Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Gastroenterologia / Uso de antiácido está relacionado com deficiência de ferro?

Uso de antiácido está relacionado com deficiência de ferro?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Os inibidores da bomba de próton (IBP) e os anti-histamínicos H2 suprimem a produção de suco gástrico, o que pode inibir a absorção de ferro. Para determinar se isso aumenta o risco de deficiência de ferro, pesquisadores realizaram um estudo de caso-controle com pacientes do sistema de saúde da Califórnia.

Para o estudo, os pesquisadores compararam a exposição prévia, de pelo menos 2 anos, aos IBP ou aos anti-histamínicos H2 entre 77.046 doentes, que receberam um novo diagnóstico de deficiência de ferro entre 1999 e 2013, e 389.314 controles pareados.

Entre os casos, 2.343 (3%) receberam um fornecimento prévio ≥ 2 anos de IBP e 1.063 (1,4%) de anti-histamínicos H2. Entre os controles, os números foram de 3,354 (0,9%) e 2,247 (0,6%), respectivamente.

Veja também: ‘Baixos níveis de ferro podem estar por trás de novo tipo de enxaqueca’

Ambos os grupos de IBP (OR ajustado: 2,49; IC 95%: 2,35-2,64) e de anti-histamínicos H2 (OR: 1,58, IC 95% :1,46-1,71) foram associados a um aumento do risco subsequente de deficiência de ferro. Entre os usuários de IBP, as associações foram mais fortes para doses diárias mais altas (> 1,5 vs. < 0,75 pílulas/dia, p-valor de interação = 0,004) e diminuiu após a interrupção da medicação (p-tendência < 0,001).

Algumas das associações mais fortes foram entre as pessoas que tomaram > 1,5 pílulas por dia por, pelo menos, 10 anos (OR: 4,27; IC 95%: 2,53-7,21). Nenhuma associação semelhante foi encontrada para outros medicamentos comuns.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Os resultados do estudo reforçam a sugestão de uma possível associação entre a terapia de redução ácida e a subsequente deficiência de ferro. No entanto, o significado clínico dessa relação ainda não está claro, pois os casos estudados não foram todos anêmicos, e a gravidade da deficiência de ferro e a necessidade de terapia não foram capturados.

A recomendação é que o papel da redução ácida seja reavaliado em pacientes com deficiência de ferro ou fatores de risco para isso.

Referências:

  • Proton Pump Inhibitor and Histamine-2 Receptor Antagonist Use and Iron Deficiency. Lam J Schneider J Quesenberry C Corley D. Gastroenterology, 2016. DOI: 10.1053/j.gastro.2016.11.023

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.