Você conhece o modelo FINGER para prevenção da demência?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Um estudo Finlandês de Intervenção Geriátrica para Prevenir Comprometimento Cognitivo e Incapacidade (FINGER), que envolveu exercício físico, nutrição, estimulação cognitiva e automonitoramento da saúde do coração, sugeriu a possibilidade de prevenir o declínio cognitivo (demência) usando uma intervenção de múltiplos domínios entre indivíduos mais velhos que estavam em risco. O estudo foi realizado em 2015 e, desde então, o modelo FINGER começou a ser adaptado e implementado no mundo inteiro para prevenção da demência.

Leia também: O controle mais rigoroso da pressão arterial reduz o risco de demência?

Estilo de vida contra a demência

Em 2015, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um relatório, denominado “Promoção do Envelhecimento Saudável”, em que se orienta a adoção de um estilo de vida saudável para a manutenção da autonomia e da independência no decorrer dos anos de vida. Esse estilo de vida seria fundamental para a melhoria da qualidade de vida e a prevenção de doenças, como as neurodegenerativas, conhecidas como demências.

A hipótese de que cerca de um terço dos casos de demência podem ser evitados ou retardados já foi corroborada por pesquisas publicadas na The Lancet Commission on Dementia Prevention, Intervention and Care, também divulgadas na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC). Os resultados sugeriram que, ao atingir esses fatores de risco com intervenções de saúde pública, a prevalência da doença poderia ser substancialmente reduzida.

Reconhecimento do FINGER

As recomendações de um relatório da National Academies of Sciences, Engineering and Medicine, encomendadas pelo US National Institute on Aging (NIA), intitulado Preventing Cognitive Decline and Dementia: A Way Forward, reconhece que as descobertas mais promissoras a esse respeito vieram do estudo finlandês Finnish Geriatric Intervention Study to Prevent Cognitive Impairment and Disability (FINGER), um dos vários ensaios da European Dementia Prevention Initiative.

No estudo FINGER, mais de 1.200 participantes (60-77 anos) foram distribuídos aleatoriamente para receber uma intervenção multimodal (treinamento cognitivo, exercício físico, dieta e monitoramento do risco vascular) ou conselhos gerais de saúde. Esses participantes foram considerados de alto risco para demência (avaliados pelo uso de uma pontuação baseada na idade, sexo, escolaridade e outros fatores de risco) e seus desempenhos cognitivos foram iguais ou ligeiramente inferiores ao nível médio esperado para a idade. A intervenção foi viável e segura, e teve resultados positivos para o seu desfecho primário; um efeito pequeno, mas benéfico, na função cognitiva foi detectado após dois anos no grupo que recebeu a intervenção multimodal intensiva.

Saiba mais: Anticolinérgicos estão associados a maior risco de demência?

Outros estudos

Nesta mesma linha de pesquisa, diversos estudos epidemiológicos que mostraram benefício de boa dieta, atividade física e controle de fatores de risco cardiovasculares visando a proposta de retardar o declínio cognitivo foram testadas. De acordo com as recomendações do relatório da NIA e da The Lancet Commission, a intervenção no estilo de vida do FINGER agora será adaptada e testada em vários outros países para prevenção da demência, incluindo China, Cingapura, EUA e Reino Unido:

  • América do Norte: estudo americano da Associação de Alzheimer para proteger a saúde do cérebro por meio da intervenção no estilo de vida para reduzir o risco (US POINTER);
  • Ásia: estudo de intervenção em Cingapura para prevenir comprometimento cognitivo e incapacidade (SINGER);
  • China: intervenções multimodais para retardar a demência e a incapacidade na China rural (MIND-CHINA);
  • Austrália: julgamento de Manter o Cérebro (MYB);
  • Europa: julgamento Preventivo Multimodal para a Doença de Alzheimer (MIND-AD).

Ao harmonizar a metodologia e compartilhar dados, a rede World Wide FINGERS pode gerar evidências sólidas sobre a eficácia das intervenções combinadas em diferentes contextos e populações. Em alguns anos, a evidência deve estar disponível para orientar as políticas de saúde pública, diminuindo, assim, o enorme fardo causado pela demência e reduzindo seus custos para os sistemas de saúde em todo o mundo. Vamos aguardar.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Editorial. Pointing the way to primary prevention of dementia. The Lancet Neurology. 2017 Set;16(9):677. doi: https://doi.org/10.1016/S1474-4422(17)30256-9
  • Ngandu T, Lehtisalo J, Solomon A, et al. Uma intervenção de dois anos de domínio múltiplo de dieta, exercício, treinamento cognitivo e monitoramento de risco vascular versus controle para evitar o declínio cognitivo em idosos em risco (DEDO).  Lancet . 2015;385(9984):2255-2263. doi: 1016/S0140-6736 (15) 60461-5
  • Marengoni A, et al. A 2 year multidomain intervention of diet, exercise, cognitive training, and vascular risk monitoring versus control to prevent cognitive decline in at-risk elderly people (FINGER): a randomised controlled trial. Journal of the American Medical Directors Association. 2018;19.4:355-360. (versão de seguimento após a primeira publicação). Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140673615604615
Relacionados