Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Medicina Interna / Consumo de álcool aumenta o risco para câncer

Consumo de álcool aumenta o risco para câncer

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

O consumo excessivo de álcool é um dos grandes problemas no mundo. O Brasil está entre os 10 países Americanos que mais consomem álcool per capita por ano, , segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A OMS estima que ocorram 3,3 milhões de morte por ano relacionadas ao consumo de álcool. Isto quer dizer que 6% das mortes do mundo tiveram o álcool como fator causal, mesmo que parcialmente.

Consumir bebidas alcoólicas moderadamente, tornou-se um mantra comum no século 21 para justificar o consumo “saudável”. Porém, quando relacionamos ao risco de câncer, o consumo de álcool não parece seguro.

Um estudo americano, realizado com 155.000 profissionais de saúde e publicado no British Medical Journal (BMJ), apontou que o consumo leve a moderado de álcool, < 15 g/dia para mulheres e < 30 g/dia para homens, está associado ao aumento discreto, não significativo, no risco de câncer. Esse risco foi relacionado a populações especificas e aumentou significativamente quando o hábito de tabagismo estava associado ao consumo de bebidas alcoólicas.

Por fim, concluiu-se que mulheres possuem risco mais elevado de câncer do que os homens quando falamos em um consumo leve a moderado de álcool, mesmo na ausência de tabagismo.

Estudos relacionando o consumo de bebidas alcoólicas e câncer já ocorrem há vários anos. Os principais órgãos acometidos são: boca, laringe, esôfago, fígado, cólon-reto e mama. Sabemos também que a dose e o tempo de consumo são fatores diretamente proporcionais ao risco para se ter essas neoplasias. E por isso, a maior parte destes estudos abordavam pacientes com ingestas elevadas por longos períodos.

A grande reflexão do estudo publicado no BMJ é que pacientes com história familiar de câncer devem reduzir de maneira extrema, ou mesmo evitar, o consumo de bebidas alcoólicas com o objetivo de reduzir o risco de neoplasias.

Em uma geração que preza a cada dia por resgate de hábitos saudáveis, onde o tabagismo e o consumo de gorduras estão cada vez mais sendo atacados no hábito social, o álcool persiste como algo normal na maior parte das sociedades. Precisamos rever o impacto, não apenas em neoplasias, mas como nas diversas doenças e problemas sociais relacionadas ao consumo do álcool

 

Referências:

  1. Light to moderate intake of alcohol, drinking patterns, and risk of cancer: results from two prospective US cohort studies
  2. Rehm J, Shield K. Alcohol consumption. In: Stewart BW, Wild CB, eds. World Cancer Report 2014. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2014.
  3. Alcohol drinking. IARC Working Group, Lyon, 13­20 October 1987. IARC Monogr Eval Carcinog Risks Hum. 1988;44:1­378. Abstract

 

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.