Vacinas que necessitam de doses de reforço para idosos

Algumas vacinas necessitam, além das doses para o esquema primário, da administração de doses de reforço de forma periódica. Veja quais são na geriatria.

Algumas vacinas necessitam, além das doses para o esquema primário, da administração de doses de reforço de forma periódica. Essa necessidade pode ser decorrente da queda de imunidade com o passar do tempo ou por alterações no agente etiológico – geralmente por mutações naturais – que impedem seu reconhecimento pelo sistema imune. 

Confira as principais vacinas com reforço

dT: o reforço com a dT está recomendado a cada 10 anos após a finalização do esquema primário com 3 doses para todos os indivíduos. Em casos de acidentes considerados de alto risco para tétano em pessoas com esquema primário completo, se a última dose tiver sido há mais de 5 anos, recomenda-se antecipação da administração da dose de reforço. 

dTpa: o PNI recomenda administração da dose de reforço com dTpa para profissionais de saúde, parteiras tradicionais e estagiários da saúde, seguindo o mesmo intervalo de 10 anos que a dT. Além disso, gestantes devem receber uma dose de dTpa a cada gestação, entre a 20ª semana de gestação e 45 dias após o parto. A SBIm recomenda também o reforço com dTpa em idosos, com reforço com 5 anos para os que são contactantes de lactentes. 

Influenza: devido ao elevado índice de mutações, a vacinação contra Influenza deve ser atualizada anualmente, de acordo com as cepas consideradas mais prováveis de serem as principais em circulação a cada sazonalidade. A vacina tetravalente, que contém 2 cepas de Influenza A e 2 cepas de Influenza B, está disponível somente na rede privada, estando aprovada a partir de 6 meses. 

A rede pública, por sua vez, disponibiliza a vacina trivalente, que contém 2 cepas de Influenza A e 1 cepa de Influenza B, para grupos prioritários determinados pelo Ministério da Saúde. Para o ano de 2024, esses grupos são: 

– Crianças entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias.
– Trabalhadores da saúde.
– Gestantes e puérperas.
– Idosos a partir de 60 anos de idade.
– Professores do ensino básico e superior.
– Povos indígenas.
– Pessoas em situação de rua.
– Profissionais das Forças de Segurança e Salvamento e das Forças Armadas.
– Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independente da idade, e pessoas com deficiência permanente.
– Caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário para passageiros urbanos e de longo curso.
– Trabalhadores portuários.
– População privada de liberdade, adolescentes de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas e funcionários do sistema de privação de liberdade. 

Covid-19: também devido a mutações e desenvolvimento de novas variantes, as vacinas contra Covid-19 podem necessitar de doses periódicas de reforço. A periodicidade e os grupos considerados prioritários são definidos de acordo com a situação epidemiológica. 

– Reforço semestral, após intervalo mínimo de 6 meses do recebimento da última dose: pessoas imunocomprometidas a partir de 5 anos de idade, gestantes, puérperas e pessoas com 60 anos de idade ou mais. 

– Reforço anual, após intervalo mínimo de 6 meses do recebimento da última dose: grupos prioritários a partir de 5 anos de idade, a saber, pessoas vivendo em instituições de longa permanência e seus trabalhadores, povos indígenas, populações ribeirinhas e quilombolas, trabalhadores de saúde, pessoas com deficiência permanente, pessoas com comorbidade, pessoas com ≥ 18 anos de idade privadas de liberdade e adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas, funcionários do sistema de privação de liberdade, e pessoas em situação de rua. 

Expectativas para o futuro 

Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza 32 vacinas, compreendendo as presentes no PNI e as disponibilizadas nos CRIE. Algumas outras vacinas, entretanto, podem ser incorporadas nos próximos anos. Dentre elas, destacam-se: 

Zalika: vacina contra Covid-19 recombinante monovalente que recebeu aprovação da Anvisa recentemente, podendo ser administrada a partir de 12 anos de idade. O esquema primário consiste em 2 doses, com 21 dias de intervalo. Uma dose de reforço é recomendada 6 meses após a imunização primária em indivíduos a partir de 18 anos. Estudos de fase 3 mostraram eficácia em adultos de 90,4% (estudo conduzido nos Estados Unidos e México) e de 89,7% (estudo conduzido no Reino Unido) para a prevenção da Covid-19. Na população de 12 a 17 anos, a eficácia foi de 79,5%. Dados em relação à eficácia da vacina após atualização de sua composição para a variante XBB15 serão reavaliados para se determinar se a relação risco-benefício permanece favorável. 

Butantan-DV: vacina atenuada, tetravalente, contra a dengue que está em desenvolvimento pelo Instituto Butantan. Os resultados iniciais mostraram eficácia de 79,6% com administração de uma única dose. O estudo de fase 3, que incluiu 16.235 indivíduos entre 2 e 59 anos de idade em diferentes localidades do Brasil, segue em andamento. 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo

Especialidades