Enfermagem

Uso seguro de medicamentos na Covid-19: o que o enfermeiro precisa saber?

Tempo de leitura: 3 min.

Com o agravamento da pandemia da Covid-19 no Brasil e consequente aumento do consumo de medicamentos analgésicos, sedativos e bloqueadores neuromusculares utilizados para a intubação traqueal, o abastecimento do kit de intubação entrou em colapso no sistema de saúde.

Diante da dificuldade enfrentada na reposição dos fármacos, recomenda-se o uso racional, realização de substituição possíveis e a priorização de anestésicos inalatórios e bloqueios regionais em procedimentos anestésico-cirúrgicos.
Para manter o abastecimento regular dos medicamentos utilizados para intubação, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), abriu um processo regulatório sobre procedimentos temporários e extraordinários para a autorização em caráter emergencial de medicamentos usados em pacientes com a Covid-19.

Leia também: O erro e iatrogenias de enfermagem durante a pandemia: um problema de todos

Dessa forma, é permitida a importação de medicamentos prioritários para uso em serviços de saúde com a dispensa de regularização sanitária pela Anvisa e podem ser utilizados no Brasil com rótulos, embalagens e bulas em idioma diferente do português.

Em relação aos medicamentos recebidos por doação e com rotulagem em mandarim, tal situação compromete a segurança do paciente diante da superlotação em Unidades de Terapia Intensiva e sobrecarga de profissionais, o que pode predispor ao erro de medicação.

Sendo assim, um ofício com recomendações foi elaborado por diversas sociedades científicas e recentemente, a Anvisa atualizou um alerta aos profissionais de saúde com o objetivo de chamar atenção quanto aos cuidados que devem ser adotados na administração dos medicamentos importados para uso na intubação orotraqueal visando a segurança no uso desses medicamentos, conforme abaixo:

Medicamentos prioritários

O enfermeiro deve conhecer a lista publicada pelo Ministério da Saúde com a relação dos medicamentos prioritários utilizados no enfrentamento da Covid-19, definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A lista deve estar disponível e afixada em local visível para os profissionais em todos os serviços de saúde.

Rotulagem

Os medicamentos recebidos devem ser rotulados no idioma português e devem conter minimamente as seguintes informações: denominação genérica do medicamento, concentração e via de administração, utilização da padronização internacional por cores para os medicamentos, informações relativas às condições de armazenamento e conservação (rótulo da embalagem secundária). Na impossibilidade de impressão da etiqueta em cores, utilizar a etiqueta com fundo branco e com letras pretas. Se não for possível fixar a etiqueta na ampola, embalar a ampola em saco plástico e fixar a etiqueta.

Concentração do medicamento importado

Alguns medicamentos importados possuem concentrações diferentes das comumente utilizadas no Brasil. A equipe de enfermagem deve estar atenta no cálculo da dosagem, na diluição e no tempo de infusão. Utilize a dupla checagem com o colega da equipe.

Protocolo da instituição

É fundamental a adesão ao protocolo elaborado pela instituição para o uso dos medicamentos importados. Consulte e incentive a adesão à utilização dos membros da equipe de enfermagem. Em caso de dúvidas, entre em contato com o farmacêutico.

Eventos adversos

Notifique à gerência de risco da sua instituição ou, em sua ausência, utilize o VigiMed, sistema de notificação da Anvisa em caso de suspeita de ocorrência de evento adverso relacionado ao uso do medicamento importado, incluindo erros de medicação e near miss (quase erro) e no sistema Notivisa relacionado à queixas técnicas. Eventos adversos graves devem ser notificados em até 72 horas e os demais e as queixas técnicas devem ser notificados em até 5 dias do seu conhecimento.

Saiba mais: Enfermeiros e técnicos de enfermagem são os profissionais mais acometidos pela Covid-19

Para saber mais sobre o novo coronavírus e outros temas, continue acompanhando aqui no Portal Pebmed e no App Nursebook. Se você ainda não baixou, ele está disponível no App Store e na Play Store. Todos os conteúdos estão liberados por tempo limitado, aproveite!

Referências bibliográficas:

 

Compartilhar
Publicado por
Camila Tenuto

Posts recentes

Hiperprolactinemia: pontos de atenção [podcast]

A hiperprolactinemia é um aumento de prolactina circulante. Ouça o episódio e saiba os pontos…

11 horas atrás

Aférese terapêutica no ambiente da terapia intensiva: uma revisão narrativa

Neste artigo, focamos na análise da plasmaférese terapêutica (TPE), que é a retirada de plasma…

12 horas atrás

A relação entre Covid-19 e amamentação

Estudos comprovam que mães que já tiveram Covid-19 protegem o lactente do vírus ao transmitir…

13 horas atrás

Os oito subtipos clínicos de pacientes pediátricos com obesidade

A obesidade é uma questão de abrangência mundial. Conheça estudo que classifica os subtipos de…

14 horas atrás

Fatores relacionados à função física um ano após artroplastia total de joelho

Um estudo analisa os fatores associados ao pós-operatório da artroplastia total de joelho em pacientes…

15 horas atrás

Midazolam ou dexmedetomidina intranasais na anestesia pediátrica: Qual apresenta menos eventos adversos?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do uso intranasal de midazolan e…

16 horas atrás