Neurologia

Whitebook: cefaleias primárias

Tempo de leitura: 3 min.

Essa semana publicamos uma matéria sobre diagnóstico e tratamento em 10 etapas da enxaqueca. Assim, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos falar um pouco sobre cefaleias primárias.

Baixe agora gratuitamente o Whitebook e tenha tudo sobre todas as condutas médicas, na palma da mão!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Cefaleias primárias

Anamnese

É fundamental caracterizar a dor por: tipo, localização, início, intensidade, tempo de ascensão, duração, frequência das crises, irradiação, fatores desencadeantes, de exacerbação e de alívio.

Sintomas associados (náuseas, vômitos, principalmente febre, rebaixamento do nível de consciência, perda de força muscular, disartria e outros); premonitórios; aura; trauma recente; uso de medicamentos; comorbidade; fatores ambientais relacionados; relação com período menstrual e/ou gestação; antecedentes pessoais e familiares; e impacto na qualidade de vida.

Cefaleia Tensional (CT)

Quadro clínico: Basicamente, existem três tipos de CT: a episódica infrequente, em que os ataques ocorrem < 1 dia por mês; a episódica frequente, em que as crises se manifestam de 1-14 dias por mês; e a CT crônica com dores de cabeça ocorrendo > 14 dias por mês.

Principais características clínicas:

  • A maioria das crises se inicia no período da manhã e a progressão ao longo do dia é comum;
  • Início noturno deve fomentar investigação adicional;
  • O gatilho mais comum para a dor é estresse físico ou mental, além de desidratação, alteração dos padrões normais de sono, abstinência de cafeína e flutuações hormonais;
  • A CT pode coexistir com a migrânea com aura, com o paciente apresentando tipos distintos de crise.

Migrânea (Enxaqueca)

Quadro clínico:

  • Sintomas premonitórios: Sintomas que ocorrem cerca de 24-48 horas das crises: bocejos, euforia, depressão, irritabilidade, constipação, fissuras alimentares e rigidez de nuca;
  • Aura: Cerca de 25% dos migranosos apresentam aura, que pode ocorrer antes ou durante a dor. Os sintomas podem ser positivos — visuais (escotomas cintilantes, objetos geográficos), auditivos (zumbido, músicas) e somatossensitivos (queimação, parestesia) — ou negativos (perda da visão, audição ou da força em determinada região do corpo);
  • Cefaleia: Normalmente unilateral, característica latejante, associada a foto, fono ou osmofobia. O quadro álgico geralmente é acompanhado de náusea e vômitos;
  • Pósdromo: Após a resolução da dor, o paciente sente-se cansado, e movimentações súbitas podem retornar a dor. É normal a pessoa se sentir exausta nessa fase.

Quer se atualizar sobre Enxaqueca: uso de anticorpos monoclonais? Clique em:

Fatores desencadeantes:

  • Estresse emocional;
  • Chocolate;
  • Hormônios (estrogênio);
  • Menstruação;
  • Nitratos;
  • Vinho;
  • Aspartame;
  • Privação de sono.

Complicações:

  • Status migranoso: crise com duração de mais de 72 horas;
  • Aura persistente sem infarto é definida por sintomas de aura que persistem ≥ 1 semana, sem evidência de infarto em neuroimagem;
  • O infarto-enxaqueca é definido por uma crise de enxaqueca, ocorrendo em um paciente com enxaqueca com aura, na qual um ou mais sintomas de aura persistem por mais de 1 hora e a neuroimagem evidencia um infarto em uma área cerebral relevante;
  • Convulsão desencadeada por aura de enxaqueca é uma convulsão desencadeada por uma crise de enxaqueca com aura.

Exame Físico

No exame cefaliátrico, é importante a inspeção estática e dinâmica da cabeça e região cervical, além da palpação (e percussão) dos ossos (frontal, maxilar e mandibular) articulação temporomandibular, músculos da cabeça e pescoço, nervos periféricos, artérias (carótida comum e temporal) e globo ocular. Ausculta das artérias carótidas com a campânula do estetoscópio.

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.
Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

Transtorno do pânico: qual a diferença do ataque de pânico?

Neste episódio, a Dra. Paula Hartmann vai falar sobre transtorno do pânico. Entenda os fatores…

11 horas atrás

Xantelasma: Diagnóstico e tratamento

O xantelasma é uma placa de gordura, amarelada que ocorre mais comumente no canto interno da pálpebra.…

11 horas atrás

Síndrome do piriforme: o que é e qual o seu tratamento?

A síndrome do piriforme é uma condição decorrente da compressão do nervo ciático pelo músculo…

12 horas atrás

Urina de 24 horas: como orientar a coleta?

Embora a coleta/conservação de urina seja simples, ela costuma gerar muitas dúvidas nos pacientes e até…

13 horas atrás

Enfermeiros dos EUA são mais propensos a ter pensamentos suicidas do que outros trabalhadores da área de saúde

Os pesquisadores descobriram que o Burnout estava fortemente associado à pensamentos suicidas entre os enfermeiros.…

15 horas atrás

Assistência manual intermitente da respiração versus pressão suporte durante o processo de extubação

Não só a intubação orotraqueal mas o processo da extubação é um dos maiores desafios…

16 horas atrás