Pediatria

WCPGHAN 2021: pancreatite aguda na pediatria em tempos de Covid-19

Tempo de leitura: 2 min.

A compreensão sobre a infecção pelo SARS-CoV-2, vírus responsável pela Covid-19, tem se tornado cada vez mais clara, apesar do surgimento contínuo de novas informações e publicações sobre o tema. Já é claro, por exemplo, que há a presença de receptores ECA-2 (receptor da enzima conversora de angiotensina-2), no epitélio respiratório, trato gastrointestinal (TGI) e também nos tecidos pancreáticos.

Fernanda Monge Urrea et al. apresentaram um trabalho no 6th World Congress of Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition 2021 (WCPGHAN 2021), que trouxe uma reflexão sobre a incidência de pancreatite aguda (PA) em pacientes pediátricos durante a pandemia da Covid-19, uma experiência de um serviço mexicano de referência.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Pancreatite e Covid-19

Foi realizada uma análise retrospectiva dos casos de pacientes com idades entre 0 e 18 anos, internados e diagnosticados com PA, utilizando o critério INSPIRRE (INternational Study Group of Pediatric Pancreatitis: In search for a cuRE), entre janeiro de 2014 e dezembro de 2020.

O resultados obtidos foram:

  • Um total de 57 pacientes foi diagnosticado com PA nesse período;
  • Desses pacientes, 21 (37%) foram diagnosticados em 2020;
  • A mediana de idade foi de 145 meses (cerca de 12 anos de idade);
  • Entre 2014-2019: predomínio de obstrução biliar como etiologia;
  • Em 2020: a causa idiopática passa a predominar como etiologia da PA;
  • Dos 21 pacientes com diagnóstico de PA em 2020, apenas 4 realizaram teste de PCR para Covid-19, sendo dois positivos (50%), e dois pacientes realizaram testes de sorologia para Covid-19, sendo todos negativos (100%).

Discussão e conclusão

Em 2020, esse grupo mexicano de pesquisadores, identificaram o crescente número de etiologia idiopática como causa da PA. Um ponto importante de discussão é que, infelizmente, não foi possível testar todos os pacientes com sorologia e/ou PCR para Covid-19, ficando esses pacientes com o diagnóstico de causa não definida.

O trabalho também fomenta a discussão da importância de se realizar o teste para Covid-19 em pacientes com sintomas do TGI mesmo na ausência de sintomas respiratórios, devido à múltipla ação do SARS-CoV-2 nos diversos sistemas.

Veja mais do WCPGHAN 2021:

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Jôbert Neves

Posts recentes

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

11 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

12 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

13 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

14 horas atrás

Dor no ombro após cirurgia de vesícula: foi a posição?

A dor no ombro é uma queixa bastante frequente após a cirurgia laparoscópica. Foi estudada…

15 horas atrás

Micofenolato de mofetila no manejo inicial da púrpura trombocitopênica imune

Púrpura trombocitopênica imune é uma condição autoimune que autoanticorpos antiplaquetários promovem a destruição das plaquetas…

16 horas atrás