Vacinação contra Covid-19 e desfechos pós-operatórios

Muitos procedimentos eletivos foram adiados ou cancelados pelo temor de complicações relacionadas à Covid-19 num contexto de pós-operatório.

No início da pandemia, além da necessidade de reserva de recursos hospitalares, foi detectado que muitos pacientes apresentaram complicações relacionadas à infecção por SARS-CoV-2, adquirida antes ou até mesmo após o procedimento cirúrgico. Assim, inúmeros procedimentos eletivos foram adiados e até mesmo cancelados, pelo temor de complicações relacionadas à Covid-19 em um contexto de pós-operatório que agrava em muito a evolução destes pacientes. 

Com o aumento da vacinação e fases mais amenas da pandemia, houve um retorno gradual às atividades eletivas, com testagem dos pacientes e remarcações em caso de positividade no teste pré-cirurgia. Apesar disto, não há dados que certificam que a vacinação da população estivesse melhorando os resultados cirúrgicos com melhoria das complicações pós-operatórias relacionadas a Covid-19.

pós-operatório

Métodos  

Um estudo retrospectivo que avaliou os desfechos cirúrgicos, incluindo mortalidade nos 30 dias, infecções por Covid-19, tromboembolismo, tempo de internação e reinternações. Os dados  multicêntricos de hospitais de Veteranos dos EUA, em pacientes submetidos a qualquer procedimento cirúrgico. Foi realizado pareamento de dados, para que as análises fossem semelhantes, entre os procedimentos cirúrgicos, status vacinal, história de Covid-19 prévia e dados demográficos.

Resultados 

Após as exclusões necessárias, permaneceram 3.104 pacientes no grupo vacina (1.903 Pfizer e 1.201 BioNTec) e no grupo controle um total de 7.438. Os grupos estavam equilibrados em relação aos dados epidemiológicos. O grupo vacina apresentou uma menor taxa de infecção por Covid-19 no pós-operatório (0% x 0,6%), apesar da mortalidade global ter sido semelhante (0,4% e 0,6%, vacina e controle respectivamente). O grupo vacina também apresentou menor complicações pulmonares (1,7% x 3,0%), complicações pulmonares (1,1% x 1,5%) e menor tempo de hospitalização, ao comparar com o grupo controle uni ou multivariado.  

Entre aqueles pacientes que nunca tiveram resultado positivo para Covid-19, a comparação entre vacinados e não vacinados apresentou resultados semelhantes ao resultado global. Já a comparação entre aqueles que já tiveram a doença o número de indivíduos foi pequeno para que pudesse ser realizado algum tipo de análise estatística.

Discussão

Este é um dos primeiros estudos a comparar os resultados operatórios de pacientes vacinados e não vacinados. Conforme exposto nos resultados, aqueles que receberam a vacina apresentaram menores complicações e tempo de internação que aqueles que não receberam a vacina. 

Com o retorno às atividades eletivas, este estudo demonstrou que a vacinação completa até duas semanas antes da cirurgia é benéfica e diminui as complicações pós-operatórias que poderiam estar relacionadas ao SARS-CoV-2.

Leia também: Check-list de cirurgia segura e por que devemos fazer

Para levar para casa

Apesar de questionada por alguns, os dados demonstram que a vacina está relacionada à melhoria dos índices da pandemia, assim como das complicações relacionadas a esta infecção no delicado período pós-operatório.

Referências bibliográficas:

  • Prasad NK, Lake R, Englum BR, et al. COVID-19 Vaccination Associated With Reduced Postoperative SARS-CoV-2 Infection and Morbidity. Ann Surg. 2022;275(1):31-36. doi:10.1097/SLA.0000000000005176 

 

 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.