Neurologia

Uso de estatina é associado ao desenvolvimento de Parkinson

Novas evidências relacionam o uso de estatina ao desenvolvimento de Parkinson. A descoberta vai contra pesquisas anteriores que sugerem que a droga tem um efeito protetor para a doença.

Para o novo estudo, pesquisadores analisaram uma base de dados com informações sobre cerca de 30 milhões de pessoas entre 40 e 65 anos, entre 01 de janeiro de 2008 e 31 de dezembro de 2012. Destes indivíduos, 21.559 foram identificados como portadores de Parkinson com base em critérios de diagnóstico primário ou secundário, uso de medicação contra a doença ou cirurgia de estimulação cerebral profunda.

Na análise transversal, o uso de fármacos hipolipemiantes, incluindo estatinas ou outras drogas, foi associado a uma prevalência significativamente maior de Parkinson (OR 1,61-1,67; P <0,0001), após ajustes por sexo e comorbidades (hiperlipidemia, diabetes, hipertensão e doença arterial coronariana).

As associações de medicamentos que reduzem o colesterol com Parkinson foram mais fortes entre os pacientes com hiperlipidemia, e não houve diferenças significativas entre as estatinas lipofílicas ou hidrofílicas, bem como outras medicações hipolipemiantes.

Veja mais artigos sobre estatinas:

– Estatinas: os benefícios são maiores que os riscos?
– Enxaqueca: estatinas são uma opção viável de tratamento?
– Estatinas podem reduzir o risco de morte por câncer? Entenda
– Interação Medicamentosa: Claritromicina + Estatinas

Os pesquisadores fizeram também uma análise de acordo com o tempo em que os pacientes estavam recebendo tratamento, usando uma análise de caso-controle pareada de 2.458 pares de casos de Parkinson e controles.

Na análise transversal, estatinas e outras drogas que diminuem o colesterol foram associados à Parkinson, mas nesta análise de caso-controle, apenas as estatinas permaneceram significativamente associadas ao risco.

O maior risco foi associado ao período anterior ao início das estatinas (OR 1,93 para menos de 1 ano de uso; 1,83 para 1 a 2,5 anos; e 1,37 para 2,5 anos ou mais; P tendendo a <0001).

A literatura sugere que o colesterol mais alto está associado a resultados benéficos na doença de Parkinson, então, para os pesquisadores, é possível que as estatinas tirem essa proteção. Outra possibilidade é que as estatinas podem bloquear não só a síntese de colesterol, mas também a síntese de coenzima Q10, que é essencial para a função celular.

A médica Cristiane Borges Patroclo, mestre em Neurologia e Membro Titular da Academia Brasileira de Neurologia, dá sua opinião sobre o estudo:

“Os autores relacionam o uso de estatina ao desenvolvimento da doença de Parkinson. Seus resultados tornam a questão ainda mais controversa uma vez que publicações anteriores e uma metanálise recente sugerem papel protetor da medicação na doença.

Não se trata de interromper seu uso ou de evitar sua prescrição. Mas o artigo abre várias frentes de debate: o progressivo envelhecimento da população e o uso de estatinas nesses indivíduos, os benefícios da medicação sobre seus riscos (tema destacado recentemente pelo Medscape) e o metabolismo do colesterol na gênese da doença de Parkinson e de outras doenças degenerativas”, finaliza Dra. Cristiane.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • BAI, Shuang et al. Statin Use and the Risk of Parkinson’s Disease: An Updated Meta-Analysis. PloS one, v. 11, n. 3, p e0152564, 2016.
  • COLLINS, Rory et al. Interpretation of the evidence for the efficacy and safety of statin therapy. The Lancet, 2016.
  • HUANG, Xuemei et al. Statins, plasma cholesterol, and risk of Parkinson’s disease: a prospective study. Movement Disorders, v. 30, n. 4, p. 552-559, 2015.
  • Statin Safety Claims in Lancet Reignite Acrimony, Scientific Divide. Medscape. Sep 22, 2016.
  • Statin Use Linked to Increased Parkinson’s Risk. Medscape. Oct 26, 2016.
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Proposta de nomenclatura universal para insuficiência cardíaca (IC)

As definições da insuficiência cardíaca (IC) são extremamente heterogêneas, isso dificulta definir a doença para…

2 horas atrás

Miopatias em pacientes adultos com hipotireoidismo

Pacientes com hipotireoidismo mais grave ou não tratados têm maior probabilidade de desenvolver doença muscular…

3 horas atrás

Você ainda se lembra das manifestações oftalmológicas da Zika congênita? 

Em artigo publicado em maio de 2021, Ventura at al. relataram as manifestações oftalmológicas da…

4 horas atrás

Covid-19: gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina Astrazeneca

Algumas gestantes apresentaram desfechos desfavoráveis por eventos tromboembólicos após a vacinação com a vacina Astrazeneca/Oxford.

5 horas atrás

Estatinas: FDA solicita a remoção da contra-indicação de seu uso durante a gravidez

A FDA diz que, apesar da mudança, a maioria das pacientes deve interromper as estatinas…

6 horas atrás

Explorando a saúde, a doença e a experiência da doença

Vimos que o MCCP é composto por quatro componentes e hoje veremos o primeiro deles:…

7 horas atrás