Infectologia

Vacina Coronavac: Butantan faz o pedido de uso emergencial para a Anvisa

Tempo de leitura: 2 min.

O Instituto Butantan enviou para a Anvisa na manhã de hoje, dia 08, o pedido de autorização temporária para uso emergencial da vacina Coronavac.

Em seu site, a Anvisa informou que já iniciou o processo, com a triagem da documentação necessária e da proposta do laboratório. Esse primeiro passo terá a duração de 24h e, caso falte alguma informação importante, o órgão pode solicitar informações adicionais em um prazo de dez dias.

Quer saber tudo sobre o novo coronavírus? Acesse nossa Revista!

A eficácia da vacina Coronavac

O pedido veio depois da apresentação dos resultados de eficácia da Coronavac, na tarde de ontem. Com 100% de eficácia para casos graves, moderados e de internação e de 78% em casos leves e com atendimento ambulatorial, o anúncio foi bastante comemorado pelos brasileiros.

Logo após, com uma coletiva da parte do Ministério da Saúde, foi confirmada a assinatura de um contrato de aquisição de doses da Coronavac, para a execução do Plano Nacional de Vacinação. O contrato prevê o fornecimento de 46 milhões de doses, divididas em quatro etapas, até o final de abril.

Em pronunciamento ontem à noite, o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o processo de vacinação começará no país ainda durante o mês de janeiro e que a vacina poderá ser exportada para outros países da América Latina. Ele afirmou que existem mais de 60 milhões de seringas e agulhas disponíveis no Brasil e que “todos os estados e municípios receberão a vacina de forma simultânea, igualitária e proporcional à população”.

Diferente de outras vacinas já em circulação na Europa e Estados Unidos, a Coronavac utiliza a técnica de vírus inativado e o fato de ser produzida no país facilita o processo de logística. O Butantan prevê a produção de um milhão de doses por dia

Fiocruz também faz pedido

Também na data de hoje, 08, a Fiocruz protocolou o pedido de autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental da vacina de Oxford. Ao contrário do Butantan, com fabricação própria, o pedido da Fiocruz para o uso de 2 milhões de doses que serão importadas do laboratório Serum, na Índia.

A análise dos pedidos feitos será feita por uma equipe multidisciplinar, com especialistas das áreas de registro, monitoramento e inspeção da Anvisa.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

11 horas atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

12 horas atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

12 horas atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

13 horas atrás

Resultados da denervação seletiva para rizartrose

A rizartrose é extremamente comum, com prevalência estimada em 15% dos pacientes acima de 30…

15 horas atrás

Há como predizer quem vai ter uma parada cardiorrespiratória (PCR) em FV ou TV?

Estudo buscou desenvolver um algoritmo para identificar quem teria maior risco de parada cardiorrespiratória (PCR)…

16 horas atrás