Leia mais:
Leia mais:
Avaliação da fase pré-analítica do exame de urina de rotina
Universidade brasileira desenvolve novo tipo de exame de próstata
Novo exame identifica mais de 280 doenças raras em bebês

Você interpreta adequadamente os achados de esterase leucocitária e nitrito positivos no exame do trato urinário?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Sintomas relacionados ao trato urinário, como disúria, polaciúria e poliúria, são queixas frequentes no pronto-socorro, sendo que as infecções do trato urinário são diagnósticos essencialmente clínicos, mas que podem necessitar de avaliação complementar através de exames laboratoriais e imaginológicos para determiná-los.

Nesse cenário, o uso da análise qualitativa da urina com o uso de fita reagente (do inglês, dipstick), é estratégia consagrada devido ao seu baixo custo e facilidade de realização, além de possuir sensibilidade e especificidade semelhantes à urinálise microscópica. Mesmo assim, podemos ser vítimas de certos confundidores no momento de interpretar o exame, principalmente em relação à inferência dos significados dos achados de esterase leucocitária ou nitrito positivos.

Profissionais discutem caso de paciente com infecção do trato urinário

Como funciona o exame do trato urinário

A fita reagente consiste em uma haste plástica impregnada com reagentes químicos que permitem a determinação do pH, densidade e pesquisa de elementos anormais na urina. Uma reação de cor ocorre quando as áreas de química seca entram em contato com a urina, sendo que um gabarito de cores que acompanha a fita reagente permite a interpretação dos resultados.

O achado de esterase leucocitária, enzima liberada pelos leucócitos, reflete o achado de piúria que, associado à apresentação clínica clássica, apresenta sensibilidade de 75-96% e especificidade de 94-98% para o diagnóstico de infecção do trato urinário. Resultados falso-positivos ocorrem com amostras contaminadas, infecção por Trichomonas e drogas ou alimentos que deixem a urina vermelha. Resultados falso-negativos ocorrem com terapia antimicrobiana recente, glicosúria, proteinúria, densidade urinária elevada e baixa contagem de bactérias.

Já a ocorrência de nitritos na urina indica a presença de Enterobacteriaceae (grupo heterogêneo que abrange bacilos Gram negativos, como Klebsiella pneumoniae e Escherichia coli), que tem a capacidade de converter os nitratos presentes na urina em nitritos. A presença de nitrito na urina é altamente específica (95%), mas não sensível (35-85%), para o diagnóstico de infecção do trato urinário [ou seja: sua presença quase confirma o diagnóstico de infecção do trato urinário, mas sua ausência não o exclui]. Um exemplo da baixa sensibilidade da presença de nitritos na urina é que infecções por Staphylococcus saprophyticus e Enterococcus spp. não reduzem o nitrato a nitrito. Entretanto, a química seca da fita reagente que identifica a presença de nitrito é sensível ao ar, o que pode levar a resultados falso-positivos após uma semana de acondicionamento inadequado

A combinação de esterase leucocitária e nitrito positivos apresentam uma sensibilidade de 75-90%  e especificidade de quase 100% para o diagnóstico de infecção do trato urinário.

Lembrando que: uma apresentação clínica fortemente sugestiva de infecção do trato urinário, apesar de esterase leucocitária e nitrito negativos, deverá ser tratada com antibioticoterapia, com raras exceções; do mesmo modo, um paciente assintomático que apresente estes dois achados positivos na urina pode não necessitar de nenhuma conduta adicional.

Referências bibliográficas:

  1. European urinalysis guidelines. European confederatin of Laboratory Medicine. European urinalysis group. Scand J Clin Lab Invest, 2000;60:1-96.
  2. Jameson JL, Kasper DL, Longo DL, Fauci AS, Hauser SL, Loscalzo J. Medicina interna de Harrison. 20 ed – Porto Alegre: AMCH, 2020.
  3. Long B, Koyfman A. The Emergency Department Diagnosis and Management of Urinary Tract Infection. Emerg Med Clin North Am, 2018 Nov;36(4):685-710.
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.