Altas doses de vitamina D não previnem resfriado em crianças

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Estudos recentes indicam uma ligação entre níveis baixos de 25-hidroxivitamina D e infecções virais do trato respiratório superior. No entanto, ainda não se sabe se a suplementação de vitamina D reduz o risco de resfriado entre crianças.

Para investigar essa questão, pesquisadores realizaram um ensaio clínico randomizado com crianças de 1 a 5 anos (n = 699), inscritas em uma rede de pesquisa de Ontário, no Canadá, entre os meses de inverno dos anos de 2011 a 2015. Os resultados foram publicados no Journal of the American Medical Association.

Trezentos e quarenta e nove participantes receberam 2000 UI de suplementação oral de vitamina D (grupo de doses elevadas) e 354 receberam 400 UI (grupo de dose padrão) por um mínimo de 4 meses, entre setembro e maio (inverno na região). O desfecho primário foi o número de infecções do trato respiratório superior.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

O número médio de infecções respiratórias por criança foi de 1,05 (IC de 95%, 0,91-1,19) para o grupo de doses elevadas e 1,03 (IC de 95%, 0,90-1,16) para o grupo de dose padrão, resultando em uma diferença entre grupos de 0,02 (IC de 95%, -0,17 a 0,21) por criança.

Não houve diferença significativa no número de infecções entre grupos (taxa de incidência [RR], 0,97; IC de 95%, 0,80-1,16). Também não houve diferença significativa no tempo médio para a primeira infecção confirmada: 3,95 meses (IC de 95%, 3,02-5,95 meses) para o grupo de doses elevadas versus 3,29 meses (IC de 95%, 2,66-4,14 ​​meses) para o grupo de dose padrão; ou no número de doenças do trato respiratório superior relatadas pelos pais (625 para altas doses e 600 para dose padrão, [RR], 1,01, IC de 95%, 0,88-1,16).

No final do estudo, os níveis séricos de 25-hidroxivitamina D foram 48,7 ng/mL (IC de 95%, 46,9-50,5 ng/mL) no grupo de alta dose e 36,8 ng/mL (IC de 95%, 35,4-38,2 ng/mL) no grupo de dose padrão.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que, entre as crianças saudáveis de 1 a 5 anos, a administração diária de 2000 UI em comparação com 400 UI de suplementação de vitamina D não reduziu as infecções do trato respiratório superior durante o inverno.

Veja também: ‘Reposição de vitamina D – para quem?’

Referências:

  • Aglipay M, Birken CS, Parkin PC, Loeb MB, Thorpe K, Chen Y, Laupacis A, Mamdani M, Macarthur C, Hoch JS, Mazzulli T, Maguire JL, for the TARGet Kids! Collaboration. Effect of High-Dose vs Standard-Dose Wintertime Vitamin D Supplementation on Viral Upper Respiratory Tract Infections in Young Healthy Children. JAMA. 2017;318(3):245-254. doi:10.1001/jama.2017.8708

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Entrar | Cadastrar