Whitebook: como identificar a tricomoníase?

Tempo de leitura: 1 min.

Esta semana, falamos no Portal PEBMED sobre a tricomoníase. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre a anamnese e o exame físico dessa infecção.

Veja mais sobre esta e outras condutas médicas no Whitebook! Baixe grátis!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Apresentação Clínica

Anamnese

Nas mulheres, a tricomoníase varia de uma doença inflamatória aguda e grave a um estado de portador assintomático (30% dos casos).
Sinais e sintomas: Secreção vaginal purulenta, amarelo-esverdeado (por vezes acizentado), bolhosa e espumosa, fétida, associada à sensação de queimação genital, ardor, prurido, disúria, urgência miccional, dor em baixo ventre, dispareunia e sangramento pós-coito. No entanto, somente 11 a 17% apresentam sintomas típicos. Os sintomas podem ser piores durante o período menstrual. Na infecção crônica, os sinais e sintomas são mais leves e podem incluir prurido e dispareunia, com secreção vaginal escassa. Cerca de 80% das mulheres infectadas são assintomáticas.

Exame Físico

Geralmente, se observam hiperemia dos genitais externos e presença de corrimento exteriorizando-se pela fenda vulvar. Ao exame especular, observa-se corrimento vaginal de coloração amarelada ou amarelo-esverdeada, por vezes acompanhado de pequenas bolhas. Paredes vaginais e ectocérvice hiperemiadas, observando-se, ocasionalmente, o “colo uterino com aspecto de morango” (colpitis macularis). O pH vaginal acima de 4,5 e o teste das aminas (whiff test) pode ser positivo devido à presença de germes anaeróbios.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.
Compartilhar
Publicado por
Clara Bittencourt

Posts recentes

Como abordar a queda abrupta de saturação em paciente intubado?

Pacientes intubados podem apresentar pioras na saturação periférica de oxigênio, cuja abordagem deve ser rápida…

27 minutos atrás

STRIDE II: o que há de novo nos alvos terapêuticos das doenças inflamatórias intestinais?

A IOIBD publicou, recentemente, uma atualização dos alvos terapêuticos das doenças inflamatórias intestinais. Saiba mais.

1 hora atrás

Vacina HPV: câncer cervical diminui incidência, mas outros cânceres induzidos aumentam

Apesar das regressões de cânceres cervicais, o aumento de neoplasias de outros sítios também relacionadas…

2 horas atrás

Medidas de proteção contra Covid-19 podem alterar a incidência de outras doenças

Com o início da pandemia de Covid-19, várias medidas de proteção têm sido estabelecidas com…

3 horas atrás

Como a vacina da Pfizer contra Covid-19 se comporta em pacientes com doenças reumáticas?

Diversas vacinas têm sido utilizadas no combate à pandemia da Covid-19, dentre elas, a vacina…

5 horas atrás

Médicos e pacientes devem notificar efeitos adversos das vacinas para a Anvisa

Médicos e pacientes devem notificar os efeitos adversos das vacinas no portal da Agência Nacional…

6 horas atrás