Imunologia

Vacina contra Herpes Zoster é segura em pacientes tratados com antagonista de TNF alfa

Tempo de leitura: 3 min.

O herpes zoster é uma infecção secundária à reativação do vírus Varicella zoster latente, a qual frequentemente ocorre em indivíduos imunossuprimidos e idosos. A vacina de vírus vivo atenuado é capaz de reduzir em até 70% o risco de herpes zoster. No entanto, vacinas com agentes atenuados são, geralmente contraindicadas em pacientes que utilizam imunossupressores e biológicos, devido ao risco teórico de causar uma infecção Varicella-like pela cepa vacinal. 

Recentemente, o estudo VaricElla zosteR VaccinE (VERVE) avaliou a segurança e eficácia da vacina de vírus vivo atenuado contra herpes zoster em pacientes com mais de 50 anos de idade em uso de terapia antagonista de TNF alfa e que não haviam previamente recebido a vacina. Foi realizado estudo duplo cego controlado, nos quais os pacientes foram randomizados para receber a vacina Zostavax ou placebo, seguidos até 12 meses. A resposta imune específica foi avaliada por gpELISA (imunidade humoral) e ELISpot (imunidade celular) no soro e células mononucleadas do sangue periférico no basal e 6 semanas após a vacinação. Infecção suspeita por Varicella zoster foi avaliada clinicamente por fotografias digitais e PCR do fluido vesicular. 

Leia também: Herpes zoster: Número de casos cresce no país e estudos indicam direta relação com a pandemia

Metodologia

Entre março de 2015 e dezembro de 2018, 617 pacientes forma randomizados na razão de 1:1 para receber a vacina de vírus vivo atenuado (n = 310) ou placebo ( n = 307) em 33 centros. A idade média foi de 62,7 anos (DP 7,5). Cerca de 66% eram do sexo feminino, 90% brancos, 8,2% negros e 5,9% hispânicos. As indicações mais comuns para terapia anti-TNF alfa foram: artrite reumatoide (57,6%) e artrite psoriásica (24,1%), sendo incluídos ainda pacientes com doença de Crohn, retocolite ulcerativa, espondilite anquilosante, sarcoidose e psoríase. Os antagonistas de TNF alfa utilizados foram: adalimumabe (32,7%), infliximabe (31,3%), etanercept (21,2%), golimumabe (9,1%) e certolizumabe pegol (5,7%). Terapias concomitantes incluíram metotrexato (47,7%) e corticosteroides (10,5%). Até a sexta semana, nenhum caso de infecção por varicela foi confirmado. A incidência acumulada de infecção por Varicella ou herpes zoster foi de 0,0% (IC95%, 0,0% a 1,2%). Na semana 6, comparado ao basal, observou-se aumento da média geométrica de título de anticorpos contra Varicella zoster por gpELISA e ELISpot de 1,33 (IC 95%, 1,17 a 1,51) e 1,39 (IC 95% 1,07 a 1,82) vezes, respectivamente. No entanto, após 1 ano, os títulos por gpELISA mantiveram a média elevada em relação ao basal (1,42 IC95% 1,07 a 1,88]; n = 114), enquanto ao ELISpot não mais se observou diferença significativa (0,76 [IC 95%, 0,51 a 1,15]; n = 116). Foi notada diferença significativa na presença de reações adversas locais entre os pacientes que receberam vacina versus o placebo (19,4 x 4,2%), mas não houve diferença quanto a eventos adversos sistêmicos. 

Conclusões

Não foram observados casos de Herpes Zoster relacionados a vacina entre pacientes com mais de 50 anos em uso de antagonistas de TNF alfa vacinados com a vacina Zostavax, a qual contém vírus vivo atenuado. A produção de anticorpos contra a vacina foi robusta, embora a resposta celular não tenha se sustentado 1 ano após a vacinação. Os dados do estudo sugerem que a vacina de vírus vivo atenuado é segura nesse contexto, embora a eficácia de longo prazo seja desconhecida. A resposta imune humoral e celular foi aparentemente menor que o encontrado em indivíduos hígidos (33% e 39% acima do basal, versus 120% e 78%, respectivamente). Os autores sugerem que a utilização de antagonista de TNF alfa impacte negativamente na resposta vacinal e que talvez seja necessária aplicar dose de reforço da vacina nessa subpopulação. 

Saiba mais: Herpes Zoster aumenta risco de AVC e IAM

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Curtis JR, Cofield SS, Bridges SL Jr, Bassler J, Deodhar A, Ford TL, Huffstutter J, Jankeel A, Kivitz A, Kamal S, Lindsey S, Messaoudi I, Mendoza N, Michaud K, Mikuls TR, Ridley D, Shergy W, Siegel SAR, Winthrop KL. The Safety and Immunologic Effectiveness of the Live Varicella-Zoster Vaccine in Patients Receiving Tumor Necrosis Factor Inhibitor Therapy: A Randomized Controlled Trial. Ann Intern Med. 2021 Sep 28.  doi10.7326/M20-6928. Ahead of print.
Compartilhar
Publicado por
Guilherme Grossi Cançado

Posts recentes

A cirurgia bariátrica diminui o risco de câncer?

Estudo avaliou se submetidos à cirurgia bariátrica possuem uma diminuição da incidência de câncer comparada…

35 minutos atrás

Oseltamivir: o que você precisa saber para a prática clínica

O surto de Influenza vivenciado em todo o país durante o começo do ano de…

2 horas atrás

Efeitos do exercício físico sobre a hipertensão arterial resistente

É consenso que a prática rotineira de exercício físico é de grande benefício para o…

3 horas atrás

Anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 podem estar presentes no leite humano até 6 meses após a vacinação

Estudo sugere que anticorpos específicos para SARS-CoV-2 podem estar disponíveis no leite materno por até…

4 horas atrás

Covid-19: Bio-Manguinhos/Fiocruz recebe o registro da vacina 100% nacional

A Anvisa aprovou a inclusão do IFA no país terá uma vacina 100% nacional, com…

6 horas atrás

Status de neurodesenvolvimento aos seis meses de idade em crianças com e sem exposição ao SARS-CoV-2

Um estudo avaliou a exposição fetal intrauterina ao SARS-CoV-2 e o neurodesenvolvimento de lactentes aos…

24 horas atrás