Coronavírus

Uso de máscara em exercícios físicos não afeta respiração nem resposta cardiovascular, indica estudo

Tempo de leitura: 4 min.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) conseguiram demonstrar que o uso de máscaras de tecido não interfere significativamente nos padrões de respiração e fisiologia cardiovascular durante a prática de exercícios físicos em intensidades moderadas a vigorosas. 

Segundo o autor do estudo, Bruno Gualano, o mito de que o uso de máscara durante a atividade física seria prejudicial e afetaria a saturação de oxigênio do sujeito, não se sustenta. “O uso da proteção não alterou significativamente o funcionamento corporal durante a prática de exercício moderado a pesado”, afirmou o professor da FM-USP em entrevista ao Portal da Agência FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), apoiadora do estudo. 

Como foi realizado o estudo 

Foram recrutados 35 voluntários: 17 homens e 18 mulheres saudáveis, que realizaram testes ergoespirométricos em esteira, com os pesquisadores avaliando suas respostas cardiopulmonares através da troca de gases expirados e inspirados durante os exercícios físicos, em diferentes intensidades de esforço. 

Os participantes correram com máscara de tecido de três camadas em uma sessão e outra vez sem ela para que a comparação fosse realizada. Foram avaliadas diferentes intensidades de exercícios. 

Os testes permitiram analisar uma infinidade de variáveis fisiológicas, como o consumo de oxigênio, a capacidade respiratória, as medidas de funcionamento cardiovascular, a saturação de oxigênio e a acidose no sangue. 

Conclusão 

“A conclusão foi que as perturbações provocadas pela máscara foram muito pequenas, especialmente nas intensidades abaixo do esforço máximo, que são capazes de trazer enormes benefícios para a saúde”, destacou Bruno Gualano. 

Já nas altas intensidades, ou seja, quando a pessoa faz o máximo esforço possível antes de entrar em cansaço extremo e parar o exercício, foi possível perceber pequenas alterações respiratórias. No entanto, o organismo consegue lidar bem com isso através de respostas fisiológicas compensatórias. 

“A saturação de oxigênio, a frequência cardíaca, a percepção do esforço, os níveis de lactato (medida indicativa do equilíbrio ácido-base no organismo), a pressão arterial, tudo isso está dentro do esperado, mesmo com uso da máscara e em intensidades críticas”, ressaltou o autor do estudo. 

Os resultados do estudo permitem formular novas recomendações para a prática de exercício físico durante a pandemia, uma vez que entre as intensidades moderadas e pesadas não há alteração marcante de fatores fisiológicos com o uso da máscara de tecido. 

Outro ponto importante da pesquisa foi que, no geral, os resultados foram similares tanto para ambos os sexos.

Leia também: Máscaras PFF2 e PFF3: proteja-se na sua prática clínica

Estudo com atletas de alto nível 

Em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o mesmo grupo de pesquisadores realizou outro estudo, desta vez com atletas de alto nível. Mais uma vez foi observado que a máscara não prejudica o rendimento. “Era apenas a percepção de esforço que aumentava: os atletas reclamavam do incômodo provocado pela máscara, mas o desempenho não se alterava”, contou Bruno Gualano. 

O pesquisador explicou ainda que, de maneira geral, atletas de alto rendimento não costumam apresentar quadros graves de Covid-19, porém o risco sempre existe.   

Atualmente, a equipe de pesquisadores estuda o uso de máscara durante a prática de exercícios físicos com crianças saudáveis e obesas durante o esforço em diferentes intensidades. Eles buscam entender se as máscaras também não interferem nos padrões de respiração e fisiologia cardiovascular em outros grupos de pessoas mais vulneráveis.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED 

Referências bibliográficas: 

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

30 minutos atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

2 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

3 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

4 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

6 horas atrás

Cirurgias de catarata caem 38% em um ano, aponta DataSus

Levantamento aponta que o número de cirurgias para correção da catarata realizadas pelo SUS caiu…

7 horas atrás