Oncologia

Vacinas e câncer de mama e ovário: o que precisamos saber

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Recentemente, foram divulgadas na mídia informações sobre uma vacina que pode interromper a recorrência de câncer de mama e ovário. Pesquisamos o assunto no clinicaltrials.gov, o maior site sobre pesquisa clínica do mundo, e encontramos cerca de 200 estudos finalizados ou em andamento cruzando “breast cancer” e “vaccines”; a maioria com um número mínimo de pacientes.

Estudos que de fato estão em andamento são cerca de 50, mas nenhum está em fase III, 14 estão na fase II e muitos ainda se encontram na fase I. Importante ressaltar que não há nenhuma vacina aprovada para o câncer de mama – ou em vias de ser aprovada.

MAIS DO AUTOR: ASCO 2019 – baixo teor de gordura na dieta reduz mortalidade por câncer de mama

Vacina e câncer de mama

Temos que aguardar os estudos. É “honesto” especular – mas um pouco futurista ainda – que em 8 anos possamos ter vacinas já aprovadas e comercializadas contra o câncer de mama triplo negativo ou HER2. Mas temos de ser responsáveis na divulgação das informações para não criar expectativas fora da realidade.

Está na mesma linha da “CART-Cell Therapy”, terapia celular inovadora apresentada semana passada para um caso de linfoma refratário. É muito bom que uma universidade brasileira tenha material humano para desenvolver essa linha de pesquisa tão sofisticada, e a um custo muito menor que os “bizarros” 478 mil dólares americanos da que foi aprovada pelo FDA, mas essa estratégia de tratamento requer muito mais testes, muita qualificação dos centros de tratamentos (UTIs, inclusive), maior número de pacientes não só em linfomas e leucemias refratários, mas quem sabe no futuro em tumores sólidos, como câncer de mama e tantos outros tipos. A história do paciente é fantástica, e esperamos que seja reproduzida em muitos outros casos.

Essa reportagens são importantes, mas acabam causando ansiedade e, por vezes, desespero em quem está muito doente (ou em quem tem um ente querido muito doente). Em vez de gerar uma boa expectativa para o futuro, gera tumulto e confusão no presente. Estamos de olho e esperançosos de que muitos avanços virão.

Informação (ou a desinformação) é um instrumento muito poderoso, temos que usar com muito cuidado.

Câncer de mama: novos tratamentos podem adiar a quimioterapia

Autor:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Gilberto Amorim

Posts recentes

Atividade física e Covid-19: a importância da reavaliação médica no retorno aos treinos

Nesse primeiro vídeo sobre atividade física e covid-19, o cardiologista Mateus Freitas comenta sobre a…

7 horas atrás

Novas evidências: Laser fracionado de CO2 para tratamento de atrofia vaginal

O laser fracionado de CO2 ganha cada vez mais credibilidade no tratamento de patologias urogenitais.…

8 horas atrás

Manejo da dispneia na emergência com uso de ultrassonografia point-of-care (POCUS)

A ultrassonografia POCUS pode ser utilizada como ferramenta diagnóstica e como guia da evolução da…

9 horas atrás

CHEST 2021: Fibrose pulmonar idiopática, neurointensivismo, DPOC e muito mais

O CHEST 2021, congresso do American College of Chest Physicians, trouxe diversas novidades e discussões…

10 horas atrás

Estudo mostra bebês prematuros extremos que sobrevivem ao parto também melhoram os desfechos de neurodesenvolvimento

Um estudo avaliou o neurodesenvolvimento e a incapacidade neurológica significativa aos dois anos em bebês…

11 horas atrás

Perfil metabólico nas mulheres em amamentação exclusiva após uma gestação com diabetes gestacional

A diabetes gestacional é uma doença de incidência variável no mundo, chegando a 17,8% das…

12 horas atrás