Infectologia

Whitebook: influenza

Tempo de leitura: 2 min.

Publicamos no portal esta semana uma matéria sobre a epidemia de influenza no Rio de Janeiro. Assim, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a abordagem clínica dessa doença.

Baixe agora gratuitamente o Whitebook e tenha tudo sobre todas as condutas médicas, na palma da mão!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

 

Considerações Iniciais

Durante um surto de gripe, principalmente nos meses de inverno (embora no Brasil, pelo clima tropical, esta verdade seja parcial com prevalência relativamente constante durante todo o ano), o diagnóstico clínico de gripe apresenta bom rendimento, dispensando qualquer exame complementar.

Mesmo fora do período de inverno, casos esporádicos não demandam detecção viral para influenza, dado o caráter autolimitado da infecção, salvo em vigência de síndrome respiratória aguda grave ou em casos de importância epidemiológica ou diagnóstico pandêmico (como na pandemia de H1N1).

Exames laboratoriais:

    Hemograma completo , eletrólitos, função renal, função hepática, PCR , gasometria arterial e lactato. Indicados em casos de influenza ou suspeita de influenza com evolução para síndrome respiratória aguda grave, que demanda internação hospitalar. Pacientes com suspeita de encefalopatia devem ser submetidos à punção lombar e pesquisa do vírus.
  • Resultados:
    • Hemograma pode evidenciar leucopenia com linfopenia e trombocitopenia (típicos de infecção viral);
    • Gasometria arterial pode revelar hipoxemia nos casos de evolução grave.

Radiografia de tórax:

  • Indicada em casos de influenza ou suspeita de influenza com alterações ao exame físico e/ou evolução para síndrome respiratória aguda grave;
  • Pode indicar a presença de infiltrado pulmonar multifocal ou difuso em vidro fosco, padrão de infiltrado intersticial ou consolidação lobular ou segmentar, sendo impossível a distinção de pneumonia bacteriana.

Detecção viral:

  • Com base no Guia de Vigilância Epidemiológica, do Ministério da Saúde, está indicada a coleta de secreção nasofarí­ngea (preferencialmente entre o terceiro e o sétimo dia do início dos sintomas) para detecção viral em todos os pacientes com suspeita de síndrome respiratória aguda grave (apresentando ou não fator de risco para complicações);
  • O exame confirmatório para infecção por influenza é a RT-PCR ou a cultura de secreções de orofaringe, mas não estão amplamente disponíveis;
  • Testes rápidos (QuickVue Influenza A+B®; ZstatFlu®) são comercializados atualmente e apresentam alta sensibilidade e especificidade.

Hemocultura: Deve ser solicitada em todo paciente com suspeita de síndrome respiratória aguda grave para diagnóstico diferencial com pneumonia bacteriana ou pelo risco de infecção bacteriana concomitante.

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.
Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

54 minutos atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

2 horas atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

3 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

4 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

5 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

7 horas atrás