Leia mais:
Leia mais:
Qual a influência dos fatores pré-analíticos nas concentrações da testosterona total em homens?
A Covid-19 pode causar tromboembolismos fatais?
Trombofilias: o que precisamos saber sobre os exames disponíveis?
TOP 5: testosterona em mulheres, taquicardias e mais! [podcast]
Uso de testosterona em mulheres: o que recomenda a nova diretriz?

Uso de testosterona e risco de eventos tromboembólicos

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A trombose venosa profunda (TVP) de membros inferiores é uma condição caracterizada pela formação de um coágulo no interior de um vaso sanguíneo, podendo ser proximal (envolvendo veias poplíteas, femorais ou ilíacas) ou distal (vasos que sucedem as veias poplíteas).

Os três mecanismos fisiopatológicos principais associados ao desenvolvimento de trombose, que caracterizam a tríade de Virchow, são a lesão do endotélio vascular, estase sanguínea e hipercoagulabilidade. Quando o trombo se desprende, pode haver uma complicação potencialmente fatal, o tromboembolismo pulmonar (TEP).

Existem diversos fatores de risco para o problema, como a idade, presença de neoplasias e imobilização prolongada, porém, destaca-se a reposição hormonal relacionada ao eixo gonadal, como em casos de uso de anticoncepcionais orais, na terapia hormonal da menopausa e também na reposição de testosterona no homem.

médico indicando reposição de testosterona a paciente masculino

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Terapia de reposição de testosterona

Neste último aspecto, a terapia de reposição de testosterona é indicada quando há o diagnóstico clínico e laboratorial de hipogonadismo. O que se sabe é que a administração de testosterona exógena, especialmente em concentrações muito acima das fisiológicas poderia levar a um estado de hipercoagulabilidade ao aumentar o hematócrito e promover aumento nos níveis de tromboxano A2, que ativa e favorece maior agregação de plaquetas.

Mais da autora: Microbiota e exercício físico: uma relação ambígua

O estudo

Um grande estudo transversal recentemente publicado procurou avaliar a associação do uso de testosterona em homens com e sem hipogonadismo e o risco de TVP. As informações foram obtidas através de um banco de dados de registros médicos americanos, totalizando 39622 homens, seguidos por 12 meses antes do evento de TEP.

Eles foram analisados quanto à prescrição de testosterona um, três ou seis meses antes do evento, por diversas vias de administração (transdérmica ou intramuscular). Homens sem diagnóstico de câncer, com idade inferior a 65 anos que receberam testosterona tiveram um risco duas vezes maior de TVP\TEP comparados com os controles, sem diferença quanto à via de administração. Em relação ao tempo, o risco foi maior nos primeiros três meses de tratamento.

Outro dado significativo é que naqueles sem hipogonadismo, ou seja, naqueles sem indicação de reposição hormonal, o risco de TVP\TEP foi maior nos mais jovens, com idade inferior a 65 anos, demonstrando a necessidade de cuidado em quem adota esta prática.

As limitações deste estudo existem, como o fato de utilizar banco de dados como fonte de informação, o que faz com que o diagnóstico de hipogonadismo tenha utilizado diferentes definições, bem como havia diversidade nas doses e apresentações de testosterona não se podendo diferenciar em quais subgrupos este risco seria maior ou não.

A mensagem principal é que o risco de eventos tromboembólicos deve ser considerado quando o médico prescreve a reposição de testosterona em homens com hipogonadismo e também naqueles sem o problema em que a prescrição é feita para outros fins que não o indicado.

Autor:

Referências bibliográfica:

  • Walker, RF et al. Association of Testosterone Therapy with Risk fo Venous Thomboembolism among Men with and without Hypogonadism. JAMA Internal Medicine Nov 11 2019 E1-E8.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar