Página Principal > Cardiologia > Você conhece a Síndrome do Coração Pós-Feriado?
arritmia coração pós-feriado

Você conhece a Síndrome do Coração Pós-Feriado?

Tempo de leitura: 1 minuto.

A “síndrome do coração pós-feriado” (HHS) é uma entidade clínica que pode se manifestar em indivíduos saudáveis e sem história de cardiopatia, em que temos arritmia cardíaca, geralmente fibrilação atrial, porém também podendo ocorrer  taquicardia atrial paroxística, flutter atrial, extrassístoles ventriculares e após o consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

Existe também um maior risco de morte súbita cardíaca, com o abuso de álcool, aumentando com a quantidade consumida, independentemente se há ou não doença cardíaca de base.

O termo foi cunhado em 1978 para descrever a ocorrência de uma perturbação aguda do ritmo cardíaco em pessoas aparentemente saudáveis , após um episódio de consumo pesado de álcool, ou seja, “binge drinking”. A alteração cardíaca tende a desaparecer com a abstinência alcoólica, não deixando doença cardíaca residual. A particularidade da entidade clínica é de ser mais frequente após finais de semana ou feriados como Natal, ano novo, e carnaval, momentos em que o aumento da ingestão de álcool é comum.

Leia maisComo solicitar o exame adequado para pesquisa de arritmias cardíacas?

A ingestão alcoólica aguda age no sistema de condução cardíaco, retardando a condução, o que facilita a reentrada, que é um dos principais mecanismos subjacentes ao desenvolvimento de arritmias cardíacas. Outros mecanismos envolvidos são o encurtamento do período refratário e o aumento da atividade simpática.

Portanto, nesse carnaval, aproveite, curta, cante, dance, mas controle o consumo de álcool, em especial se já houver doença cardíaca de base ou evento arrítmico prévio.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • TONELO, David et al. Síndrome do Coração Pós-Feriado Revisto após 34 Anos Holiday Heart Syndrome Revisited after 34 Years. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. DOI: 10.5935/abc.20130153

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.