Categorias: Psiquiatria

Antidepressivo na idade jovem está associado a maior risco de diabetes

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O uso de antidepressivos aumenta o risco de diabetes tipo 2 entre os jovens? É o que responde um novo artigo publicado no JAMA Pediatrics.

Para isso, foi realizado um estudo de coorte retrospectivo utilizando dados do Medicaid, programa de saúde social dos Estados Unidos, de 119.608 crianças e jovens entre 5 e 20 anos (59.087 do sexo feminino e 60.521 do sexo masculino; 54,7% entre 5 e 14 anos), que iniciaram o tratamento antidepressivo (ISRS ou ISRSN foram os mais utilizados) entre 2005 e 2009.

Pesquisadores analisaram a associação entre o uso de antidepressivos e o risco de diabetes tipo 2 de acordo com a duração do uso, a dose cumulativa e a dose média diária.

Durante quase 2 anos de seguimento, diabetes tipo 2 foi diagnosticado em 233 pacientes; cerca de dois terços dos casos ocorreram com o uso atual de antidepressivos, e um terço com o uso anterior. O uso atual de ISRS ou ISRSN foi associado a um risco aumentado de 1,9 vezes para diabetes, em relação ao uso anterior.

Veja também: ‘Entenda a relação entre antidepressivos e hiponatremia’

O risco foi maior com a dose cumulativa (risco relativo [RR] = 2,44; IC de 95%: 1,35 a 4,43 para > 4500 mg e RR = 2,17; IC de 95%: 1,07 a 4,40 para 3001-4500 mg em comparação com 1-1500 mg em doses equivalentes de cloridrato de fluoxetina), a duração do uso (RR = 2,66; IC de 95%: 1,45 a 4,88 por > 210 dias e RR = 2,56; IC de 95%: 1,29 a 5,08 por 151-210 dias em comparação com 1-90 dias) e a dose média diária (RR = 2,39; IC de 95%: 1,04 a 5,52 para > 15 vs ≤ 15 mg / d).

O uso atual de antidepressivos tricíclicos também foi associado ao risco de diabetes (risco absoluto = 0,89 por 10000 meses-pessoa vs. 0,48 por 10000 meses-pessoa; RR = 2,15; IC de 95%: 1,06 a 4,36).

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que o uso de ISRS ou ISRSN – antidepressivos mais comumente utilizados – foi associado a um risco aumentado de diabetes tipo 2, que se intensificou com o aumento da duração do uso, a dose cumulativa e a dose média diária.

E mais: ‘Antidepressivos podem alterar massa óssea?’

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Burcu M, Zito JM, Safer DJ, Magder LS, dosReis S, Shaya FT, Rosenthal GL. Association of Antidepressant Medications With Incident Type 2 Diabetes Among Medicaid-Insured Youths. JAMA Pediatr. Published online October 16, 2017. doi:10.1001/jamapediatrics.2017.2896
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

VNI em Paciente Asmático é destaque dos novos conteúdos da semana

VNI em Paciente Asmático é destaque dos conteúdos novos em Guia de VM. Neste post,…

5 horas atrás

Como avaliar o paciente com queixa de inchaço e distensão abdominal?

Inchaço e distensão abdominal são queixas frequentes no consultório. Neste post, Fernanda Azevedo dá dicas…

6 horas atrás

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

7 horas atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

8 horas atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

9 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

10 horas atrás