Página Principal > Neurologia > Veja os principais pontos das novas diretrizes para reversão dos anticoagulantes na hemorragia cerebral
raio x de um cerebro com sangramento

Veja os principais pontos das novas diretrizes para reversão dos anticoagulantes na hemorragia cerebral

As sociedades americanas Neurocritical CareCritical Care Medicine publicaram novas diretrizes para a reversão dos anticoagulantes em pacientes com hemorragia cerebral. Separamos aqui os principais pontos para você ficar atualizado!

  • Os antagonistas da vitamina K devem ser revertidos. A dosagem sugerida é de 10 mg de vitamina K por via intravenosa, a ser repetida se a proporção normalizada internacional (INR) permanecer acima de 1,4 em 24 a 48 horas.
  • Para doentes com INR > 1,4, recomenda-se a administração de concentrado de complexo protrombínico fatores III ou IV (PCC) com o uso de plasma fresco congelado.
  • Se o evento ocorrer dentro de 3 a 5 meias-vidas da administração do fármaco, os inibidores orais do fator Xa direto devem ser revertidos com PCC fator IV e dabigatrana deve ser invertido com idarucizumabe se estiver disponível (se não disponível, PCC deve ser usado).

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

  • Os doentes que receberam heparina intravenosa terapêutica devem ser tratados com protamina intravenosa a 1 mg por cada 100 unidades de heparina administradas nas últimas 2 a 3 horas (dose máxima, 50 mg). A protamina também é recomendada para hemorragia cerebral se os pacientes receberem heparina de baixo peso molecular.
  • O crioprecipitado deve ser administrado a pacientes que receberam trombolíticos.
  • As transfusões de plaquetas não são recomendadas para pacientes que tomam agentes antiplaquetários, a menos que sejam necessários procedimentos neurocirúrgicos.

Referências:

  • Frontera JA et al. Guideline for reversal of antithrombotics in intracranial hemorrhage: Executive summary. A statement for healthcare professionals from the Neurocritical Care Society and the Society of Critical Care Medicine. Crit Care Med 2016 Dec; 44:2251. (https://dx.doi.org/10.1097/CCM.0000000000002057)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.