Categorias: Hepatologia

FDA aprova Maviret para o tratamento da hepatite C

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A mortalidade e a morbidade associadas ao vírus da hepatite C (VHC) continuam a crescer. Sua principal forma de contágio ocorre por meio do contato com o sangue contaminado. A hepatite C aguda geralmente se apresenta de forma assintomática. No entanto, a maioria dos casos evolui para cronicidade, devido à capacidade do vírus em sofrer mutações, podendo levar ao desenvolvimento de cirrose hepática e carcinoma hepatocelular.

É possível classificar o VHC em genótipos e subtipos. Atualmente, existem seis principais genótipos conhecidos (1 a 6), com os subtipos 1a, 1b, 1c, 2a, 2b, 2c, 3a, 3b, 4a, 5a e 6a. O conhecimento sobre o genótipo do vírus pode ajudar nas recomendações para o tratamento. Aproximadamente 75% dos americanos com VHC têm genótipo 1, 20-25% têm genótipos 2 ou 3, e um pequeno número de pacientes são infectados com genótipos 4, 5 ou 6.

Recentemente, no começo de agosto de 2017, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou o uso de Maviret (glecaprevir e pibrentasvir) para o tratamento de pacientes adultos infectados pelo VHC de genótipos 1-6 sem cirrose ou com cirrose leve, incluindo pacientes com doença renal moderada a grave e aqueles que estão em diálise.

Maviret também é aprovado para pacientes adultos com VHC genótipo 1 que foram previamente tratados com um regime contendo um inibidor de NS5A ou um inibidor de protease NS3/4A, mas não ambos.

Veja também: ‘Urgente! Tratamento para hepatite C pode causar recorrência de hepatite B’

É o primeiro tratamento de oito semanas de duração aprovado para todos os genótipos (1-6) do VHC em pacientes adultos e sem cirrose que não realizaram tratamento anterior.

Segundo o Dr. Edward Cox, diretor na FDA do Escritório de Produtos Antimicrobianos do Centro de Avaliação de Medicamentos e Pesquisa, a aprovação proporciona uma duração de tratamento mais curta para muitos pacientes e também uma opção de tratamento para pacientes com infecção pelo genótipo 1, que não foram tratados com sucesso com outros tratamentos antivirais de ação direta.

A segurança e a eficácia de Maviret foram avaliadas durante ensaios clínicos envolvendo aproximadamente 2.300 adultos com infecção por VHC dos genótipos 1, 2, 3, 4, 5 ou 6 sem cirrose ou com cirrose leve. Os resultados dos ensaios demonstraram que 92-100% dos pacientes que receberam Maviret por 8, 12 ou 16 semanas de duração não detectaram vírus no sangue 12 semanas após o término do tratamento, sugerindo que a infecção dos pacientes havia sido curada.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

ACC.21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

8 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

9 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

11 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

13 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

15 horas atrás

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

1 dia atrás