Ginecologia e Obstetrícia

Vacinação da Covid-19 em gestantes e puérperas: o precisamos saber até o momento?

Tempo de leitura: 4 min.

Qual obstetra ou clínico geral que não precisou responder sobre vacinação Covid-19 em gestantes e puérperas? Por isso, hoje eu trago uma atualização de tudo que aprendemos, desde janeiro de 2021, sobre esse tema tão importante na atualidade.

Pelo menos 80 vacinas diferentes estão na fase 3 da pesquisa e diferentes tecnologias foram utilizadas para produção destas vacinas. Os principais grupos são: vacinas de vírus inativados/mortos, vacinas genéticas de RNA mensageiro, vacinas baseadas em vetores virais não replicantes e vacinas baseadas em proteína do vírus.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Vacinação Covid-19 em gestantes

Em janeiro de 2021 foi aprovado no Brasil a Coronavac® e a Covishield® para ajudar no cambate ao novo coronavírus. A técnica utilizada na vacina Coronavac® é bastante conhecida por nós e tem segurança comprovada durante a gravidez e puerpério, de modo que em sua bula oficial é classificada como classe B para uso durante a gestação. Já a vacina Covishield®, foi produzida pela farmacêutica Serum Institute of India, em parceria com a AstraZeneca/Universidade de Oxford e utiliza uma tecnologia diferente para induzir a imunidade no paciente, através da plataforma de vetor viral não replicante de adenovírus de chimpanzé.

Ambas as vacinas licenciadas para uso emergencial no Brasil até o momento, demonstraram excelente perfil de segurança e atenderam ao parâmetro de eficácia estipulado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Porém, em maio desse ano quando as gestantes e puérperas com comorbidades começaram a ser vacinadas, tivemos relatos de eventos tromboembólicos com desfecho desfavorável para o binômio em questão.

Mesmo com o risco da gestante e puerpéra com Covid-19 ser maior, foi suspensa a vacinação delas com a vacina fabricada pela AstraZeneca. Afinal, temos outras opções que no momento são mais seguras para nossas pacientes, como a Coronavac® e a vacina de mRNA-BNT162b2 (Pfizer–BioNTech), que foi aprovada pela Anvisa em abril desse ano. A tecnologia utilizada pela última é a genpetica, na qual um fragmento de RNA mensageiro induz a imunidade do paciente.

Necessidade de vacinação de grávidas e puérperas

A Coronavac® tem eficácia de 50,4% e previne casos moderados e graves em 78%. Já a vacina Cominarty® fabricada pela Pfizer tem eficácia de 95% e em bula relata imunidade contra a variante britânica. Ao avaliar a eficácia das vacinas disponíveis e seus eventos adversos com o risco de morbimortalidade materna e fetal, fica evidente a necessidade de vacinar nossas gestantes.

Na análise dos dados públicos do SIVEP GRIPE houve um alarmante aumento da mortalidade materna por Covid-19, no Brasil, sendo notificados até o dia 02 de junho de 2021, 455 casos em 2020 e 814 em 2021. Segundo a presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP), Rossana Pulcineli Vieira Francisco, na comparação entre os anos 2020 e 2021, a mortalidade materna semanal aumentou em 283% e a mortalidade da população geral aumentou em 105%, confirmando os achados de que gestantes constituem grupo de maior risco de intubação orotraqueal, de internação em Unidades de Terapia Intensiva e de óbito.

No dia 14 de maio de 2021, foi emitida uma nota técnica Nº 627/2021-CGPNI/DEIDT/SVS/MS, do Programa Nacional de Imunizações que orienta a vacinação de gestantes e puérperas com comorbidades utilizando-se das vacinas Covid-19 Butantan/Sinovac Biotech (Coronavac®) ou Pfizer Biontech: (Cominarty®). Aquelas sem comorbidades foram excluídas da prioridade do Governo Federal.

Porém, alguns lugares voltaram a vacinar o grupo. No dia 07 de junho de 2021, o Governo do estado de São Paulo emitiu uma nota incluindo as gestantes e puérperas sem comorbidades no programa de vacinação da Covid-19, com as mesmas vacinas. Importante ressaltar que não é necessário o obstetra redigir relatório autorizando a vacinação da paciente. A mesma necessita apenas de levar a carteira de pré-natal ou a certidão de nascimento do filho.

Quando vacinar, afinal?

É necessário que os médicos orientem suas pacientes de acordo com o calendário de vacinação local. Onde só há prioridade para grávidas e puérperas com comorbidades, elas devem levar o laudo que comprova a condição, além da carteira de pré-natal ou a certidão de nascimento do filho. Aquelas que não possuem comorbidades devem esperar o final da gestação e puerpério (45 dias após o parto) para realizar a imunização.

Leia também: Covid-19: recomendações para a trombocitopenia trombótica imune induzida pela vacina

Mulheres grávidas que já haviam tomado a primeira dose da vacina da AstraZeneca também devem aguardar 45 dias pós-parto para completar a imunização. Já aquelas que já receberam a primeira dose da Coronavac® ou da Cominarty®/Pfizer, devem receber a segunda dose normalmente.

Grávidas sem comorbidades, mas que pertencem a grupos prioritários (trabalhadores da saúde e educação, por exemplo), podem ser vacinadas após avaliação de risco x benefício pelo obstetra.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Existe relação entre os parâmetros do plaquetograma e a mortalidade por Covid-19?

Estudo foi realizado para avaliar uma possível relação entre mortalidade intra-hospitalar por Covid-19 e valores…

15 horas atrás

Whitebook: MCCP – Método clínico centrado na pessoa

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do  Whitebook Clinical Decision vamos falar um pouco…

19 horas atrás

Proposta de nomenclatura universal para insuficiência cardíaca (IC)

As definições da insuficiência cardíaca (IC) são extremamente heterogêneas, isso dificulta definir a doença para…

2 dias atrás

Miopatias em pacientes adultos com hipotireoidismo

Pacientes com hipotireoidismo mais grave ou não tratados têm maior probabilidade de desenvolver doença muscular…

2 dias atrás

Você ainda se lembra das manifestações oftalmológicas da Zika congênita? 

Em artigo publicado em maio de 2021, Ventura at al. relataram as manifestações oftalmológicas da…

2 dias atrás

Covid-19: gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina Astrazeneca

Algumas gestantes apresentaram desfechos desfavoráveis por eventos tromboembólicos após a vacinação com a vacina Astrazeneca/Oxford.

2 dias atrás