Terapia Intensiva

Uso do fentanil na sequência rápida de intubação

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Há pouco tempo publicamos uma reportagem sobre a diretriz britânica de intubação orotraqueal na terapia intensiva. Assim como outras fontes da literatura, a sequência rápida de intubação é o método recomendado para a maioria dos pacientes e consiste em:

  1. Preparo do equipamento, com no mínimo duas técnicas diferentes para acessar via aérea
  2. Posicionamento
  3. Pré-oxigenação
  4. Pré-tratamento
  5. Paralisia com indução
  6. Pressão cricóide
  7. Posicionamento e confirmação do TOT
  8. Pós-intubação

O fentanil é um dos agentes farmacológicos recomendados no pré-tratamento. É utilizado em doses inferiores à anestesia geral, com objetivo de reduzir a resposta cardiovascular exagerada e o aumento da pressão intracraniana. Contudo, está associado com eventos adversos, como depressão respiratória e tórax rígido. A hipotensão também é um efeito temido. O fentanil pode reduzir a atividade simpática que está sustentando a pressão arterial!

Em um estudo recente, pesquisadores japoneses avaliaram 466 pacientes intubados na emergência e compararam os grupos que fizeram ou não uso de fentanil, fazendo a análise estatística para compensar os fatores de confundimento. O uso de fentanil foi associado com maior taxa de sucesso na intubação, bem como mais chance de intubar na primeira tentativa. Contudo, o risco de hipotensão foi maior, isso mesmo nos pacientes com PA sistólica basal > 90 mmHg. Por outro lado, o hipnótico mais utilizado foi o midazolam (60%), não havendo uso de etomidato, o que pode ter potencializado a hipotensão.

O que fazer? O fentanil não está proscrito! Pelo contrário. O que é importante é você estar atento a esta complicação e se antever, fazendo boa reposição de salina e deixando uma amina de stand by em caso de hipotensão grave.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Ronaldo Gismondi

Posts recentes

Atividade física e Covid-19: a importância da reavaliação médica no retorno aos treinos

Nesse primeiro vídeo sobre atividade física e covid-19, o cardiologista Mateus Freitas comenta sobre a…

13 horas atrás

Novas evidências: Laser fracionado de CO2 para tratamento de atrofia vaginal

O laser fracionado de CO2 ganha cada vez mais credibilidade no tratamento de patologias urogenitais.…

14 horas atrás

Manejo da dispneia na emergência com uso de ultrassonografia point-of-care (POCUS)

A ultrassonografia POCUS pode ser utilizada como ferramenta diagnóstica e como guia da evolução da…

15 horas atrás

CHEST 2021: Fibrose pulmonar idiopática, neurointensivismo, DPOC e muito mais

O CHEST 2021, congresso do American College of Chest Physicians, trouxe diversas novidades e discussões…

16 horas atrás

Estudo mostra bebês prematuros extremos que sobrevivem ao parto também melhoram os desfechos de neurodesenvolvimento

Um estudo avaliou o neurodesenvolvimento e a incapacidade neurológica significativa aos dois anos em bebês…

17 horas atrás

Perfil metabólico nas mulheres em amamentação exclusiva após uma gestação com diabetes gestacional

A diabetes gestacional é uma doença de incidência variável no mundo, chegando a 17,8% das…

18 horas atrás