Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Veja as novas recomendações da ACOG para prevenção da macrossomia fetal

Veja as novas recomendações da ACOG para prevenção da macrossomia fetal

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A macrossomia fetal é definida como peso ao nascer entre 4.000 e 4.500 g, é frequentemente encontrada na prática obstétrica, sendo considerada um fator de risco para algumas complicações, como distocia de ombro, trauma durante o parto e lesões no recém-nascido. Este mês, o Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia (ACOG) publicou uma recente revisão da literatura com atualizações para a prevenção dessa condição.

Macrossomia fetal

As recomendações feitas pela ACOG, foram realizadas de acordo com três níveis de consistência de evidência cientifica; sendo o nível A considerado recomendações baseadas em boas evidências científicas, o nível B evidências limitadas ou inconsistentes e o nível C baseada em consenso e opinião de especialistas.

Principais recomendações

Nível A:

  • Diferente do que frequentemente pensado, a estimativa do peso fetal ao nascer não é mais precisa quando realizada através de biometria fetal e ultrassonografia quando comparado com a avaliação abdominal;
  • Gestantes que não possuam contraindicação deve ser estimuladas a praticar exercícios aeróbicos e de condicionamento físico, visando reduzir o risco de macrossomia fetal;
  • Outra estratégia também recomendada com esse intuito é o controle do nível glicêmico materno em mulheres que apresentem diabetes como complicação.

Todavia, de acordo com recomendações nível B o ultrassom pode ser usado como ferramenta eficaz para descartar a macrossomia, podendo contribuir para diminuição da morbidade fetal. Outra medida que deve ser recomendada é o aconselhamento pré-gestacional de mulheres com obesidade mórbida quanto aos risco e benefícios da gastroplastia em relação ao risco de macrossomia.

Mais da autora: Transferir mais de um embrião aumenta a chance de gravidez?

Recomendações nível C sugerem que, apesar da previsão de macrossomia ser imprecisa, a cesariana eletiva pode ser benéfica em fetos com peso estimado de 5.000 g em mulheres sem diabetes e 4.500 g em diabéticas. Deve ser realizado o aconselhamento individualizado quanto aos risco e benefícios do parto vaginal, bem como da cesariana – devendo ser levado em consideração o passado obstétrico da paciente, visto que a macrossomia não é considerada uma contraindicação absoluta ao trabalho de parto.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • American College of Obstetricians and Gynecologists’Committee on Practice Bulletins—Obstetrics in collaboration with William H. Barth Jr and Rebecca Jackson. ACOG Practice Bulletins Summary: Clinical Management Guidelines for Obstetrician–Gynecologists – Macrosomia. N 216.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.