Uso de insulina para tratamento do diabetes tipo 2 mal controlado em 2020

Tempo de leitura: 4 min.

A nova diretriz da American Diabetes Association (ADA) para diabetes recomenda o tratamento de segunda linha após o tratamento metformina com base na presença de doenças cardiovasculares e/ou renais comorbidades relacionadas, riscos de ganho de peso e hipoglicemia, e custo.

Ainda não temos muitas evidências ou orientações de qual seria o próximo passo após ter iniciado a metformina em paciente com hemoglobina glicada fora da meta. Nas diretrizes temos a recomendação para o uso de inibidor do cotransportador de glicose 2 (SGLT2) ou agonista do receptor GLP-1 (GLP-1R) nos paciente com doenças cardiovasculares ateroscleróticas graves (DAC), doença renal crônica (DRC) ou insuficiência cardíaca devem ser tratadas com independentemente da HbA1c. Exceto em sinais óbvios de catabolismo, polifagia, polipsipsia e uma HbA 1c superior a 10,0%; ou níveis de glicose superiores a 300 mg/dL, caso em que a insulina pode ser considerada.

Leia também: Diabetes: Aprovada no Brasil nova insulina ultrarrápida para crianças e adolescentes

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Outras opções no tratamento do diabetes

Para pacientes que não têm DAC ou DRC, outros agentes anti-hiperglicêmicos, inibidores da dipeptidil peptidase 4 ou tiazolidinedionas, são recomendados quando os riscos de hipoglicemia precisam ser minimizados. Quando se deseja evitar o ganho de peso (ou promover a perda de peso), o uso de inibidores de SGLT2 e agonistas de GLP-1R são sugeridos. Quando o custo é o grande problema, o uso de sulfonilureias e tiazolidinedionas é priorizado. Todas essas recomendações precedem as do início da terapia com insulina, o que é recomendado no final de cada algoritmo de tratamento ou próximo a ele.

Quando o custo é a principal consideração, a insulina basal com o menor custo de aquisição é recomendada, e essa geralmente é a NPH. No entanto, a magnitude geral de diabetes mal controlado como manifestado pelos níveis de HbA 1c não é um fator nas decisões de tratamento recomendadas até que exceda 10,0%. Os padrões da ADA, assim como as demais orientações, recomendam a HbA 1c para “muitos adultos não grávidas” inferiores a 7,0%, ou menor se alcançado com segurança. Para alguns pacientes, como aqueles com limitações e baixa expectativa de vida ou hipoglicemia, menos que 8,0% pode ser adequado.

O início da insulina no nível de HbA 1c mais próximo de 9,0% 10,0% resultará, no mesmo HbA 1c de 7,5%, o que é próximo ou dentro da meta para praticamente todos os indivíduos com diabetes tipo 2. Este não é o caso do tratamento sem insulina. A diferença de 0,5% em HbA 1c com insulina ao iniciar com um HbA 1c de aproximadamente 9,0% é clinicamente significativo.

Evidências observacionais sugerem que o diabetes tipo 2 relacionado ao complicações microvasculares aumentam acentuadamente e assintomaticamente com valores de HbA 1c maiores que 8,5%. Cada redução de 1,0% na média da HbA 1c foi associada a uma redução de risco de 21% para qualquer desfecho relacionado ao diabetes, inclusive no Infarto Agudo do Miocárdio.

Saiba mais: Diabetes: insulina de ação prolongada é nova opção no SUS

Assim, a administração de insulina em indivíduos com níveis muito elevados de HbA 1c, independentemente do risco de DAC/DRC, poderia reduzir a chances de complicações. As diretrizes da ADA fornecem recomendações baseadas em evidências para o tratamento de pacientes com hiperglicemia moderada que também apresentam risco concomitante de DAC/DRC.

As diretrizes são insuficientes para pacientes com HbA 1c ≥ 9,0% ao recomendar terapias sem insulina isoladamente na ausência de sintomas como poliúria e polidipsia. É possível que não estar recebendo insulina no início do curso da doença para esses pacientes possa causar complicações pessoais custos e custos econômicos para o sistema de saúde. Reduzir a carga hiperglicêmica imediatamente e efetivamente com insulina basal (ou produtos combinados de agonista da insulina-GLP-1R) possibilita mediar a redução dos riscos metabólicos e subsequentes associações e complicações a longo prazo. Mesmo no ambiente de análogos de insulina, inacessíveis para muitos, esse objetivo pode ser complementado com insulina NPH bedtime. No final, o objetivo é reduzir o grande número de pessoas com HbA 1c em níveis superiores a 9,0%.

Para pacientes que já recebem metformina com DAC conhecida ou DRC, pode não ser possível iniciar um agonista de GLP-1R ou inibidor de SGLT2 devido ao alto custo desses medicamentos. Prescrever insulina NPH bedtime e uma dose matinal de sulfonilureia ou pioglitazona pode ser uma escolha mais eficaz clinicamente e econômica para pacientes com níveis de HbA 1c de 9,0% a 9,5%. Uma desvantagem é o risco de hipoglicemia e o desconforto adicional de injetar insulina em comparação com a facilidade de tomar comprimidos.

Prós e contras

Os riscos e benefícios dessas abordagens gerais devem ser discutidos com os pacientes e seus familiares. As considerações de custo no gerenciamento do diabetes é uma preocupação dos médicos e seus pacientes.

As novas classes dos análogos da insulina e as novas classes de agentes para diabetes são exemplos importantes da inacessibilidade de medicamentos nos Estados Unidos. É imperativo que os médicos reduzam o custo com a diabetes e suas complicações, reconhecendo as configurações apropriadas para iniciar as insulinas humanas (NPH e regular) o mais cedo possível alternativas mais baratas para os pacientes do que muitos medicamentos recomendados pelas diretrizes.

É importante reconhecer que a hiperglicemia extrema (HbA 1c 10,0%) é relacionada a pacientes que são mal atendidos quanto o risco e a falta da informação, isso gera um risco muito alto e um maior custo pessoal e social por causa da dificuldade em receber tratamento adequado.

Com o 100º aniversário da descoberta da insulina, os médicos devem reconhecer a utilidade de fornecer insulinoterapia para pacientes com níveis muito altos de HbA 1c (9,0%), em oposição à recomendação de 10,0% após a terapia com metformina.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Priscilla Maris Pereira Alves Pantaleão

Posts recentes

A ingestão de frutas diariamente pode diminuir o risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2?

Um estudo encontrou dados favoráveis relacionando ingestão de frutas à proteção de desenvolvimento de diabetes…

13 horas atrás

Whitebook: dexametasona

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do  Whitebook vamos falar sobre dexametasona, corticoide usando…

17 horas atrás

Anemia falciforme: você pode ser um portador deste traço

Anemia falciforme está presente em todo o mundo e no Brasil é considerada como a…

19 horas atrás

Podemos utilizar corticoides na síndrome inflamatória multissistêmica em pediatria?

Um estudo britânico concluiu que os corticoides podem ser um tratamento eficaz para crianças com…

1 dia atrás

Novas diretrizes do ACR para o tratamento da artrite reumatoide (AR)

A artrite reumatoide (AR) é uma das artropatias inflamatórias mais prevalentes, acometendo preferencialmente mulheres entre…

1 dia atrás

Tratamento inovador para mutação de câncer de pulmão é aprovado no Brasil

Foi aprovada pela Anvisa o Tabrecta, tratamento para câncer de pulmão metastático de células não…

2 dias atrás