Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Emergências / Whitebook: Como identificar fístulas liquóricas nasais?
médico avaliando tomografia de fístula liquórica nasal

Whitebook: Como identificar fístulas liquóricas nasais?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Na última semana, falamos no Portal PEBMED sobre um caso de fístula liquórica após teste de swab nasal. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre a apresentação clínica e o diagnóstico desse tipo fístula nasal.

Veja mais sobre esta e outras condutas médicas no Whitebook! Baixe grátis!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Definição: A fístula liquórica nasal (FLN) ocorre quando há comunicação entre o espaço subaracnóideo e as cavidades nasais ou com os seios da face, permitindo a saída de líquor pelas narinas. A comunicação do espaço subaracnóideo e o meio externo aumenta o risco de meningite, requerendo diagnóstico e tratamento precoces.

Etiologia: 

    A fístula liquórica nasal pode ser classificada em traumática, iatrogênica, espontânea e congênita.

  • FLN traumática: os traumas penetrantes e fechados do crânio juntos são responsáveis por cerca de 90% dos casos de FLN. Podem ser classificadas em imediatas (até 48 horas do trauma) e tardias;
  • FLN iatrogênica: apenas 50% dos pacientes apresentam rinoliquorreia nos primeiros 7 dias após a lesão. A fístula pode ocorrer após cirurgias de septoplastia, cirurgias funcionais dos seios da face e acessos transnasais à base do crânio. Nos pacientes submetidos à cirurgia endoscópica dos seios da face, o local onde ocorre a maior parte das iatrogenias é a lamela lateral da placa cribriforme;
  • FLN congênita: defeitos no fechamento do neuroporo anterior podem resultar na herniação do tecido nervoso através da fossa craniana anterior. Meningoencefaloceles geralmente estão presentes na infância como uma massa intranasal/extranasal que se expande com o choro;
  • FLN espontânea: geralmente acomete mulheres, próxima à quarta década de vida e com IMC elevado. Pode estar associado à hipertensão intracraniana de origem idiopática.

Apresentação Clínica

Anamnese

Quadro clínico: O quadro clássico envolve relato de rinorreia unilateral com aspecto de água de rocha, que pode piorar ao abaixar a cabeça. Também podem ocorrer cefaleias e gosto metálico devido ao gotejamento posterior do líquor. Sempre investigar a história de traumas e cirurgias prévias.
Fatores de risco: IMC elevado; traumatismo craniano; septoplastia; e cirurgia endoscópica dos seios da face.

Exame Físico

  • A rinoliquorréia pode ser evidente já na inspeção nasal e pode ser precipitada ao pedir ao paciente que abaixe a cabeça;
  • A rinoscopia anterior pode revelar quadros tumorais ou meningoceles volumosas;
  • Realizar otoscopia cuidadosa para afastar otoliquorreia (o líquor pode chegar às fossas nasais via tuba auditiva);
  • Nos pacientes com suspeita de hipertensão intracraniana a avaliação do oftalmologista para a pesquisa de papiledema pode ser útil.

Abordagem Diagnóstica

  • Endoscopia nasal: permite avaliar a presença de massas nasais e em alguns casos o local exato da fístula liquórica;
  • Teste com a glicofita no líquido nasal: o método perdeu valor nos últimos anos devido às elevadas taxas de resultados falso-positivos e falso-negativos;
  • Dosagem de Beta2-transferrina: apresenta boa sensibilidade e especificidade para a pesquisa de FLN. Atualmente é o teste de laboratório indicado;
  • TC de seios da face: método de imagem que permite avaliar os defeitos ósseos da base do crânio, seja por trauma ou iatrogenias. Também sugere a presença de tumores e meningoceles.
  • TC cisternografia: realizado após a injeção de contraste intratecal. Em pacientes com fístulas ativas, o exame é preciso em demonstrar a localização, podendo não ser capaz de identificar fístulas com drenagem intermitente. É um exame invasivo e pouco utilizado.
  • RNM de seios da face: não é o primeiro exame de escolha nos casos de FLN, a menos que haja suspeita de meningocele ou meningoencefalocele. Delimita mal os limites e defeitos ósseos, não sendo o exame apropriado para a pesquisa de fístulas;
  • Fluoresceina intratecal: utilizada durante os procedimentos cirúrgicos para facilitar a correta localização da fístula liquórica, principalmente nos pequenos defeitos ou com baixo débito.

Exames de rotina: 

  • Endoscopia nasal;
  • Dosagem de Beta2-transferrina;
  • TC de seios da face.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.