Página Principal > Colunistas > Você sabe reconhecer e tratar a hiperglicemia hospitalar?

Você sabe reconhecer e tratar a hiperglicemia hospitalar?

Diagnóstico de Hiperglicemia Hospitalar:

A hiperglicemia hospitalar (HH) é definida como a elevação da glicemia maior que 140 mg/dL em ambiente intra-hospitalar. Várias situações estão incluídas neste diagnóstico:

  • Pacientes com diabetes mellitus (DM) prévio que apresentam descompensação glicêmica no momento da internação
  • Pacientes que não sabiam ter DM e fazem o diagnóstico no momento da internação, e
  • Pacientes sabidamente normoglicêmicos, que apresentam hiperglicemia na internação.

É recomendável realizar glicemia capilar em todos os pacientes que são internados, independente de ter o diagnóstico prévio ou não de DM.

O diagnóstico e tratamento da HH são de suma importância para diminuição de morbidade, de complicações pós-operatórias, de tempo de internação, de necessidade de internação em UTI, e até de mortalidade intra-hospitalar. Desta forma é importante o reconhecimento precoce da hiperglicemia hospitalar e o seu tratamento correto.

Um ponto importante a se considerar na internação de um paciente com HH é a solicitação do exame de hemoglobina glicada (HbA1c) logo no início da internação.  O exame de HbA1c pode nos auxiliar na definição do de DM prévio à internação. Um exame de HbA1c maior ou igual a 6,5% define o diagnóstico de diabetes mellitus.  A HbA1c também pode nos ajudar a adequar o tratamento do paciente na alta hospitalar. Quanto maior a HbA1c do paciente, mais agressivo  é o tratamento do DM na a alta hospitalar.

Veja também: ‘Manejo da hiperglicemia na emergência em pacientes com diabetes tipo 2’

Tratamento da Hiperglicemia Hospitalar:

Uma vez que é identificada a hiperglicemia hospitalar o tratamento de preferência é a insulinoterapia. O tratamento recomendado em enfermarias é a insulinoterapia, por via subcutânea, através dos esquemas basal-bôlus (uso de insulina basal e de insulina rápida ou ultrarrápida em bôlus antes das refeições) ou basal plus (insulina basal e correção, conforme glicemia capilar).

Embora o esquema mais utilizado seja o de escalonamento de doses de insulina, conforme a glicemia capilar (em inglês sliding scale insulin), o seu uso é fortemente desencorajado e criticado, como padrão em ambiente hospitalar.

Apesar dos muitos estudos apresentarem evidências sólidas dos benefícios do controle glicêmico hospitalar, o controle glicêmico ainda permanece deficiente e negligenciado nos hospitais. Muitos médicos focam no tratamento específico da causa principal da hospitalização, mas negligenciam o controle glicêmico. Muitos médicos consideram complexo o cálculo de dose de insulina ou temem episódios de hipoglicemia e, por consequência, deixam de prescrever ou utilizam doses ou tipos inadequados de insulina.  Um estudo multicêntrico brasileiro mostrou que menos de um terço dos pacientes com DM recebiam insulinoterapia hospitalar adequada.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

INSULINAPP: Aplicativo para o tratamento da Hiperglicemia Hospitalar

O InsulinAPP é um aplicativo brasileiro que foi desenvolvido por médicos endocrinologistas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP para o controle da hiperglicemia hospitalar.

O InsulinAPP é um aplicativo inovador que auxilia todos os médicos generalistas e especialistas na prescrição hospitalar de insulina e no manejo do controle glicêmico do paciente internado, desde a admissão hospitalar até a alta hospitalar, com ajuste de doses de insulina nas evoluções médicas durante a hospitalização. Suas condutas são baseadas em recomendações dos principais consensos, diretrizes e estudos médicos direcionados ao controle glicêmico hospitalar.

O  InsulinAPP  está  disponível  gratuitamente  para  smartphones  com  sistemas iOS (iPhone, iPad) e Android, além da versão web para desktops. Para acesso ao Facebook, clique aqui.

Autor:

 

Referência:

  • Toyoshima MT, de Souza AB, Admoni SN, et al. New digital tool to facilitate subcutaneous insulin therapy orders: an inpatient insulin dose calculator. Diabetol Metab Syndr. 2015 Dec 21;7:114.
  • American Diabetes Association. Diabetes Care in the Hospital. Diabetes Care 2017 Jan; 40(Supplement 1): S120-S127. https://doi.org/10.2337/dc17-S017.
  • Umpierrez GE, Hellman R, Korytkowski MT, et al. Management of hyperglycemia in hospitalized patients in 166 non-critical care setting: an endocrine society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 167 2012;97(1):16-38.
  • Umpierrez GE, Isaacs SD, Bazargan N, et al. Hyperglycemia: an 137 independent marker of in-hospital mortality in patients with undiagnosed diabetes. J Clin 138 Endocrinol Metab. 2002;87:978–982.
  •  Umpierrez GE, Smiley D, Zisman A, et al. Randomized study of basal-bolus insulin therapy in the inpatient management of patients with type 2 diabetes (RABBIT 2 trial). Diabetes Care. 2007 Sep;30(9):2181-6.
  • Umpierrez GE, Smiley D, Jacobs S, et al. Randomized study of basal-bolus insulin therapy in the inpatient management of patients with type 2 diabetes undergoing general surgery (RABBIT 2 surgery). Diabetes Care. 2011 Feb;34(2):256-61.
  • Umpierrez GE, Smiley D, Hermayer K, et al. 170 Randomized study comparing a Basal-bolus with a basal plus correction insulin regimen for the 171 hospital management of medical and surgical patients with type 2 diabetes: basal plus trial. 172 Diabetes Care. 2013 Aug;36(8):2169-74.
  • Umpierrez GE, Reyes D, Smiley D, et al. Hospital discharge algorithm based on admission HbA1c for the management of patients with type 2 diabetes. Diabetes Care. 2014;37(11):2934-9.
  • Umpierrez GE, Hellman R, Korytkowski MT, et al; Endocrine Society. Management of hyperglycemia in hospitalized patients in non-critical care setting: an endocrine society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2012;97(1):16-38.
  • Moreira ED Jr, Silveira PC, Neves RC, et al; Brazilian Diabetes 142 Investigators’ Group. Glycemic control and diabetes management in hospitalized patients in Brazil. 143 Diabetol Metab Syndr. 2013;5(1):62.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.