiovasculares (p <0,05), e tanto ibuprofeno quanto naproxeno tiveram mais eventos gastrointestinais (p <0,001) e renais (p <0,05).

Quando AINE foi usado com aspirina:

> O ibuprofeno apresentou maior risco para o desfecho composto primário em comparação com o celecoxibe (HR:1,27; IC95%: 1,06 a 1,51; p <0,01).

> Os principais eventos cardiovasculares adversos foram semelhantes entre os AINEs. Quando comparado com o celecoxibe, o ibuprofeno teve mais eventos gastrointestinais e renais (p <0,05), enquanto o naproxeno teve mais efeitos gastrointestinais (p <0,05), sem diferença nos eventos renais

O estudo concluiu que celecoxib tem um perfil de segurança global mais favorável do que o naproxeno ou o ibuprofeno quando tomado sem aspirina. Quando existe a necessidade do uso concomitante com aspirina, esta atenua a vantagem de segurança do celecoxib, embora o celecoxib ainda esteja associado a menos eventos gastrointestinais que o ibuprofeno ou naproxeno e menos eventos renais do que o ibuprofeno.  Os autores também ressaltam a importância de aconselhamento ao paciente sobre o perfil de segurança relativo dos AINEs ao iniciar a terapia.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autora:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.