Home / Residência Médica / Por que os residentes estão infelizes?

Por que os residentes estão infelizes?

Residência Médica
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A residência médica é um dos períodos de maior intensidade em aprendizado na carreira de um médico. Nesta fase, o médico experimenta o início da sua trajetória como especialista e descobre o dia-a-dia da profissão em sua real face. Com carga horária extenuante, pressão dos serviços por resultado, necessidade de estudar para complementar o conhecimento, esta fase torna-se estressante o que muita vezes impacta diretamente em todos os aspectos da vida profissional e pessoal.

Um estudo publicado pelo JAMA, no último dia 8 de Dezembro, apresentou que pelo menos um quarto dos residentes americanos sofrem de depressão ou sintomas depressivos. A revisão sistemática utilizou dados de mais 50 estudos, realizados entre 1972 e 2012, que entrevistaram mais 18.000 residentes.

A prevalência dos sintomas relacionados a depressão estave presente em 29% dos questionários respondidos, com aumento da prevalência ao longo o tempo. Essa prevalência é extremamente elevada, principalmente quando levamos em conta de que este tipo de sintoma está presente em aproximadamente 16% da população.

Apesar dos dados serem americanos, esta realidade não se distância muito do dia a dia do médico residente nacional. Imagine que além de confrontar toda a pressão e número de horas trabalhada (ao menos 60h/semana), este tipo de profissional ainda lida com questões institucionais, déficits estruturais e falta de insumos dos hospitais públicos, baixo salários e ausência de benefícios trabalhistas.

Esta situação conduz a insatisfação em conflito com a necessidade e desejo de aprendizado provido pela residência médica. O que vem aumentando o número de greves e paralisações em diversos hospitais de todo Brasil.

O período da residência médica conduz à formação de médicos especialistas, sendo fundamental para garantir a melhor qualidade destes profissionais que atuam na linha de frente do atendimento médico: o médico jovem. É necessária a identificação dos pontos negativos, desenvolvimento de medidas estratégicas e garantir que a formação de qualidade seja prioridade no nosso país.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.