Cardiologia

Whitebook: endocardite infecciosa

Tempo de leitura: 2 min.

Essa semana publicamos um caso clínico sobre endocardite infecciosa. Assim, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos falar um pouco sobre o assunto.

Baixe agora gratuitamente o Whitebook e tenha tudo sobre todas as condutas médicas, na palma da mão!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Diagnóstico de endocardite infecciosa

O diagnóstico envolve critérios clínicos, laboratoriais e o ecocardiograma. O diagnóstico pode ser fechado a partir dos critérios de Duke (veja mais no tópico abaixo).

Exames laboratoriais de rotina: Hemograma completo; ureia, creatinina e glicose; eletrólitos; coagulograma; VHS; EAS; eletrocardiograma e radiografia de tórax.

Hemoculturas: Mínimo de três pares de culturas, sendo duas amostras de sítios diferentes, e intervalo entre os pares de uma hora. Cada par consiste em um balão aeróbico e outro anaeróbico, com 10 mL de sangue venoso em cada. Deve-se informar ao laboratório sobre a possibilidade de germe de crescimento lento.

Ecocardiograma: Está sempre indicado em suspeita de endocardite. Em pacientes com valva nativa, opta-se por ecocardiograma transtorácico (ETT), reservando o transesofágico (ETE) para casos de dúvidas diagnósticas (ETT inconclusiva ou negativa em paciente com alta suspeita clínica), quadros graves com suspeita de complicações ou com piora clínica. Quando ETE é negativo e o paciente continua tendo como principal hipótese diagnóstica EI, deve-se solicitar um segundo exame em 2-7 dias, buscando evidenciar a presença da vegetação. Um segundo exame negativo torna essa hipótese pouco provável.

TC cardíaca: Exame ideal para detecção de complicações, como abscesso aórtico ou paravalvar e aneurisma micótico (angiotomografia).

FDG-PET: Exame que detecta atividade inflamatória através do consumo energético pelas células, mas não consegue distinguir infecção de inflamação. Por isso, tem menos utilidade nas valvas protéticas no pós-operatório precoce.

Cintilografia com leucócitos marcados: É o grande método em pacientes com dispositivos implantados, como CDI e TAVR, com sensibilidade de 90% e especificidade de 100%.

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.
Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

Osteoartrite do joelho: diagnóstico e tratamento [podcast]

Neste episódio, o Dr. Rafael Erthal vai falar sobre a osteoatrite do joelho. Entenda mais…

10 horas atrás

PICO: como formular uma pergunta clínica?

Saber como formular adequadamente uma pergunta clínica (PICO) é necessário para que a evidência encontrada…

10 horas atrás

Lombalgia crônica – avaliação para espondiloartrite [video]

No episódio de hoje, em parceria com a Medbolus, vamos falar sobre lombalgia crônica e…

11 horas atrás

Interpretação de exames laboratoriais: o que todo médico deve saber – Parte III

Abordamos ferramentas cognitivas indispensáveis para uma interpretação acurada de exames laboratoriais na prática clínica.

12 horas atrás

Manejo de via aérea difícil: confira os principais pontos da nova diretriz da ASA

A American Society of Anesthesiologists (ASA) publicou uma atualização Guideline de Manejo de Via Aérea…

13 horas atrás

A vacinação contra Covid-19 pode alterar o ciclo menstrual?

Um artigo publicado em uma revista especializada respondeu: Seria a vacinação contra Covid-19 um fator…

14 horas atrás