Categorias: Pediatria

Nova escala para sedação em procedimentos na pediatria

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Queremos saber a sua opinião! Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

A American Academy of Pediatrics e a American Society of Anesthesiologists desenvolveram uma nova escala de 6 pontos para sedação em procedimentos pediátricos: a Pediatric Sedation State Scale (PSSS). A ferramenta destina-se a atender as necessidades dos anestesistas de medir a eficácia e a qualidade dos cuidados.

Método

Foram definidos seis estados de sedação para o PSSS. A cada estado foi atribuído um valor numérico, com números maiores para estados crescentes de atividade. A qualidade foi avaliada pela condição geral do paciente, incluindo qualquer experiência de dor, ansiedade, mudança no nível de consciência e eventos adversos. Foram incluídos comportamentos associados à sedação adequada e inadequada, e eventos adversos associados à sedação excessiva.

Os seis estados são:

Estado 0: profundamente adormecido com parâmetros fisiológicos anormais que requerem intervenção aguda (por exemplo, saturação de O2 < 90%, hipotensão, bradicardia)

Estado 1: profundamente adormecido com sinais vitais normais, mas requer intervenção ou assistência de via aérea (por exemplo, apneia central ou obstrutiva)

Estado 2: silencioso, sem movimento, sem franzir as sobrancelhas, sem verbalização da queixa (estado ideal)

Estado 3: expressão facial de dor ou ansiedade

Estado 4: movimento requer imobilização suave para posicionamento

Estado 5: movimento impede o procedimento e requer uma imobilização forçada

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Após uma sessão de treinamento de 10 minutos, 20 profissionais de várias especialidades e com diferentes níveis de treinamento e experiência usaram o PSSS em 13 vídeos de sedação procedural. Os resultados mostraram excelente confiabilidade (p < .001).

Referências:

  • Validation of the Pediatric Sedation State Scale. Joseph P. Cravero, Nissa Askins, Patcharee Sriswasdi, Daniel S. Tsze, David Zurakowski, Sean Sinnott. Pediatrics May 2017, 139 (5) e20162897; DOI: 10.1542/peds.2016-2897
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Uso dos antídotos dos novos anticoagulantes em pacientes com sangramento grave

O manejo do sangramento por anticoagulantes consiste de tratamento de suporte, uso de pró-coagulantes e…

2 horas atrás

Síndrome do Intestino Irritável: causas e sintomas [podcast]

Neste episódio, a Dra. Mariane Sávio, especialista em Coloproctologia e conteudista do Whitebook, falará sobre…

2 horas atrás

Anvisa alerta sobre casos raros de síndrome de Guillain-Barré pós-vacinação

A Anvisa emitiu um alerta para o acompanhamento de casos raros da síndrome de Guillain-Barré…

4 horas atrás

Efeitos adversos associados ao uso de cigarro eletrônico por gestantes

O tabagismo materno, sem dúvidas, é uma causa relevante e evitável de efeitos adversos na…

5 horas atrás

Hipertensão em adolescentes com doença renal crônica: usar definição de adultos ou de crianças?

Foi conduzida uma análise retrospectiva do “Estudo de Coorte de Doença Renal Crônica em Crianças”…

5 horas atrás

Melhores práticas perioperatórias em pacientes obesos

O anestesiologista precisa estar familiarizado com as melhores práticas atuais no manejo perioperatório de pacientes…

6 horas atrás