Saúde Pública

Vacinação contra a influenza 2021 começa sem idosos como prioridade inicial

Tempo de leitura: 3 min.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza começou nesta segunda-feira, dia 12 de abril com uma novidade: os idosos não estão como prioridade inicial desta vez. O motivo é para não gerar confusão com o calendário de imunização contra a Covid-19.

De acordo com informe técnico do Ministério da Saúde, o processo de imunização contra a Influenza deve se estender até 9 de julho. A vacinação será dividida em três grupos prioritários, distribuídos de forma escalonada.

Primeiro, serão vacinadas as crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde. Em seguida, será a vez dos idosos e dos professores e, por último, os demais grupos.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Vacinação contra a influenza

Confira abaixo o calendário oficial:

  • 1ª etapa — de 12 de abril a 10 de maio: crianças, gestantes, puérperas, indígenas e trabalhadores da saúde;
  • 2ª etapa — de 11 de maio a 8 de junho: idosos e professores;
  • 3ª etapa — de 9 de junho a 9 de julho: demais grupos prioritários;

A recomendação do Ministério da Saúde é que os indivíduos que fazem parte do grupo prioritário tomem em primeiro lugar a vacina contra a Covid-19 e depois a vacina contra a gripe. É necessário um intervalo mínimo de 14 dias entre a aplicação das duas vacinas.

Ouça também: Influenza: campanha de vacinação e Covid-19 [podcast]

Campanhas simultâneas

Tradicionalmente, o Ministério da Saúde realiza a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza todos os anos, a partir do começo do outono. Neste ano, o desafio será muito maior: coordenar a vacinação contra a gripe e ao Covid-19 ao mesmo tempo.

Para evitar aglomerações nos postos de saúde e cruzamento entre os públicos-alvo da vacina contra a gripe e contra o novo coronavírus, foram realizadas adaptações na ordem da vacinação dos grupos prioritários.

O público-alvo é estimado em 79,7 milhões de brasileiros, e a meta do Ministério da Saúde é vacinar, no mínimo, 90% dos grupos prioritários.

Entre os objetivos da imunização está o de impedir que o sistema de saúde seja ainda mais sobrecarregado com a doença. O vírus Influenza também pode ser letal ao afetar o sistema respiratório, principalmente com a chegada do outono, quando há queda de temperatura e os casos tendem a aumentar.

Caso a pessoa se enquadre dentro do grupo prioritário das duas vacinas, a recomendação é que seja tomada em primeiro lugar a vacina contra a Covid-19, e depois a da gripe. É necessário dar um intervalo mínimo de 14 dias entre as duas vacinas porque ainda não se sabe os efeitos da coadministração simultânea dos dois imunizantes.

Veja mais: Vacina contra influenza em alta dose em pacientes com alto risco cardiovascular

Grupos prioritários

A Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu como grupos de elevada prioridade para a vacinação os profissionais da área da saúde e os idosos. Em seguida, sem ordem de prioridade, vêm as crianças de seis meses a cinco anos, as gestantes e os portadores de determinadas doenças crônicas.

No Brasil, outros grupos também serão contemplados na campanha deste ano:

  • Crianças entre seis meses e seis anos de idade;
  • Gestantes e puérperas;
  • Indígenas;
  • Trabalhadores da saúde;
  • Idosos a partir de 60 anos;
  • Professores das escolas públicas e particulares;
  • Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Forças de segurança e salvamento;
  • Forças armadas;
  • Caminhoneiros;
  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens entre 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Hematoma subdural: caso clínico na emergência [podcast]

Neste episódio, o Dr. Felipe Nóbrega vai falar sobre o hematoma subdural no contexto de…

1 hora atrás

Acometimento neurológico em crianças com síndrome hemolítico-urêmica típica: dados de uma revisão retrospectiva

A síndrome hemolítico-urêmica (SHU) é um quadro grave, sendo a principal causa de insuficiência renal…

2 horas atrás

Anestesia e hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma das doenças endócrinas mais comuns e caracterizado pela baixa atividade da…

3 horas atrás

Cinco dicas para falar sobre fertilidade com seus pacientes

De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres…

4 horas atrás

CHEST 2021: Abordagem da fístula aérea persistente em pacientes com pneumotórax

Pacientes com pneumotórax são cada vez mais comuns dentro da UTI, especialmente no contexto da…

5 horas atrás

CHEST 2021: Tratamento cirúrgico no DPOC: quando e como indicar?

A DPOC acomete milhões de pessoas em todo o mundo e é a terceira maior…

6 horas atrás